Miss Cantine

As taxas de vacinação na Espanha são excelentes: é assim que a cobertura da vacina é distribuída pelo CC.AA

De acordo com dados do Comitê Consultivo de Vacinas da AEP, nosso país tem excelente cobertura vacinal, colocando a taxa de vacinação primária (as vacinas que o bebê recebe em seu primeiro ano de vida) acima de 97%.

Porém, essas coberturas variam se olharmos para a vacinação de reforço (vacinas administradas aos 2 anos, 4-6 anos e 12-14 anos), e também dependendo da comunidade autônoma. Analisamos os dados estatísticos publicados pelo Ministério da Saúde.

Taxas de vacinação por comunidades autônomas e faixas etárias

Em 2017, o Ministério da Saúde publicou um relatório com a cobertura vacinal de cada comunidade autônoma, analisando uma a uma todas as vacinas obrigatórias no calendário oficial.

Os dados coletados são de 2016 (com exceção de Aragão e Ilhas Baleares, cujos últimos números correspondem a 2014) e, como veremos a seguir, existem diferenças substanciais na taxa de vacinação, dependendo da vacina, bem como pela comunidade autônoma e no momento em que foram administrados, porque nas doses de reforço, a taxa de vacinação cai em relação à vacinação primária.

Calendário oficial de vacinas 2018, da AEP

Coberturas acima de 97% na vacinação primária

No que diz respeito à vacinação primária, isto é, a vacinas que o bebê recebe nos primeiros doze meses de vida, a cobertura vacinal média na Espanha é de 97,2% para vacinas contra poliomielite, influenzae tipo B, hepatite B e DTPa (difteria, tétano e coqueluche) e 98% para a vacina contra Menigite C.

A OMS considera adequada ou eficiente a cobertura acima de 95%, portanto os dados fornecidos pelo Ministério da Saúde são excelentes.

No entanto, essa cobertura total varia de acordo com a comunidade autônoma analisada, com a Catalunha tendo a menor taxa para a maioria das vacinas (94%), seguida pelo País Basco, Melilla e Castilla e Leão.

Pelo contrário, as comunidades autônomas com As melhores taxas de primovacinação são Madri, Comunidade Valenciana e Ceuta, cujas taxas estão acima de 99%, chegando a 100 na vacina contra meningite C.

Dose de reforço entre 1-2 anos

Se analisarmos as taxas de vacina das doses de reforço do segundo ano, descobrimos que Em geral, a cobertura continua sendo muito alta, situando-se entre 95,4 e 96,2 por cento.

Nesta ocasião, as Comunidades Autônomas com a pior taxa são Extremadura, com cobertura acima de 87%, exceto no caso da vacina contra meningite C, Melilla e País Basco, com 92,2%, e Castilla y León, Canarias, Cataluña e Murcia, com uma cobertura de aproximadamente 93%.

A melhor cobertura vacinal é alcançada por Ceuta, Galiza e Madri.

Dose de reforço entre 4-6 anos

De acordo com o cronograma oficial de vacinas, as doses de reforço das vacinas DTP / DTPa são re-administradas entre quatro e seis anos, mas desta vez A cobertura vacinal em todo o país atingiu um revés notável em 2016, devido a problemas de fornecimento que levaram ao adiamento da vacinação das coortes de 2009 e principalmente de 2010.

Segundo a AEP, em 2017, as comunidades autônomas começaram a recuperar a vacinação pendente nessas crianças

Dose de reforço e vacinas entre 14 e 16 anos

A cobertura das vacinas Td (14-16 anos) e meningocócica C (12 anos) e Papilomavírus Humano (HPV) eles não são ótimos em numerosas comunidades, cuja taxa de vacinação cai abaixo de 80%.

As comunidades com a pior taxa de reforço adolescente da vacina contra difteria e tétano (Td) são Melilla, Ceuta, Múrcia, Extremadura, Comunidade Valenciana e Ilhas Canárias, cuja cobertura não chega a 80%. Esses números variam no caso da vacina contra meningite C, uma vez que a cobertura aumenta ligeiramente.

Por outro lado, as comunidades de La Rioja, Navarra e Catalunha, com cobertura acima de 90% nessa faixa etária, são as melhores localizadas no ranking estatístico do Ministério da Saúde.

Enquanto à vacina contra o papilomavírus humano, a cobertura nacional ainda não chega a 80%; e mesmo em 2016, com uma taxa de 77,6%, observa-se um contratempo em relação ao ano anterior, em que a cobertura atingiu 79%.

Espanha, país livre de sarampo

No ano passado, a Espanha obteve a aprovação de um país livre de sarampo, um fato notável em meio à epidemia de sarampo que assola vários países europeus.

Se você olhar para esta vacina em particular, o vírus triplo continua a ter uma ampla cobertura nacional na sua primeira dose, Ceuta, Navarra e Madri são as comunidades com as melhores taxas, superiores a 90%. No entanto, a porcentagem cai abaixo deste valor na segunda dose nas comunidades de Valência, Extremadura, Múrcia e Melilla.

A importância de completar a vacinação

Como acabamos de ver, as taxas de vacinação na vacinação primária, bem como as doses de reforço do primeiro e do segundo ano de vida, são muito altas. No entanto, há comunidades onde elas são criptografadas caem e, à medida que as crianças crescem, a cobertura da vacina também diminui.

Portanto, mais uma vez, destacamos a importância de concluir todo o esquema vacinal para ser adequadamente protegido, além de receber outras vacinas que devem ser administradas posteriormente pelo calendário oficial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *