Miss Cantine

Alergia às proteínas do leite de vaca, mediada por IgE e não mediada por IgE: diferenças, sintomas e prognóstico

Nas últimas décadas, a prevalência de alergias alimentares na infância aumentou significativamente. Entre eles, o alergia às proteínas do leite de vaca (APLV) É uma das maiores incidências e um dos principais desafios para especialistas em gastroenterologia e alergologia pediátrica.

Com o objetivo de divulgar as últimas notícias e avanços na cura dessa alergia alimentar, foi realizado em 20 de novembro o “Primeiro Dia de Saúde e Nutrição Infantil: Simpósio de Nutrientes Infantis”, onde diferentes questões relacionadas ao APLV, ambos mediados por IgE e não mediados por IgE.

Alergia mediada por IgE e não mediada por IgE: como eles diferem?

Os mecanismos envolvidos no processo de alergia alimentar são variados e, dessa forma, poderíamos falar sobre:

  • Alergias mediadas por IgE, quando o corpo cria defesas para proteger contra a substância alergênica.

  • Alergias não mediadas por IgE, onde os anticorpos IgE não entram em jogo, mas outros mecanismos diferentes.

Nos dois casos, há uma reação na qual o sistema imunológico participa. Daí que o termo “intolerância” não é bem usado para se referir a alergias não mediadas por IgE, uma vez que o mecanismo imunológico não interfere na intolerância alimentar (por exemplo, intolerância à lactose).

O sintomas de alergia alimentar são muito variados. Em geral, nos casos de alergia mediada por IgE, ocorrem imediatamente, enquanto em alergia não mediada por IgE se atrasam, algo que dificulta o diagnóstico de alergia, pois é difícil estabelecer uma relação entre a ingestão do alimento causador e a reação

APLV não mediada por IgE: a importância de um diagnóstico preciso

Durante o “I Dia da Saúde e Nutrição Infantil”, a Dra. Josefa Barrio, pediatra do Hospital Universitário de Fuenlabrada, explicou o que é APLV não mediado por IgE, bem como a tabela associada de enterocolite induzida por proteínas alimentares (Enterocolite induzida por proteínas alimentares; FPIES).

Os FPIES É uma condição potencialmente grave, cujo principal sintoma é o vômito, às vezes acompanhada de diarréia, palidez e decadência. No entanto, até relativamente recentemente, eu estava sob diagnóstico, pois não existem critérios bem estabelecidos para isso.

E é que, diferentemente das alergias mediadas por IgE, nas quais um teste de picada (punção cutânea) ou um exame de sangue (RAST) é suficiente, as alergias não mediadas por IgE são baseadas exclusivamente no histórico médico.

Casos de alergia à proteína do leite de vaca continuam aparecendo por causa da “garrafa de pirata”

Se houver dúvida sobre o histórico médico, às vezes pode ser necessário realizar um teste de desafio oral ao leite para confirmar o diagnóstico. Isso sempre deve ser feito em um hospital e sob rigoroso controle médico.

Uma vez diagnosticada a alergia, a criança deve usar um dieta livre de proteínas do leite de vacae, no caso de amamentação, é provável que o médico recomende que a mãe siga essa dieta para evitar a presença de proteínas do leite de vaca no leite materno.

O APLV mediado por IgE não é curado?

Especialistas apontam que o prognóstico da cura espontânea do APLV não mediado por IgE é geralmente muito bom, exceto em casos excepcionais. Além disso, ocorre em um curto espaço de tempo, ou seja, a maioria das crianças o excede entre dois e três anos.

APLV mediado por IgE: maior prevalência, mas bom prognóstico de cura

Durante a conferência, o Dr. Luis Echeverría, pediatra da Unidade de Alergia e Pneumologia do Hospital Universitário Severo Ochoa, explicou mais detalhes sobre o APLV mediado por IgL e o sucesso dos tratamentos de imunoterapia oral.

O Os sintomas associados às alergias mediadas por IgE são de início imediato., ou no máximo na primeira hora após a ingestão. Suas manifestações são muito variadas, podendo apresentar reações cutâneas, sintomas respiratórios, edema … ou até choque anafilático.

O Dr. Luis Echeverría disse que, embora haja um aumento na prevalência desse tipo de APLV, o prognóstico para a cura a longo prazo é muito bom, atingindo 90% de tolerância espontânea.

O APLV mediado por IgE é curado?

Para crianças que não atingiram a tolerância ao leite espontaneamente aos três ou quatro anos de idade, existem programas de imunoterapia oral Com uma grande taxa de sucesso.

Exposição precoce a alimentos alérgenos, chave para a cura de alergias alimentares

O tratamento com imunoterapia oral passaria por expor a criança aos alimentos alérgenos de maneira controlada e sob supervisão médica, até que a tolerância seja alcançada. Dessa forma, é aberta uma nova maneira de curar alergias alimentares que nada tem a ver com a corrente tradicional realizada até o momento, consistindo em dieta para evitar:

“A imunoterapia oral com proteínas do leite de vaca é uma Opção de tratamento proativo para crianças com alergia mediada por IgE ao leite de vaca, atingindo altas taxas de dessensibilização, mas com efeitos adversos frequentes durante o procedimento, sendo a maioria de gravidade leve ”

Como deve ser a dieta de um bebê com APLV?

No caso de APLV mediado por IgL, como no caso de APLV não mediado por IgE, até a criança atingir a tolerância, siga uma dieta livre de leite, laticínios e derivados.

Mas não é apenas o suficiente para eliminar o leite da dieta da criança, mas é muito importante cuidar da dieta para “garantir crescimento adequado”, como afirma o Dr. José Manuel Moreno Villares, co-diretor do Departamento de Pediatria da Clínica da Universidade de Navarra, durante o dia.

80% das pessoas não consomem cálcio e vitamina D de que precisam (e isso é preocupante)

Assim, as fórmulas substitutas que o bebê com APLV deve tomar devem ser seguro e eficaz para alcançar nutrição e crescimento adequados, e passaria por:

  • Fórmulas hidrolisadas, que consistem em fórmulas infantis com proteína digerida em pequenas porções (pequenos peptídeos) que não desencadeiam uma resposta imune (alergia).

  • Fórmulas de soja, para maiores de seis meses que não apresentam enteropatia.

  • Fórmulas Elementares

Além disso, o Dr. Moreno lembrou que nem o leite de outros mamíferos nem as bebidas vegetais são uma alternativa válida para alimentar bebês com APLV.

Alergias em crianças: sete chaves para ajudá-las a viver com elas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *