Miss Cantine

Qual é a diferença entre uma parteira e uma doula?

Durante séculos, o acompanhamento durante a gravidez, o parto e o pós-parto tem sido fundamental para as mulheres. A assistência de uma figura capaz de proporcionar um ambiente seguro para a mãe e seu parceiro, fazendo com que ela se sinta calma e confiante é uma das principais preocupações, principalmente no momento do parto. Quem me ajudará? Vou me sentir confortável com essa pessoa? O que você pode fazer por mim e meu bebê?

Muito parteiras como doulas são figuras que acompanham as mães durante o processo, mas qual é a diferença entre eles? Qual é o trabalho que cada um realiza e o treinamento que eles têm no cuidado ao parto?

A parteira: assistência profissional

O papel da parteira é muito importante, tanto durante a gravidez, como no parto e pós-parto. O parteira (ou parteira), ou a matrona (embora haja poucos homens também), é responsável por acompanhar a mulher e seu parceiro antes e durante o parto e no período após o nascimento do bebê.

É responsável por monitorar a gravidez, aconselhar hábitos saudáveis, informar sobre exames pré-natais, monitorar a condição fetal, avaliar fatores de risco e detectar precocemente problemas.

No momento do parto, é a pessoa que ajuda a mulher durante o período de dilatação e expulsão. Controlar o bem-estar fetal e em partos de baixo risco, pode até assistir a entrega completa.

Após o nascimento do bebê, a parteira cuida do estado da mãe e do recém-nascido após o nascimento, aconselha sobre questões de amamentação e controla os pontos da episiotomia ou cesariana, se aplicável.

São profissionais que eles formam por seis anos (quatro em estudos universitários e dois em treinamento especializado) para obter o título de Enfermeira Especialista em Obstetrícia e Ginecologia.

No parto hospitalar, o custo da parteira é coberto pela previdência social, mas, no caso de um parto em casa, o preço da assistência ao parto é de cerca de 2.000 euros.

La doula: apoio emocional

A figura da doula é contemplada na Estratégia de atendimento normal no Sistema Nacional de Saúde, publicada pelo Ministério da Saúde em 2008 e revisada em 2010. No entanto, não especifica suas funções ou como deve ser o treinamento.

Este documento descreve “a permanência contínua de um acompanhante escolhido pelo parturiente (casal, membro da família, amigo) ou pessoal de saúde (parteira, doula, enfermeira) que fornece suporte personalizado durante o parto”.

Uma doula é uma acompanhante de mulher e sua família durante a oferta de parto apoio emocional e físico, mas nunca sanitário. Eles não realizam nenhum tipo de intervenção clínica ou exames médicos.

Geralmente são mulheres que foram mães e acompanham a experiência, contribuindo apoio emocional e físico. Muitas mulheres acham o serviço da doula no parto benéfico, sentindo-se envolto em uma figura que lhes dá tranquilidade e acompanhamento.

Antes do parto, ela acompanha a mulher, fornece informações e escuta emocional. Durante o trabalho de parto, sua tarefa é ajudar a acalmar a dor, realizando massagens, com métodos de respiração e relaxamento, sugerindo as posições mais adequadas para facilitar o desenvolvimento do trabalho de parto, transmitir os desejos da mãe e aconselhar sobre o início da amamentação. como no pós-parto.

O doula não substitui a parteira, uma vez que não fornece os mesmos serviços. É uma figura complementar se a mãe quiser ter seu acompanhamento específico, além do da parteira.

Seu treinamento abrange diversos conhecimentos sobre a fisiologia da gravidez e sobre o parto e o puerpério, mas eles não têm preparação acadêmica específica. Não existe um diploma oficial para ser uma doula na Espanha (pelo menos por enquanto).

Suas taxas de parto hospitalar não são cobertas pela Health na Espanha; portanto, se você deseja fazer uma doula no parto, deve contratar em particular o serviço completo de assistência ao parto e pós-parto, que é de cerca de 1.000-1.200 euros.

Parteiras versus Doulas

Há três anos, o Conselho Geral de Enfermagem publicou o “Relatório Doulas”, no qual algumas parteiras declararam a “guerra” às doulas denunciando a intrusão profissional desta figura e os riscos que isso pode acarretar para o cuidado ao parto.

A verdade é que, quem quer que seja, o acompanhamento contínuo de uma pessoa de confiança e apoio é benéfico para as mulheres e para o desenvolvimento do trabalho de parto. Uma revisão dos estudos da Cochrane indica que as mulheres que receberam apoio contínuo do trabalho de parto tiveram maior probabilidade de dar à luz por parto vaginal espontâneo do que aquelas que não receberam esse apoio.

Obviamente, o emocional tem efeitos no desenvolvimento do parto, mas a atenção de um profissional médico que auxilia na garantia da saúde da mãe e do bebê também é essencial.

Fazendo autocrítica, algumas parteiras acreditam que as doulas reapareceram porque elas (as parteiras) não cumpriram ao cuidar das mulheres, enquanto as doulas se sentem perseguidas e pouco reconhecidas. Há também aqueles que acreditam que ambos podem trabalhar muito bem juntos e proporcionar uma experiência feliz para a mãe e a família.

Em bebês e mais | Eles pedem que o “Relatório Doulas” seja retirado porque contradiz o que os estudos recomendam: cuidados e apoio às mulheres em trabalho de parto,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *