Miss Cantine

Quando os recém-nascidos sorriem, é apenas um reflexo? A ciência está testando o que os livros dizem

Poucos conseguem resistir a sorrir para um recém-nascido e transmitir emoções positivas, como alegria e interesse, e mais ainda no caso de pais de primeira viagem. Um estudo determinou que as mães de primeira viagem olhavam para os recém-nascidos por apenas 16 horas 80% do tempo e sorriam para eles 34% das vezes.

Às vezes, os recém-nascidos até sorriem de volta para nós, criando um momento mágico para os pais que muitas vezes alguém tenta arruinar dizendo que o sorriso do bebê não pode ser real. Até livros especializados tendem a relegar os sorrisos dos recém-nascidos a uma reflexão e não a uma expressão genuína de alegria e felicidade, Até que ponto é verdade?

Até a segunda metade do século XX, pensava-se que o comportamento dos recém-nascidos era principalmente reflexos. Os cientistas assumiram que os recém-nascidos tinham capacidade limitada para sentir e expressar emoções e que não tinham experiência social suficiente para interagir com seus cuidadores.

Acreditava-se mesmo que os recém-nascidos não sentiam dor da mesma maneira que os adultos, o que significava que às vezes eram submetidos a procedimentos cirúrgicos dolorosos sem anestesia. Não seria até a década de 1980, quando os profissionais médicos perceberam que o estresse causado pela dor levava a convulsões e complicações do perigo mortal.

Dados acumulados nos últimos 50 anos gradualmente sugerem que os recém-nascidos não apenas agem com reflexos e que são competentes o suficiente para regular ativamente seu próprio humor. Por exemplo, os bebês podem adormecer para evitar distrações estressantes ou raiva e chorar se precisarem de estímulo e mais interação. Eles também podem imitar sorrisos com apenas 36 horas de vida e podem até aprender com experiências anteriores já durante o primeiro dia de vida.

A ciência por trás dos sorrisos

No entanto, quando se trata de sentimentos como felicidade e alegria, continuamos nos perguntando em que medida os recém-nascidos podem ser seres competentes no nível social. Até os primeiros anos do século XXI, foi relatado que os recém-nascidos respondiam apenas em resposta a espasmos musculares, ereções penianas, movimentos intestinais ou da bexiga ou por nenhuma razão específica. A maioria dos estudos e livros especializados (mesmo no século XXI) ainda sugere que o primeiro “sorriso social” Não ocorre até depois do segundo mês de vida.

E havia dados para provar isso. Em 1872, Charles Darwin acreditava que as expressões emocionais eram universais e inatas, documentando os primeiros sorrisos reais de seu próprio filho, quando ele tinha 45 dias de vida. Em minha própria investigação, replicamos essas observações e, para isso, pedimos a 957 pais que observem e registrem o sorriso de seus filhos. De acordo com suas respostas, Os primeiros “sorrisos sociais” de seus bebês ocorreram em média logo após quatro semanas.

O sorriso angelical: reflexo do bebê

Quando os pesquisadores começaram a observar recém-nascidos, a maioria dos resultados iniciais não diferia muito dos relatos dos pais. Um estudo de 1959, em que “sorrisos sociais” foram definidos como sorrisos onde o contato visual é procurado antes de sorrir, concluiu que nenhum dos 400 bebês no estudo sorriu durante a primeira semana de vida. Apenas 11% mostraram um sorriso social às duas semanas de nascimento e cerca de 60% sorriram dessa maneira às três semanas de vida, enquanto quase todo mundo já o fez durante o primeiro mês.

Existem pesquisadores que ainda não conseguem registrar sorrisos nos primeiros dias e muitos deles ocorrem durante o sono (portanto, eles não estão relacionados ao mundo social). De fato, até os fetos vistos no útero com a tecnologia de ultra-som 4D sorriem desde pelo menos a 23a semana de gravidez. Mas outros estudos mostram que recém-nascidos sorriem em ocasiões especiais e no máximo uma vez a cada quatro minutos no caso de bebês de um dia. A questão agora é o que esses sorrisos significam.

Interpretando os dados

Há muito tempo que os sorrisos dos recém-nascidos podem indicar emoções positivas até certo ponto. Observou-se que os sorrisos ocorrem durante os primeiros dias de vida em resposta a carícias na bochecha ou na barriga. Os recém-nascidos também sorriem em resposta a sabores doces e certos aromas. Essas descobertas foram publicadas décadas atrás, quando os sorrisos eram considerados reflexos inatos puros, mas os cientistas da época não os interpretavam como emocionais, em parte porque esses tipos de sorrisos pareciam diferentes dos sorrisos sociais.

Babé sorrindo para um pesquisador no laboratório. Emese Nagy, Autor fornecido

Sorrisos “verdadeiros” (conhecidos como “sorrisos de Duchenne”) não apenas envolvem o movimento do músculo principal que move a boca para os lados e para cima, mas também os músculos ao redor dos olhos.

Pensava-se que os sorrisos dos recém-nascidos usavam apenas os músculos da região da boca, mas quando os cientistas analisaram os movimentos faciais quadro a quadro através de um sistema de código especial, os sorrisos desde o primeiro dia eram mais comuns quando Eles foram acompanhados por movimentos das bochechas e olhos do que sem eles.

Desde então, há mais e mais estudos que sugerem que os recém-nascidos sorriem quando estão acordados e que esses sorrisos lembram sorrisos sociais. Além disso, quando os recém-nascidos estão em estado de interação e acordados, eles sorriem duas vezes em comparação com quando dormem, o que mostra que fatores sociais podem estar envolvidos. Não apenas isso, mas os bebês geralmente começam movendo as bochechas e as sobrancelhas antes de sorrir como se concentrassem sua atenção no rosto da pessoa que os cuida. Portanto, é completamente possível que esses recém-nascidos sorriem conscientemente.

Os bebês aprendem cedo sobre o poder dos sorrisos. Embora seus cuidadores geralmente sorriam para os recém-nascidos, esse comportamento dependerá da condição do bebê (é menos provável que eles sorriam quando o bebê estiver chorando). Como resultado, os bebês aprendem rapidamente a capacidade de regular o comportamento de seus pais.

Se um bebê mantém contato visual, pisca e sorri, a mãe ou o pai provavelmente devolverão o sorriso, valendo a pena.

Primeiro sorriso do bebê

Não surpreendentemente, estudos em mães mostram que são muito afetados pelos sorrisos de seus bebês, mesmo no nível neurofisiológico. Um estudo mediu a atividade cerebral em mães que usam scanners RMFI e, quando as mães viram o próprio bebê sorrir, a atividade foi demonstrada em áreas do cérebro envolvidas no processamento de emoções (incluindo a amígdala cerebral e o sistema límbico). As áreas dopaminérgicas do cérebro, conhecidas como sistema de recompensa do cérebro, também mostraram muita atividade.

Infelizmente, os estudos sobre comportamento em recém-nascidos ainda são muito escassos e requerem análises complexas para interpretar os significados de um determinado comportamento. Mesmo que sejam necessários mais estudos, parece plausível que esses sorrisos prematuros tenham um componente social. Para muitos de nós que trabalhamos neste campo, pelo menos é muito claro que esses sorrisos são definitivamente mais do que apenas um reflexo.

Autor: Emese Nagy, pesquisador e médico. Psicólogo especializado em recém-nascidos.

Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation. Você pode ler o artigo original aqui.

Traduzido por Silvestre Urbón

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *