Miss Cantine

Poesia para crianças: nove poemas clássicos para crianças de grandes poetas

A poesia infantil alimenta a imaginação dos pequenos, graças à musicalidade de suas rimas. É um gênero não tão popular, mas muito adequado para crianças que lhes permite brincar com as palavras e as aproxima de um mundo com infinitas possibilidades.

Hoje é comemorado em Dia da poesia e nós trazemos você nove poemas clássicos infantis de grandes poetas despertar a sensibilidade e o gosto pelas letras em alguns versículos ternos e coloridos.

Como uma criança é desenhada. Gloria Fuertes

Para desenhar um filho, você deve fazê-lo com amor.
Pinte muita franja,
Estou comendo uma bolacha;
muitas sardas no rosto que você percebe são uma pilha;

Vamos continuar o desenho: rosto redondo de queijo.
Como ele é um garoto da moda, ele bebe xarope com refrigerante.
Ele usa jeans com um belo buraco;
Camiseta americana e gorro de veludo.

O jogador de futebol chuta, porque quando ele está chutando ele é um artista.
Ele ri continuamente, porque ele é muito inteligente.
Debaixo do braço, uma história é por isso que ele é tão feliz.
Para desenhar um filho, você deve fazê-lo com amor.

Os ratos. Lope de Vega

Os ratos se juntaram
livrar-se do gato;
e depois de muito tempo
de disputas e opiniões,
eles disseram que estariam certos
colocar um chocalho nele,
que passear com o gato,
se livrar melhor que podiam.

Um rato barbacã saiu,
colilargo, hociquirromo
e enrolando o lombo grosso,
Ele disse ao Senado romano:
Depois de falar adoração por um tempo:
– Quem de todos tem que ser
quem se atreve a colocar
Que chocalho para o gato?

A praça tem uma torre. Antonio Machado

A praça tem uma torre,
a torre tem uma varanda,
a varanda tem uma dama,
A dama uma flor branca.
um cavalheiro passou
-Quem sabe por que aconteceu! –
e tomou a praça,
com sua torre e varanda,
com sua varanda e sua dama
Sua dama e sua flor branca.

Manuelita a tartaruga. Maria Elena Walsh

Manuelita viveu em Pehuajó
Mas um dia foi marcado.
Ninguém sabia o porquê
para Paris ela deixou
um pouco andando
e outro pequeno passeio.

Manuelita, Manuelita,
Manuelita onde você está indo
com sua roupa de malaquita
e seu passo é tão ousado.

Manuelita se apaixonou
de uma tartaruga que aconteceu.
Ele disse: O que eu posso fazer?
Velho não vai me amar,
na Europa e com paciência
Eles podem me embelezar.

Na lavagem a seco de Paris
Eles pintaram com verniz.
Eles passaram a ferro em francês
do direito e do inverso.

Eles colocaram uma peruca
e botas nos pés.
Muitos anos foram necessários para atravessar
o mar que caiu lá novamente

e é por isso que ela voltou velha quando saiu
procurar sua tartaruga que a espera em Pehuajó

Fadas. Poema de criança pequena por Rubén Darío

As fadas, as belas fadas,
eles existem, minha doce menina,
Joana d’Arc os viu alados,
No campo.

Ele os viu quando deixou o mirab,
Faz muito tempo, Muhammad.
Mais garota do que uma pomba,
Shakespeare viu a rainha Mab.

Fadas disseram coisas
no berço
das princesas antigas:
que se eles fossem felizes
ou linda como a lua;
ou frases raras e ambíguas.

Com suas tiras e asas,
pequeno como lírios,
havia fadas que eram boas
e havia fadas que eram ruins.

E houve uma corcunda,
o da profecia odiosa:
A chamada
Caramelo

Se atingisse o berço
das princesinhas macias,
nenhum foi liberado
Das suas malditas palavras.

E essa fada era muito feia,
como são
feia toda má ideia
E todo coração ruim.

Quando você nasceu, linda,
você não tinha fadas pagãs,
nem mesmo o horrível Carabosa
Não suas irmãs engraçadas.

Ni Mab, que sonha em sonhos,
nem aqueles que celebram festa
na floresta mágica
de Brocelianda.

E você sabe, meu filho,
por que não havia fadas?
Porque lá
Eu estava perto de você
quem seu nascimento abençoou:
Rainha mais do que todos eles:
a rainha das estrelas,
A doce Virgem Maria.
Que ela te abençoe,
como sua mãe e sua amiga;
com seus consolos divinos
não tema a guerra infernal;
que perfume seus desejos
o nome dele que bane o mal,
bem, ela perfumava os céus
e a terra

Borboleta do ar. Federico García Lorca

Borboleta do ar,
você é linda,
borboleta do ar
Dourado e verde
Lâmpada,
borboleta do ar,
Fique aí, ali, ali!
Você não quer parar
Você não quer parar.

Borboleta do ar
Dourado e verde
Lâmpada,
borboleta de ar,
Fique aí, ali, ali!
Fique aí!
Butterfly, você está aí?

Soneto de repente. Lope de Vega

Um soneto me diz para fazer Violante;
Na minha vida eu me vi em tal situação
quatorze versos dizem que é soneto,
zombando provocando os três vão em frente.

Eu pensei que você não acharia consoante
e eu estou no meio de outro quarteto;
mas se eu me vir no primeiro terço,
Não há nada nos quartetos que me assuste.

No primeiro terço que estou entrando,
e ainda parece que entrei com o pé direito,
Bem, com este verso eu estou dando.

Eu já estou no segundo, e ainda suspeito
Eu sou os treze versos terminando:
Diga se eles têm catorze anos, e está feito.

A princesa está triste. Rubén Darío

A princesa está triste … O que a princesa terá?
Suspiros escapam de sua boca de morango,
Quem perdeu o riso, quem perdeu a cor.
A princesa está pálida em sua cadeira dourada,
o teclado do seu código de som é mudo;
e em um copo esquecido uma flor desmaia.

O jardim preenche o triunfo dos pavões.
Parlanchina, o proprietário diz coisas banais,
e, vestido de vermelho, ele flerta com o bobo da corte.
A princesa não ri, a princesa não sente;
a princesa persegue o céu oriental
A libélula vaga de uma vaga ilusão.

Você pensa no príncipe de Golconda ou na China,
ou onde ele parou seu carro alegórico argentino
Ver dos seus olhos a doçura da luz?
Ou no rei das perfumadas Ilhas Rose,
ou no qual ele é soberano dos diamantes claros,
Ou o orgulhoso dono das pérolas de Hormuz?

¡Ay! A pobre princesa de boca rosa
Ele quer ser uma andorinha, ele quer ser uma borboleta,
tenha asas leves, voe sob o céu,
ir ao sol pela escala de luz do raio,
cumprimente os lírios com os versos de maio,
ou se perder no vento sobre o trovão do mar.

Ele não quer mais o palácio, nem a roda de prata,
nem o falcão assombrado nem o bobo da corte escarlate,
nem os cisnes unânimes no lago de azur.
E as flores são tristes pela flor da corte;
o jasmim do leste, os nelumbos do norte,
do oeste as dálias e as rosas do sul.

Pobre princesinha de olhos azuis!
Ele está preso em seus ouro, está preso em seus tules,
na gaiola de mármore do palácio real,
o magnífico palácio guardado pelos guardas,
que guardam cem negros com suas cem alabardas,
um whippet que não dorme e um dragão colossal.

Oh, quem foi hipsipila que deixou a crisálida!
(A princesa está triste. A princesa está pálida)
Oh visão adorada de ouro, rosa e marfim!
Quem voará para a terra onde existe um príncipe
(A princesa está pálida. A princesa está triste)
Mais brilhante que o amanhecer, mais bonita que abril!

“Cale a boca, cale a boca, princesa”, diz a fada madrinha!
em um cavalo com asas, aqui está indo,
no cinto a espada e na mão o azor,
o feliz cavalheiro que te ama sem te ver,
e isso vem de longe, vencedor da Morte,
Para iluminar seus lábios com seu beijo de amor!

Abril Juan Ramón Jiménez

O chamariz no álamo.
-E que mais?

O álamo no céu azul.
– E que mais?
O céu azul na água.
– E que mais?

Água na nova folha.
– E que mais?
A nova folhazinha da rosa.
– E que mais?
A rosa no meu coração.
– E que mais?
Meu coração no seu!

Em bebês e mais | “Gloria Fuertes para crianças”, um livro de poesia que as crianças adoram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *