Miss Cantine

Você quase perdeu seu bebê por asfixia postural: tenha cuidado com o uso prolongado de assentos de carro!

Quando viajamos com nosso bebê na estrada, é essencial levá-lo a um sistema adequado de retenção para crianças e atender à recomendação dos especialistas em o tempo máximo que deve permanecer neste tipo de assento. E existem vários estudos que relacionam problemas de asfixia postural do bebê com o uso prolongado desses sistemas de retenção infantil.

Kirsti e Christopher Clark desconheciam essa recomendação e estavam prestes a perder o bebê recém-nascido. Portanto, eles queriam compartilhar sua história e alertar outras famílias sobre os perigos de uso inadequado e prolongamento de assentos de carro.

Uma cena que eles nunca esquecerão

Os eventos ocorreram quando o casal e suas duas filhas, Malena, de três anos, e Harper, de três semanas, chegaram em casa depois mais de uma hora e meia de viagem por causa do tráfego na hora do rush.

Como a filha mais velha havia adormecido durante a viagem, eles decidiram deixar o bebê descansando em sua cadeirinha por mais 15 minutos, enquanto colocavam Malena na cama. No total, Harper permaneceu na cadeirinha por cerca de duas horas, e quando foram tirá-lo, perceberam que algo estava acontecendo:

“Meu marido puxou Harper da cadeira e a colocou de joelhos, mas parecia que a garota não estava confortável, então a deitamos no berço. No entanto, lá ela também parecia desconfortável e continuou chutando” – lembra Kirsti.

“Eu notei que seus lábios estavam começando a ficar azuis, e meu marido também me alertou para a cor de suas bochechas muito vermelhas. Nós rapidamente a tiramos do berço e vimos que algo estava errado.”

Naquele momento, enquanto Christopher segurava a filha nos braços, Harper apertou os lábios e começou a expelir espuma branca pelo nariz e pela boca. Sua mãe tentou abri-lo desesperadamente para não engolir a língua, mas a menina estava com os maxilares cerrados. Nesse instante, ele arqueou as costas e jogou a cabeça para trás.

O casal rapidamente colocou as filhas no carro e foi para o hospital, em uma viagem curta, mas angustiante, segundo Kirsti:

“A viagem de carro foi horrível. Eu estava apenas tentando garantir que minha filha estivesse respirando, mas tremia tanto que não consegui vê-la claramente. Durante os cinco minutos em que a jornada durou, tudo o que pensei foi que a perderíamos.”

O bebê havia sido privado de oxigênio

Já no hospital, os médicos rapidamente reverteram a situação e, após fazer Harper respirar novamente sem dificuldade, eles realizaram uma série de testes para descobrir o que havia acontecido com ele. Mas quando eles sabiam disso o bebê estava no banco do carro por duas horas, encontrou a explicação.

Os médicos informaram o casal de que, durante as duas horas em que Harper permaneceu em sua cadeirinha, ele sofreu uma privação de oxigênio. Quando ele o retirou e recuperou a respiração normal, ele sofreu o choque.

Os testes confirmaram que Harper era saudável e, apesar do sistema de retenção infantil que ele usou ser seguro e consistente com a idade, os médicos informaram que Não devo ficar nela por mais de uma horaBem, durante esse tempo, qualquer bebê pode sofrer com falta de oxigênio.

“Quando os médicos nos disseram que foi a cadeira do carro que causou isso, não pude acreditar. Não conseguia entender por que ninguém nunca havia nos avisado. Ouvi dizer que bebês não deveriam passar a noite nesses assentos.” porque as costas estão curvadas, mas nunca nada relacionado ao risco de asfixia e viagens de carro “- lamentou sua mãe.

Os pais de Harper contaram o que aconteceu em seu ambiente e depois perceberam que muitas famílias desconheciam esse fato importante, então eles decidiram tornar sua história pública para conscientizar todos os pais sobre o uso correto de assentos de carro em bebês recém-nascidos ou jovens.

“Nossa filha ficou no banco do carro por duas horas e quase a perdemos. É importante prestar atenção nisso, não use os assentos se não estivermos viajandoe siga os critérios de segurança dos especialistas. É horrível o que tínhamos que viver “- adverte Kirsti.

O que é asfixia postural e por que ocorre?

O que aconteceu com Harper é chamado de “asfixia postural ou posicional” e ocorre porque o fluxo de ar é cortado devido à posição tomada pelo bebê neste tipo de assentos.

Os recém-nascidos não têm força suficiente para segurar as costas e a cabeça e, quando sentadas nessas cadeiras, sua coluna adota a forma de um C muito pronunciado que dificulta a respiração do tórax e do abdômen. Além disso, a cabeça cai para frente, o queixo toca o peito e a traquéia fecha, dificultando a respiração.

Como resultado, aumentar o risco de bradicardia (o coração fica mais lento do que deveria), de apneias (o bebê para de respirar por alguns segundos) e dessaturação de oxigênio (menos oxigênio chega ao sangue), portanto, se a postura não for sanada, as consequências podem ser fatais.

Assentos de carro: as informações básicas que todos os pais devem conhecer

Inúmeros estudos a esse respeito

Existem vários estudos publicados a esse respeito e que alertam para os perigos que essa posição causa em bebês por muito tempo.

A Pediatria publicou em 2001 um estudo em que observaram 50 recém-nascidos a termo e 50 prematuros com 36 semanas de idade sentados por 60 minutos em um assento de carro aprovado. Em média, a saturação de oxigênio de todos os bebês caiu de 97% para 94%, mas 7 dos bebês (3 prematuros e 4 a termo) tiveram uma saturação de oxigênio inferior a 90% por 20 minutos. 12% dos bebês prematuros sofreram apneia (o bebê para de respirar por alguns segundos) ou bradicardia (o coração fica mais lento do que deveria).

Em 2002, outro estudo avaliou o status de 15 recém-nascidos quando estavam deitados em um berço ou sentados em uma cadeira. A saturação média de oxigênio quando estavam sentados era de 95,8% a 98,8% quando estavam deitados.

A Lullaby Trust Foundation, uma instituição de caridade que financia pesquisas sobre mortes de crianças, realizou um estudo em 2016 sobre os efeitos que ela tem nos bebês para passar períodos prolongados de tempo em assentos de carro.

O estudo concluiu que as reduções significativas na saturação de oxigênio foram semelhantes em prematuros e bebês a termo, por isso consideraram importante publicar as conclusões para alertar as famílias.

“Em geral, pouca informação é oferecida aos pais sobre os possíveis riscos à saúde do bebê associados à permanência em assentos de carro por um longo tempo. Aconselhamos os pais a evitar viajar em carros com bebês prematuros ou recém-nascidos por longos períodos. de tempo “- eles relatam no estudo da Lullaby Trust Foundation.

Por outro lado, outra investigação realizada pelo Children’s Hospital Medical Center de Ohio, alertou que a principal causa de morte durante o primeiro ano de um bebê está relacionada ao sono, e uso incorreto deste tipo de assentos Desempenha um papel fundamental.

“Assentos de carro não deve ser usado fora do veículo Para as crianças dormirem. Além disso, quando usadas no veículo, os aparelhos devem ser devidamente presos “- indicaram os pesquisadores deste estudo.

Dicas de segurança para viajar de carro

Como comentamos no início do post, assentos de carro são muito importantes, necessários e essenciais transportar o bebê por estrada.

Mas devemos prestar atenção a uma série de dicas que ajudarão a evitar o risco de asfixia postural quando as usarmos:

  • Os assentos de carro são para o carro

Esta é uma das primeiras premissas que devemos ter em mente: assentos de carro eles só devem ser usados ​​dentro do carro e com a finalidade para a qual foram projetados, e que é proteger o bebê durante viagens rodoviárias.

Portanto, eles não devem ser usados ​​para outros fins, nem como rede ou berço para o bebê dormir neles.

  • Observe a postura do bebê

Há alguns anos, o uso de assentos de carro do grupo 0 (de 0 a 9 kg) ou 0+ (de 0 a 13 kg) era um pouco limitado, mas hoje podemos encontrar no mercado uma série de modelos e marcas que nos permite reclinar o assento a tal ponto que impediria o bebê de adotar a postura que lhe dissemos

Conforme explicado pela Fundação Mapfre em seu manual “Bebês e crianças seguros no carro”:

“O bebê você não deve viajar muito na vertical (a cabeça pode cair em direção ao esterno) não muito mentirosa (o portador de bebê não o protegeria da melhor maneira). É aconselhável uma posição intermediária entre a horizontal e a vertical, embora seja sempre essencial consultar o manual de instruções do banco “

O almofadas redutorasAlém de proporcionar maior conforto ao bebê, eles também são uma medida importante de segurança, pois oferecem maior ergonomia, apoio ao assento e garantem uma postura adequada do bebê.

Na maioria dos casos, os redutores geralmente são incorporados quando adquirimos um sistema de retenção para crianças, embora, se esse não for o caso, eles possam ser adquiridos independentemente. É importante seguir as instruções do fabricante quanto ao uso, embora seja normal usá-las até 3 a 6 meses do bebê, dependendo do peso da criança e do modelo da cadeira.

Temos que garantir que o bebê fique reto na cadeirinha e que a cabeça esteja alinhada com o corpo.

  • Arnês não é apenas um elemento de segurança

A fixação adequada dos arneses da cadeira é fundamental, não apenas como medida de segurança, mas porque um ajuste correto da mesma minimiza os riscos de asfixia postural.

As tiras não devem ser tão apertadas a ponto de pressionar o peito do bebê, mas também não devem ter muita folga. O importante é que segure firmemente o corpo e os ombros, colando-os no encosto e impedindo que ele se dobre para a frente.

  • Não exceda o tempo recomendado

Em qualquer caso, e independentemente das recomendações acima, os especialistas aconselham que os bebês não fique em assentos de carro por muito tempo; sendo recomendado entre 30 minutos e uma hora e meia no máximo.

Além disso, é essencial fazer paradas frequentes quando viajamos com nosso bebê na estrada. Eles devem durar entre 15 ou 20 minutos, e você deve tirar proveito deles para removê-los da cadeira e permitir que eles se estiquem, mudem de posição e oxigenem.

  • Vigilância

Também é aconselhável que, sempre que possível, um adulto viaje na parte traseira do veículo, próximo à cadeira do bebê, observando-o o tempo todo (principalmente se falamos de recém-nascidos). Os espelhos “baby-watch” que são colocados no interior do veículo também são uma grande ajuda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *