Miss Cantine

Ophelia tem três anos e possui um quociente intelectual superior ao de Einstein: o que significa IC e como é obtido?

Ophelia é uma menina britânica de três anos de idade, cuja O QI excede o de gênios como Albert Einstein ou Stephen Hawkings. Seus pais perceberam que sua filha tinha um grande potencial quando ela tinha apenas oito meses de idade, mas não foi até a creche começar quando um psicólogo especializado em crianças superdotadas o confirmou.

A menina tem um IC de 171 e, como podemos ler em La Vanguardia, ela consegue se lembrar de eventos que ocorreram antes de seu primeiro ano. Diante dessa notícia, queríamos saber mais detalhes sobre o QI e crianças superdotadas: Como você o obtém e qual a sua importância?

Como o QI é medido?

Existem vários testes para avaliar a inteligência das pessoas, e o resultado desses testes nos dará o quociente intelectual, que é o relação entre a idade mental da pessoa e sua idade cronológica.

Como podemos ver no site da Associação AESI, a maioria da população tem um QI entre 85 e 115. À medida que nos afastamos desses extremos, o número de pessoas está diminuindo e, dos 130, encontramos apenas 2% da população.

Como lemos no “Relatório Nacional sobre a educação dos superdotados de 2017”, a definição de superdotado está diretamente relacionada ao quociente intelectual e, embora não haja consenso geral, os talentosos tendem a ser identificados com um QI de 130 ou superior.

Em nosso país, o Ministério da Educação estima que cerca de três por cento das crianças têm um QI acima da média, embora apenas um em 38 tenha sido avaliado por profissionais qualificados.

Na inteligência, há um componente genético importante, mas também influencia o ambiente e a estimulação. Ou seja, a pessoa nasce com um potencial que se desenvolverá (ou não) ao longo do tempo.

Portanto, uma criança com capacidade natural acima da média que não obtém os estímulos ambientais necessários (por meio da família, escola, meio ambiente …) não terminará de desenvolver todo o seu potencial, podendo até falhar escola se suas necessidades não forem atendidas adequadamente.

Mas o IC não é tudo

Mas a mente humana é muito complexa para reduzi-la a uma figura de IC. De fato, a própria OMS alerta que esses dados não podem ser usados ​​exclusivamente para determinar a inteligência das pessoas.

Graças a Howard Gardner, hoje sabemos que a inteligência é múltipla e que existem diferentes potenciais, habilidades e habilidades que não são quantificadas nos testes tradicionais para medir o QI. Dessa maneira, falaríamos sobre inteligência linguística, musical, lógico-matemática, visual-espacial, cinestésica, intrapessoal, interpessoal e naturalista.

A importância das emoções

Por outro lado, e como nos explicam da Associação Espanhola de Superdotados e Altas Capacidades (AESAC), inteligência não pode ser entendida sem a parte emocional, daí a importância de apoiar psicologicamente as crianças sobredotadas.

Olga Carmona, psicóloga especializada em altas habilidades e superdotação, explicou desta maneira em um artigo no El País:

“Uma pessoa talentosa que não é adequadamente gerenciada emocionalmente está fadada a falhar cognitivamente. O risco é significativamente maior do que na população normal, porque são mais vulneráveis ​​emocionalmente”.

Não é apenas uma questão de inteligência

No mencionado “Relatório Nacional sobre a educação dos superdotados”, explica-se que inteligência é uma capacidade mental muito geral o que, entre outras coisas, implica a capacidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar abstratamente, entender idéias complexas, aprender rapidamente e aprender com a experiência. Quando falamos de pessoas superdotadas, estamos falando de crianças com inteligência extraordinária que podem ser detectadas desde muito cedo.

Mas a inteligência extraordinária apresentada por crianças superdotadas não lhes permite, por si só, enfrentar qualquer situação acadêmica ou psicológica, como se acredita erroneamente.

E é que uma criança superdotada não apenas possui uma inteligência muito acima da média, mas também uma personalidade, criatividade, sensibilidade e temperamento que eles desenvolvem diferentemente de outras crianças da idade deles.
Se essas necessidades específicas, tanto emocionais quanto educacionais, não forem identificadas ou tratadas corretamente, a criança poderá ter desequilíbrios emocionais, estresse, tristeza e até depressão.

Ou seja, e, em suma, ter um QI acima da média nem sempre é uma garantia de sucesso acadêmico ou emocional se você não funcionar adequadamente nem obter apoio adequado.

O que fazer se eu achar que meu filho é talentoso?

Como regra geral, os pais são os primeiros a detectar que o desenvolvimento de seus filhos é diferente do de outras crianças da mesma idade, algo que os professores geralmente confirmam quando a criança começa a escola.

Já falamos ocasionalmente sobre as características que as crianças sobredotadas têm; portanto, em caso de suspeita, é essencial colocar o mais rápido possível nas mãos de profissionais especializados Que eles façam um diagnóstico completo e ofereçam aos pais e educadores uma série de diretrizes para entender e apoiar a criança em seus comportamentos, sua maneira de pensar, agir, ver a vida …

Também é importante falar sobre superdotação naturalmente e não escondê-la. Tratar isso como um assunto tabu ou não agir para que “a criança se normalize com o tempo” é, segundo especialistas, um erro que pode levar ao fracasso escolar e a problemas emocionais sérios.

Se você se encontra nessa situação e procura apoio e orientação, recomendamos que verifique com a Associação Espanhola de Superdotados e Talentos (AEST), a Associação Espanhola de Superdotados e Alta Capacidade (AESAC) ou a Associação de Suporte Emocional de Superdotados Criança-Juventude (AAESI).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *