Miss Cantine

Doença celíaca em crianças: sintomas e importância da detecção precoce

Hoje é comemorado o Dia Nacional do Celíaco na Espanha, data proposta pela Federação das Associações Celíacas da Espanha (FACE) para dar visibilidade e apoio ao coletivo celíaco, buscando conscientizar todos os setores da sociedade.

Segundo a SEGHNP, estima-se que Doença celíaca afeta uma em 71 crianças na Espanha e pode ocorrer em qualquer idade, tanto em bebês quando se introduz a alimentação complementar, quanto em crianças e adolescentes. Hoje vamos revisar quais são os sintomas da doença celíaca na infância e por que um diagnóstico precoce é importante.

O que é doença celíaca?

Estritamente falando, doença celíaca não é alcançada intolerância ou alergia, mas uma doença auto-imune (isto é, uma resposta imune contra o próprio corpo) causada pela exposição a proteínas de glúten, presente em certos cereais.

Pelo contrário, a alergia é uma reação imunológica, enquanto a intolerância se refere à dificuldade de digerir certos alimentos.

Sintomas da doença celíaca em crianças

A maioria das pessoas com doença celíaca manifesta um ou mais sintomas, embora também haja pessoas assintomáticas que não sentem nenhum desconforto. A doença celíaca não afeta apenas o sistema digestivo, mas a qualquer outro órgão do corpo humano, como pele, ossos ou sistema neurológico, por exemplo.

Entre os sintomas mais notáveis ​​em crianças e adolescentes estão:

  • Na infância: diarréia crônica, perda de apetite, inchaço (barriga inchada), perda de peso, gases, crescimento atrofiado e baixa estatura, anemia, irritabilidade, tristeza, fezes gordurosas e fedorentas.

  • Na adolescência além disso: alterações de humor ou sensação de desconforto ou inquietação, crescimento atrofiado, dano permanente ao esmalte dos dentes, atraso puberal e irregularidades menstruais.

Como a doença celíaca é diagnosticada

Quando houver suspeita de doença celíaca o diagnóstico é feito por um exame de sangue que inclui a detecção de anticorpos característicos da doença celíaca. Se esse teste for positivo, os sintomas são muito evidentes e também há genética compatível com a doença celíaca, muitos especialistas recomendam evitar a biópsia em crianças por causa dos resultados invasivos.

Porém, O teste mais confiável para detectar a doença celíaca é a biópsia duodenale, em alguns casos, é necessário executá-lo. A biópsia consiste em obter uma pequena amostra da superfície do intestino para poder estudá-la ao microscópio.

Há três anos, também informamos sobre uma técnica de detecção desenvolvida por cientistas da Universidade de Granada, que consiste em uma picada rápida no dedo.

Segundo a FACE, 75% das pessoas celíacas não seriam diagnosticadas devido principalmente ao fato de que os sintomas podem ser confundidos com outros tipos de patologias. Isso ocorre principalmente na infância, o que leva as famílias a percorrer um longo caminho para chegar ao diagnóstico.

É por isso que a implementação de um protocolo de diagnóstico precoce é tão importante que reduz o tempo de incerteza e um tratamento que melhora a qualidade de vida do paciente pode ser iniciado o mais rápido possível.

Fatores de risco para doença celíaca

A doença celíaca não é hereditária, mas é existe uma predisposição genética para sofrer. A probabilidade de desenvolver doença celíaca é de um em cada dez para crianças com um parente de primeiro grau diagnosticado.

Portanto, uma vez confirmado o diagnóstico, é aconselhável avaliar se os demais parentes próximos (irmãos, pais e filhos) também podem ser afetados pela doença.

Amamentar e dar glúten em pequenas quantidades não diminui o risco de ser celíaca

Eles também estão entre os grupos de risco com maior predisposição para a doença celíaca: pessoas com diabetes tipo 1, síndrome de Turner, síndrome de Down, doença auto-imune da tireóide, síndrome de Williams e doença auto-imune do fígado.

A doença celíaca tem cura?

Não doença celíaca não tem cura, mas com uma dieta sem glúten, os sintomas desaparecem e os problemas associados.

Não obstante, a pesquisa sobre a doença continua progredindo e até hoje sabemos que estamos trabalhando em uma futura vacina que visa restaurar a capacidade de tolerar o glúten pelo sistema imunológico. No momento, a vacina está em fase de teste.

A dieta da criança com doença celíaca

Se o seu filho acaba de ser diagnosticado com doença celíaca, o especialista informará sobre os passos a seguir e as mudanças que você deve fazer em sua dieta, a partir deste momento você não poderá consumir nenhum produto com glúten.

Mas é muito importante que a dieta de exclusão é aconselhada por um especialistaBem, existem pais que tomam essa decisão por iniciativa própria, sem saber se seus filhos são realmente celíacos. O glúten não é uma proteína indispensável para a saúde, mas eliminá-lo sem indicação médica pode levar a certos problemas.

O glúten é uma proteína presente no trigo, centeio, cevada, triticale, espelta e algumas variedades de aveia, bem como seus híbridos e derivados.

Existem vários produtos que transportam glúten em sua composição, portanto, é essencial revisar cuidadosamente a rotulagem e, em caso de dúvida, consultar o fabricante. Também é importante saber que existem certas lendas que os fabricantes introduzem na embalagem de seus produtos que não garantem a total ausência de glúten. O pico riscado dentro de um círculo e a marca “Controlado pela FACE” são símbolos de garantia internacional considerá-los seguros para celíacos.

Da mesma forma, deve-se prestar atenção a certos produtos não alimentícios, pois eles também podem causar danos às pessoas com doença celíaca.

É muito importante ler a rotulagem antes de oferecer um produto a uma criança com doença celíaca. Via celiacos.org

Outras recomendações do FACE para a dieta do grupo celíaco são:

  • Avise a escola sobre a doença celíaca da criança e verifique se ela oferece um menu alternativo e adequado para ele na sala de jantar.

  • Evite produtos a granel, devido ao risco de contaminação cruzada.

  • Optar por produtos naturais ou genéricos sem glúten por natureza.

  • Extreme the cuidado com o manuseio de alimentos, o uso de utensílios de cozinha e o mesmo óleo para cozinhar produtos com glúten e produtos sem glúten. Todas essas práticas trazem riscos para as pessoas celíacas.

  • Nas casas em que há um membro da família celíaca, é aconselhável evitar farinha de trigo e farinha de rosca com glúten e, em vez disso, usar farinha sem glúten e / ou farinha de rosca, flocos de purê de batata para esparramar, romper ou engrossar molhos. Desta forma, os alimentos cozidos podem ser consumido por todos os membros da família e acidentes por ingestão acidental serão evitados.

Em férias com alergias alimentares: nove dicas a ter em mente

Cuidado com certos medicamentos

Também é importante saber que certos medicamentos e suplementos alimentares podem conter glúten que prejudicam as pessoas celíacas. Portanto, recomenda-se que todos os medicamentos sejam adquiridos sob prescrição médica e pergunte na farmácia em caso de dúvida.

Via FACE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *