Miss Cantine

Bebês geneticamente modificados: o que aconteceu na China e por que todos estão tão preocupados

A controvérsia explodiu em mil pedaços, ferindo toda a comunidade científica: os primeiros humanos geneticamente modificados teriam nascido durante este mês de novembro. Os especialistas não levantaram seus gritos e condenaram o fato.

Por outro lado, as vozes mais críticas duvidam que isso seja possível, enquanto os responsáveis ​​por esse “feito” foram demitidos e condenados pela comunidade. Mas qual é a agitação? Como a genética de um bebê pode ser modificada? E o que há de errado? E bom? As perguntas não param de crescer.

O que é um bebê geneticamente modificado?

Nos filmes de ficção científica, os seres humanos nascem “sob demanda”, com nosso DNA modificado para ser mais forte, mais inteligente e melhor. Na comunidade científica, no entanto, essa realidade é duramente criticada. Sim, dissemos a realidade, porque, como anunciado há alguns dias, uma equipe de pesquisadores chineses conseguiu realizar os primeiros bebês geneticamente modificados.

Conforme anunciado, a equipe de He Jiankui conseguiu o nascimento bem-sucedido de Lulu e Nana, duas irmãs gêmeas cujo DNA foi modificado para resistir ao vírus HIV, responsável pela AIDS. Todas as nossas células têm dentro de um livro de instruções chamado DNA, que é o mesmo para todos. Quando falamos de bebês geneticamente modificados, queremos dizer que o DNA foi alterado para sempre voluntariamente.

O que os pesquisadores chineses fizeram é causar uma mutação, uma alteração no DNA, benéfica para a célula. Essa mutação modificou um gene chamado CCR5. Os genes são partes do DNA que contêm informações específicas e importantes. Este gene em particular, quando apresenta uma mutação conhecida como “delta32”, torna a célula imune ao ataque do HIV.

Embora os dois gêmeos tenham recebido o tratamento, apenas um deles é imune ao vírus da Aids. Para causar imunidade, todas as cópias desse gene, o CCR5, devem ter a mutação delta32. A outra irmã possui um “mosaico genético”, ou seja, apresenta a mutação delta32 e o gene original, antes de tentar modificá-lo, para que não seja imune.

É importante não confundir essa técnica de modificação genética com a técnica de seleção usada na reprodução artificial. Por exemplo, na Espanha, depois de causar a fertilização de um óvulo, é legal selecionar um embrião saudável depois de verificar se ele não tem nenhuma doença genética herdada (estipulado por lei). Pelo contrário, um bebê modificado sofreu uma alteração causada por um tratamento, de modo que não é uma seleção, mas uma modificação genética voluntária e direcionada. Este tratamento, neste caso, é CRISPR.

CRISPR, qual é a técnica para modificar geneticamente?

Para modificar um organismo (como um bebê), várias técnicas são usadas. O mais avançado, preciso, seguro e eficaz é chamado CRISPR. Está, modo bruto, é selecionar uma parte deste livro de instruções que é DNA e cortá-la com precisão. Então, outro fragmento de DNA pode ser “colado” no lugar.

No caso dos gêmeos, os pesquisadores cortaram o gene CCR5 e o trocaram por uma cópia com a mutação delta32. Essa técnica usa um vírus projetado e não perigoso para alterar todas as células do corpo.. O vírus é injetado no embrião, que possui algumas células, em vez do bebê adulto. A técnica, CRISPR, é relativamente nova, embora bem conhecida.

Seu uso é diário em laboratórios ao redor do mundo para trabalhar com todos os tipos de organismos, em pesquisas. Ainda está sendo legislado até que ponto pode ser usado em alimentos e produtos para os consumidores. Até onde sabemos, a técnica é completamente segura, mas ainda precisamos de mais tempo para usá-lo para ter certeza de que não implica nenhum perigo para a saúde quando usado para modificar células humanas.

Na cidade Xataka
As 10 variantes genéticas “vantajosas e sem efeitos colaterais” que George Church deseja colocar em nossos filhos com CRISPR

Por outro lado, a decisão de alterar esse gene, CCR5, é porque se sabe que a mutação delta32 é completamente segura. Isso significa que fazer essa mudança genética não envolve nenhum tipo de risco, mas um benefício: que as meninas não tenham AIDS. Este é um dos genes que, segundo alguns especialistas, poderíamos modificar sem medo de uma consequência negativa.

Se sabemos que não envolve riscos, por que há um debate ético?

Em primeiro lugar, embora tenhamos certeza de que isso não implica nenhum tipo de problema de saúde, as manifestações genéticas têm um certo grau de espontaneidade. Temos que estar muito mais confiantes do que estamos agora ser capaz de “comercializar” um tratamento baseado na modificação de nossos genes com CRISPR.

Suponhamos que consigamos atingir um nível suficiente de segurança: sabemos que existem certas variantes de genes que podem ajudar a melhorar o ser humano. Devemos apresentá-los? Atualmente, quase todo o mundo, É ilegal modificar geneticamente seres humanos. Uma exceção estranha é a China, que entre seus veredictos legais permitiu certas modificações, de maneira sobreposta, para tratar o câncer. No entanto, a modificação genética de embriões é completamente ilegal.

Isso não impediu essa equipe de realizar os experimentos de que estamos falando, embora haja quem duvide que seja real. Por outro lado, a comunidade científica foi rápida em reclamar por um simples motivo: ética. A principal razão pela qual essas experiências não são legais é porque eticamente falando, não há justificativa para issos.

Como um bebê pode ter três pais?

A eugenia, ou seja, a seleção voluntária de características genéticas, é uma questão muito sensível. A favor desses gêmeos poderíamos falar que estamos fazendo o bem sem causar mal a eles. Quem escolhe quem deve receber o privilégio? É uma questão de dinheiro? De política? Social? Vincular o desenvolvimento da humanidade a essa questão suscita muitas preocupações.

No outro extremo, temos as reclamações, fundamentadas, de que ainda não dominamos completamente a técnica. O exemplo está nos mesmos gêmeos: em um deles o tratamento não foi 100% eficaz. Que bugs encontraremos à medida que crescem? E como existem mais casos? No momento, está claro que a edição genética, em humanos, já está aqui, e está aqui para ficar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *