Miss Cantine

Canarias implementará duas horas de videogame na sala de aula, uma ideia que todo mundo não gosta

É uma realidade inegável: as crianças gostam de videogame e é uma tarefa árdua fazê-las jogar com moderação. Porque a chave, de acordo com especialistas, parece estar lá, com moderação.

Muitas escolas já integram novas tecnologias em sua metodologia educacional, como forma de motivar uma geração que nasceu na era da apps Para tudo e videogames. Mas o governo das Canárias deu um passo adiante: No próximo ano acadêmico de 2018 e 2019, 20 escolas nas Ilhas Canárias participarão de um projeto educacional piloto sobre o uso adequado de videogames.

Qual é a iniciativa das Canárias?

O projeto, ministrado durante um trimestre, durará 10 semanas e será desenvolvido como atividade extracurricular duas vezes por semana. Além disso, incluirá uma liga escolar de três ‘e-sports’, escolhida por sua grande presença entre jovens: FIFA, League of Legends e Clash Royale.

A ideia principal disso combinação de workshops de treinamento sobre o bom uso de tecnologias com uma sessão de atividade física e uma sessão de treinamento de videogame, é que os alunos associam todas essas atividades e conhecimentos e se acostumam a incluí-los em suas vidas. Isso é explicado pelos responsáveis ​​pelo projeto.
Avaliando as atitudes das crianças em relação ao jogo, será conhecido em que aspectos será necessário trabalhar nas sessões de treinamento.

Estes dias de treinamento são voltados para crianças, mas também para professores e pais. No final do trimestre em que este projeto será desenvolvido, será realizada uma avaliação exaustiva para que os alunos façam uso responsável das tecnologias.

Além disso, Teresa Acosta, diretora da Agência de Qualidade e Avaliação Educacional da Universidade Canárias, garante que:

“O projeto foi desenvolvido para reduzir o fosso digital entre os alunos, suas famílias e professores, para que aprendam a falar o mesmo idioma que seus filhos e filhas, saibam o que lhes interessa e tenham muito mais facilidades para ajudá-los, se houver. problema e participar da sua educação digital “.

Segundo dados do Ministério, nas Ilhas Canárias 76% das crianças entre 6 e 10 anos jogam videogamee até 78% entre 11 e 14 anos.

E o que os pais pensam sobre isso? É claro que o debate sobre o uso ou não de videogames nas escolas é servido. Pode ser uma nova maneira de ensinar, talvez mais motivadora do que a tradicional, mas como todo o resto: desde que seja usado com moderação e sem reduzir o tempo gasto em esportes. Vejamos os argumentos a favor e contra.

Os pediatras, contra

Antes do anúncio da liga de e-sports nas escolas, a Associação de Pediatras da Atenção Básica das Ilhas Canárias (APap) alerta sobre o estilo de vida sedentário e o risco de dependência envolvido nos videogames. E pedir a retirada do projeto que o próximo curso será desenvolvido em sua Comunidade Autônoma.

Esses profissionais não consideram os videogames competitivos como um esporte. Eles garantem que a promoção de atividades de lazer sedentárias “contraria” as recomendações oficiais para a prevenção do excesso de peso e obesidade realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo Ministério da Saúde, Serviços Sociais e Igualdade do Governo da Espanha e pelo Departamento de Saúde do Governo das Ilhas Canárias.

Além disso, eles apontam que esses perigos são mais evidentes nas Ilhas Canárias, com números alarmantes de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes, entre os mais altos da Espanha. Na sua opinião,

“Crianças e adolescentes já estão bastante expostos ao lazer sedentário em seu tempo livre com o consumo de televisão, videogame e uso de telefones celulares e tablets no ambiente doméstico”.

Além do mais, lembre-se disso “O vício em videogame foi recentemente considerado uma doença mental pela OMS, sendo incluído como tal na CIE (Classificação Internacional de Doenças), para distúrbios neurológicos e psiquiátricos associados ao seu uso excessivo.

A Estratégia Nacional sobre Vícios 2017-2024 do Ministério da Saúde, Serviços Sociais e Igualdade, declarou em seu relatório que 18% da população de adolescentes e jovens de 14 a 18 anos de idade usam tecnologias da informação e comunicação de maneira abusiva .

Argumentos a favor

E em Bebês e mais Repetimos em diferentes ocasiões os estudos mais recentes sobre os benefícios dos videogames nas escolas. Falamos, por exemplo, daqueles baseados na gamificação como uma técnica de aprendizado, como jogos de estratégia ou desafios individuais e coletivos.

Ou os benefícios que podem estar no relacionamento pai-filho para compartilhar seu amor pelos videogames. Mas queremos “sair” e sentir o que as vozes dos especialistas dizem.

Os porta-vozes da Associação Espanhola de Videogames (AEVI) argumentam que seu uso nas escolas melhora as habilidades e habilidades das crianças e até são úteis para regenerar os métodos educacionais: “Foi demonstrado que o cérebro está predisposto a aprender mais rápido com jogos do que com livros” Mas tem mais.

  • Os video games melhorar a memória e as habilidades cognitivas dos menores: desenvolvem sua inventividade, criatividade e capacidade intelectual e analítica.

  • Eles são motivados a superar desafios, que aumente sua motivação e compromisso.

  • Eles enriquecem a habilidade lógica, dedução e raciocínio e aumenta sua orientação espacial. Melhores resultados são observados em matemática dos adolescentes que os utilizam.

  • Você pode aproveitar sua parte educacional e sua parte lúdica para estimular as crianças, portanto, são ferramentas ideais para imersão em qualquer tipo de atividade.

  • Eles são úteis para acelerar e melhorar o processo de aquisição de conteúdo.

  • Aumentar a agilidade mental, tomada de decisão e capacidade de resolver conflitos. Além disso, eles permitem comparar diferentes estratégias e consequências das decisões tomadas.

  • Eles ajudam aumentar reflexos, coordenação e confiança.

O que você acha do uso de videogame na sala de aula?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *