Miss Cantine

O que acontece com as crianças quando os pais têm um favorito?

Muitos irmãos, quando se encontram adultos, brincam sobre o que era o favorito dos pais dele. É um comentário jocular simples ou alguns ainda estão se preocupando com isso?

Em um estudo, os pesquisadores perguntaram a vários adultos se suas mães tinham um favorito quando eram crianças e quase 85% dos participantes pensavam assim.

Certamente, assim que saímos da casa de nossos pais, paramos de nos preocupar com o favoritismo de irmãos, mas a realidade não é assim e parece que o desconforto sobre o favoritismo durante a infância é longo.

É provável que continuemos preocupados, quando adultos, sobre por que outro irmão ou irmã em particular conseguiu um acordo melhor do que nós.

O favoritismo entre irmãos é real ou apenas uma ilusão?

Acontece que é verdade que os pais se comportam de maneira diferente com os filhos e, claro, as crianças percebem essas diferenças de um jeito ou de outro.

Os pesquisadores estudaram o favoritismo, observando as crianças quando elas interagem com seus pais ou pedindo que elas conversem sobre suas interações: com que freqüência pais e filhos riem ou brincam juntos? Com que frequência eles brigam ou discutem?

Essas pontuações foram comparadas entre os diferentes irmãos para determinar se uma criança recebeu mais atenção positiva ou negativa de seus pais do que outra.

Um dos resultados mais encorajadores desses estudos é que, quando as diferenças na maneira como os pais tratam seus filhos são pequenas, elas dificilmente têm consequências.

Somente quando há uma grande diferença é quando observamos que afeta a saúde e os relacionamentos das crianças.

O estresse dos pais tem a ver

Estudos em todos os tipos de relacionamento nos mostram que grande parte da empatia que sentimos por outras pessoas se deve à compatibilidade de personalidades. Uma pessoa pode parecer mais fácil ou mais interessante que outra e o mesmo acontece entre pais e filhos.

Embora a maioria dos pais queira e se preocupe com todos os filhos, eles inevitavelmente perceberão que estão mais em sintonia com um filho do que com outro. Uma das crianças pode ser mais sociável, outra mais irascível e uma terceira parte será melhor no aprendizado.

Essas diferenças na maneira como os pais tratam os irmãos têm sua origem nos genes de seus filhos. Os pais tratam de maneira mais semelhante aos gêmeos idênticos, que compartilham 100 cem por cento de seu DNA, do que gêmeos não idênticos, que compartilham cerca de 50% de seus genes.

Quanto mais diferentes as personalidades dos irmãos, maior a diferença no tratamento que recebem dos pais.

Outro fator na maneira como os pais educam seus filhos é, obviamente, a idade. Os pais interagem e educam seus filhos com base nas mudanças nas habilidades de desenvolvimento à medida que crescem. Idade e personalidade explicam algumas das diferenças no tratamento que as crianças recebem de seus pais.

Mas, embora a idade e a personalidade desempenhem um papel importante no favoritismo dos pais, o estresse que os pais sofrem os afeta muito mais. Quando os pais experimentam uma situação econômica ruim, problemas de saúde mental ou conflitos emocionais, a diferença na maneira como educam seus filhos ou o favoritismo entre irmãos se torna mais evidente.

Impactos no bem-estar físico e mental

Infelizmente, esse favoritismo que os irmãos percebem pode criar desconfiança entre eles, fazendo com que se sintam mais distantes um do outro, tanto na infância quanto na idade adulta.

Esta conclusão foi estabelecida para o favoritismo percebido e o favoritismo observado.

É importante passar um tempo individualmente com cada criança todos os dias.

A sabedoria popular diz que a criança favorita recebe benefícios de seu tratamento especial. Embora possa ser verdade quando o favoritismo é moderado, estudos sugerem que nenhum dos irmãos se beneficia quando o favoritismo é mais pronunciado. Ou seja, quando o favoritismo é mais evidente, todos os irmãos mostram menos bem-estar físico e mental.

No momento, não está claro qual é o motivo, mas é possível que as crianças sejam afetadas pela desigualdade ou que, quando recebem favoritismo, temem acabar do lado dos mais desfavorecidos.

Mas a coisa mais tranquilizadora para os pais são as descobertas de que as explicações dos pais sobre por que eles tratam os irmãos de maneira diferente realmente mudam a experiência dos filhos. Explicações que se concentram em suas diferentes personalidades, idades ou necessidades estão associadas a níveis mais baixos de estresse para as crianças.

Como a ordem de nascimento dos filhos influencia sua personalidade

Cinco dicas para não ser imparcial com seus filhos

  1. Presta atenção. O primeiro passo é estar ciente de que é algo que pode acontecer e procurar ajuda ou apoio de seu parceiro, família, amigos ou mesmo profissionais de saúde para tentar entender os motivos. Lembre-se de que o favoritismo para com as crianças é mais provável quando seu nível de estresse é maior.

  2. Ouça. Quando seu filho reclama ou vê discussões entre irmãos nos quais alguém menciona favoritismo, não o ignore. Lembre-se dos sentimentos da criança e reflita por que ela se sente assim.

  3. Dê explicações. Às vezes, as crianças precisam receber tratamento diferente, como quando uma criança está doente, ferida ou tem necessidades especiais. Quando isso acontecer, explique-o para evitar qualquer mal-entendido.

  4. Evite fazer comparações entre crianças. Embora possa ser natural dizer algo como: “por que você não pode ser mais como sua irmã?” Tente se concentrar no que cada criança faz bem, sem encará-la.

  5. Tente passar um tempo sozinho com cada uma das crianças. Na medida do possível, tente passar pelo menos 10 minutos por dia com cada criança, para que cada uma receba toda a sua atenção. Você pode fazer qualquer atividade que eles gostem de fazer com você.

Autores: Sheri Madigan, professor assistente da cadeira de pesquisa do Canadá sobre determinantes do desenvolvimento infantil (Owerko Center, do Instituto de Pesquisa do Hospital Infantil de Alberta, Universidade de Calgary) e Jennifer Jenkins, Cadeira de Atkinson em educação e desenvolvimento na primeira infância e diretora do Atkinson Centre, Universidade de Toronto.

Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation. Você pode ler o artigo original aqui.

Traduzido por Silvestre Urbón

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *