Miss Cantine

Leite materno: a interação exclusiva de seus componentes é essencial para fortalecer o sistema imunológico do bebê

A proteção única que o leite materno dá aos bebês nasce das relações simbióticas entre seus diferentes componentes e da interação entre eles e o recém-nascido, o que torna cada amamentação única.

Esse alimento fortalece o sistema imunológico dos bebês e previne infecções, de acordo com pesquisadores e oradores médicos no XIV International Breastfeeding Symposium, organizado pela Medela.

Segundo suas conclusões, investigar essas interações esclareceria o papel do leite materno, por exemplo, na prevenção de alergias.

Componentes do leite materno

De acordo com os participantes do simpósio, pesquisadores de todo o mundo sobre questões de amamentação, as moléculas que compõem o leite materno não funcionam individualmente, mas juntas, para criar relações simbióticas que atendem às necessidades de cada criança.

Esse sistema de interações é responsável pela capacidade do leite materno de fortalecer o sistema imunológico do bebê e interromper as infecções. Melhorar a investigação dos componentes do leite materno como um todo explicaria o mecanismo por trás dos benefícios para os recém-nascidos.

Interação do leite com o recém-nascido

Nas relações simbióticas entre os diferentes componentes do leite materno, a interação entre a mãe e o recém-nascido também deve ser levada em consideração, ou seja, como os componentes do leite materno atuam no organismo do bebê.

Tudo isso torna cada amamentação única, então os especialistas exigem mais pesquisas para definir essas interações complexas e identificar como os componentes imunológicos do leite materno agem.

Também devemos esclarecer Quais fatores ambientais podem afetar o desenvolvimento adequado do sistema de defesa do bebê. Os pesquisadores concordam que ainda há um longo caminho para descobrir todo o potencial da amamentação.

O papel do leite nas alergias

Um dos ramos de pesquisa mais eficazes no estudo do sistema imunológico do bebê é o que busca identificar o papel do leite materno na proteção contra alergias.

Até o momento O potencial do leite materno para prevenir alergias é conhecido, mas não seu mecanismo de ação.

Daniel Munblit, professor associado da Universidade Estadual de Medicina Sechenov (Rússia), insistiu durante o simpósio sobre a importância de expandir a pesquisa nesse campo, estudando a inter-relação entre os diferentes componentes do leite materno envolvidos.

Segundo o especialista, o objetivo é estudar um grande conjunto de biomarcadores em vez de pequenos grupos ou cada um independentemente:

“Os componentes do leite materno estabelecem continuamente relações simbióticas, trabalhando juntas ou antagônicas, anulando os efeitos do oposto. São essas interações complexas, que estamos perto de descobrir, que desempenham um papel fundamental na capacidade da amamentação de proteger os recém-nascidos de alergias. ”

O papel do leite materno em bebês prematuros

O Dr. Daniel Klotz, da Universidade de Freiburg (Alemanha), insistiu na importância de envolver os funcionários da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) em mães que amamentam, facilitando a alimentação de bebês prematuros com leite materno. Essa posição é reforçada pelo forte potencial do colostro na prevenção de doenças crônicas.

É assim que a composição do leite materno muda quando o bebê nasce prematuro: incrível!

Por sua vez, a Dra. Janet Berrington, da Universidade Brunel de Londres, enfatizou a importância da nutrição de bebês prematuros, pois influencia diretamente o risco de infecções, o possível desenvolvimento de doenças crônicas, intolerâncias alimentares, bem como no desenvolvimento de problemas subseqüentes, como obesidade ou asma. Portanto, ele acredita que é muito importante conciliar nas UTIN o leite da mãe com a alimentação por meio de uma sonda.

Economia nos custos de saúde

Foi outra questão abordada neste simpósio, que falava especificamente do Reino Unido, onde foi realizado.

O Dr. Subhash Pokhrel, da Universidade Brunel em Londres, disse que se 80% das mães em seu país amamentarem seus filhos por pelo menos seis meses, o sistema de saúde economizará 40 milhões de libras anualmente:

“Sabemos com certeza que, nos países desenvolvidos, oito em cada dez mulheres começam a amamentar após o parto. O problema é que ele deixa uma a seis semanas depois. No Reino Unido, apenas 1% das mães continuam amamentando por seis meses. ”

Deixando de lado os números econômicos, o inegável é o importante papel que o leite materno desempenha no desenvolvimento e na proteção do recém-nascido e do bebê. Não há comida mais completa e, como recomendado pela Organização Mundial da Saúde, deve ser a desculpa para pelo menos os primeiros seis meses da vida do bebê.

Mas também é verdade que, contanto que a mãe possa ou queira, e que a mulher não deva ser alimentada com leite adaptado ao filho, porque o vada escolhe o que acha melhor para o filho. Portanto, desde o respeito, os médicos das unidades neonatais de todo o mundo nos deram ainda mais motivos para apostar no leite materno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *