Miss Cantine

Do primeiro bebê de proveta à modificação genética: 40 anos de avanços e controvérsias na medicina reprodutiva

Quarenta anos atrás, Louis Brown nasceu, a primeira “garota do tubo de ensaio” na história da humanidade. Essa mulher veio ao mundo em 1978, marcando o primeiro dos muitos marcos da medicina reprodutiva. Desde então, a investigação abriu portas que não podem ser fechadas.

Atrás deles há esperança, mas também inquietação. Hoje ter filhos é mais fácil do que nunca em nossa história: fertilização artificial, seleção genética, modificações … Algumas das descobertas ainda são resultado de controvérsias amargas. O que experimentamos durante essas quatro décadas?

Desde o nascimento do primeiro “bebê de proveta”

O primeiro bebê nascido de fertilização in vitro, ou fertilização in vitro, e reimplante, é chamado Louise Brown. Essa mulher teve, há alguns anos, sua própria prole, que terminou de fechar o que é o primeiro grande marco da medicina reprodutiva. Sendo o primeiro, o papel de Louise na história é essencial. A controvérsia sempre esteve ligada à sua vida.

Desde o início, ele passou por inúmeras análises para mostrar que sua saúde é boa e que o procedimento não teve consequências negativas. Hoje não vemos onde está o problema, mas ainda há dúvidas (cada vez menos justificadas) sobre os perigos da fertilização in vitro. Que perigos? Essa é a questão, não sabemos.

Mas o medo “é livre”, todo mundo pega o que quer e não há nada que produza mais medo do que o desconhecido. Assim, o nascimento do filho de Louise, em 2007, finalmente convenceu a maioria dos especialistas: Louise é uma mulher normal, saudável e reprodutiva. As terríveis conseqüências desconhecidas não apareceram.

De Louise, as técnicas de fertilização in vitro estavam melhorando rapidamente. Em 1984, a técnica GIFT foi introduzida, ou gameta de transferência intrafalópica; em 1986 o ZIGT apareceu, transferência intrafalópica do zigoto e nesse mesmo ano ocorre o primeiro nascimento após o congelamento e o descongelamento dos oócitos. Em 1988 o SUZI aparece, inserção espermática subzonale em 1989 o dissecção zonal parcial, o que ajuda o esperma a entrar no óvulo mais facilmente.

Nos anos 90, aparecem as duas técnicas mais importantes da medicina reprodutiva: o ICSI e o DGP

Já na década de 90, existem aquelas que são, possivelmente, as duas técnicas mais importantes da medicina reprodutiva: microinjeção intracitoplasmática de espermatozóides, ou ICSI, e diagnóstico genético pré-implantação, DGP. Todos estes, revisados ​​rapidamente, indicam uma coisa: o medo foi vencido pelo desejo de celebrar a vida.

Isso, é claro, aliado à capacidade técnica e maior segurança, silenciou as dúvidas aos poucos. Hoje, ninguém considera seriamente se ter um filho com fertilização in vitro ou qualquer técnica de reprodução assistida representará um sério problema de saúde além de qualquer tratamento médico convencional.

A controvérsia da barriga de aluguel

Quase ao mesmo tempo em que o nascimento de Luois aparece outra controvérsia de natureza social, e não muito médica: as mães para alugar. Em 1976, o advogado Noel Keane assinou o primeiro acordo entre um casal e uma mãe de aluguel. Barriga de aluguel é um avanço tecnológico, mas também uma fonte de discussões legais.

Isto é, uma mulher gera o bebê de um casal que não tem essa possibilidade (por razões fisiológicas). Embora a gravidez seja realizada com a ajuda do corpo de uma “barriga de aluguel”, o relacionamento filial é exclusivo dos pais. Existem muitos países onde essa prática não é legal. Na Espanha, especificamente, essa situação se enquadra em um curioso vácuo legal: de acordo com o artigo 10 da Lei 14/2006, de 26 de maio, sobre Técnicas de Reprodução Humana Assistida não é permitido.

No entanto, a relação paterno-filial é permitida desde que a criança se desenvolva fora das fronteiras espanholas. Portanto, se o casal tiver dinheiro, ele poderá se submeter a essa técnica de reprodução assistida fora da Espanha. A controvérsia permanece enorme, como muitas pessoas vêem nesta prática o interesse lucrativo sobre a saúde ou o direito à vida.

Isso ocorre em vários países, especialmente naqueles com mais diferenças sociais, onde esse tratamento pode se tornar um elemento que acentua mais essas diferenças. Por enquanto, Barriga de aluguel ainda é uma das questões mais debatidas em todo o planeta. Mas não podemos negar que também marcou um antes e um depois na história da reprodução artificial.

Um bebê e três pais

À medida que avançamos tecnicamente, o mesmo ocorre com as possibilidades reprodutivas. E com eles, dúvidas éticas e morais. Um exemplo disso pode ser encontrado em 1996: Dr. Neill e Wallace demonstraram a possibilidade de realizar uma transferência citoplasmática completa. Isso consiste em remover o conteúdo de um ovo para introduzir o conteúdo de outro.

Esta técnica serve para resolver um problema de natureza genética da mãe. A técnica, embora eficaz, deve esperar até 2016 para concluir a instalação. No Reino Unido, o Dr. John Zhang, diretor do New Hope Fertility Center em Nova York, utilizou com sucesso uma terapia de substituição mitocondrial que não havia sido usada antes em humanos.

Na cidade Xataka
Um bebê, dois genomas e três pais: o médico chinês que explora os limites da reprodução humana

Essa terapia é o culminar da transferência citoplasmática e é usada em casos muito específicos de doença mitocondrial. Esta doença ocorre quando as mitocôndrias maternas originais apresentam um problema, causando uma síndrome conhecida como doença de Leigh. Isso causa a morte cerebral gradual das crianças.

Com a substituição mitocondrial, esse problema pode ser salvo. Isso requer apenas as mitocôndrias de outra mulher. Portanto, o que temos no final é um bebê de “três pais”, duas mães e um pai, que deram parte de seu material genético. O material da terceira mãe está apenas em mitocôndrias saudáveis, mas não apresenta nenhuma manifestação no bebê, além do qual ele não sofrerá mais de disfunção.

Mesmo assim, a confusão técnica provocou intenso debate no Reino Unido. Os tribunais deste país, no entanto, decidiram legislar o uso dessa técnica de maneira consistente. Atualmente, está praticamente resolvido, embora ainda haja pequenas dúvidas a longo prazo.

As primeiras meninas geneticamente modificadas

Nesta mesma semana, vivemos o último dos grandes marcos da reprodução assistida: o nascimento de um bebê geneticamente modificado. Essa é a barreira que ainda não havíamos ultrapassado no mundo da medicina reprodutiva. E não o tínhamos feito principalmente por questões éticas e morais.

Bebês geneticamente modificados: o que aconteceu na China e por que todos estão tão preocupados

Como o Dr. He Jiankui demonstrou, é possível modificar completamente o genoma de um ser humano. Ele anunciou que Lulu e Nana nasceram saudáveis, com uma modificação no gene CCR5 que torna uma das irmãs imune ao HIV. A conquista é muito importante, pois abre as portas, de fato, à alteração genética.

Lulu e Nana nasceram saudáveis, ele anunciou, com uma modificação no gene CCR5 que torna uma das irmãs imune ao HIV

No entanto, o dilema ético e legal está apenas começando. No momento, a lei não permite que você faça o que esse médico fez na maioria dos países. Isso não o impediu de realizar seus experimentos na China, onde eles não são ilegais ou legais, mas estão em uma espécie de limbo legal.

Com esta demonstração o último capítulo dos avanços na reprodução está aberto até hoje, um capítulo que está longe de terminar. Os especialistas ainda veem muito longe o dia em que modificamos os bebês “rotineiramente” como outro procedimento médico para eliminar certas doenças. No entanto, houve também um tempo em que a fertilização in vitro Foi motivo de alarme.

O mesmo acontecerá com o CRISPR e a modificação genética? Somente o tempo dirá. No momento, esse resultado colocou o próprio investigador contra a espada e o muro, que foi denunciado abertamente pela comunidade científica. Ninguém nunca disse que marcar um antes e um depois seria fácil, mas não podemos esquecer que, diante de qualquer avanço científico, o bem-estar e o progresso de toda a sociedade devem reinar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *