Miss Cantine

De acordo com o último estudo do PISA, os estudantes espanhóis não sabem trabalhar corretamente em equipe, e é preocupante

Na semana passada, o PISA divulgou o relatório “Solução colaborativa de problemas”, na qual participaram 125.000 estudantes de 52 países de 15 países, 32 deles pertencentes à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Nesta ocasião, o capacidade dos alunos para resolver problemas em equipes e os resultados foram realmente preocupantes porque apenas 8% dos estudantes (na Espanha 4%) são capazes de trabalhar em grupo, resolver problemas e enfrentar conflitos.

Cabo de ouvidos para o modelo educacional

Em uma sociedade global e em um mundo cada vez mais interconectado, é essencial que as pessoas colaborem para alcançar seus objetivos. Porém, o modelo educacional ainda é muito individual, para que as escolas melhorem e preparem os alunos para viver e trabalhar em equipe.

Esta é a primeira grande conclusão obtida após a leitura do relatório “Solução colaborativa de problemas”, na qual participaram 125.000 estudantes de 15 anos de 52 países diferentes e que completam os resultados do relatório geral de 2015 do PISA sobre ciência, Matemática e Leitura.

Este relatório foi a primeira avaliação realizada no capacidade dos alunos trabalharem em equipe, suas atitudes de colaboração com seus colegas e resolução de problemas em conjunto com o restante dos membros do grupo.

Nos países da OCDE, 28% dos estudantes podem resolver problemas coletivos simples, mas apenas 8% sabem trabalhar bem em equipe

O papel das escolas é fundamental adquirir as habilidades necessárias para saber trabalhar em equipe, mas poucas escolas dão importância ao trabalho em grupo ou projeto eUm modelo educacional global que tende à educação individual predomina.

“Em um mundo que dá cada vez mais importância às habilidades sociais, os sistemas educacionais devem melhorar muito para promover sistematicamente essas habilidades ao longo do currículo escolar” – afirma o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría.

Para César Bona, considerado um dos melhores professores da Espanha, é difícil para os professores ensinarem como trabalhar em equipe já que ninguém lhes ensinou:

“Existem milhares de professores cheios de entusiasmo, paixão e muito preparados para tentar se espalhar positivamente a todos os colegas que perderam a ilusão ao longo do caminho” – afirmou no 2º Dia Pedagógico da RUBIO, realizado em Valência.

Segundo o professor Bona, a solução para melhorar os resultados deste relatório passaria por fornecer mais apoio aos professores e reforçá-los com novos conhecimentos em questões importantes como trabalho colaborativo, aprendizado de projeto ou gerenciamento de emoções.

O relatório também destacou a conexão entre educação física e trabalho em equipe. E parece que as atitudes em relação à colaboração e ao trabalho em grupo são mais positivas à medida que os alunos frequentam mais aulas de educação física por semana, algo que, infelizmente, não é contemplado em nosso sistema educacional atual.

Da mesma forma, uma nota melhor foi observada quando se trabalha em equipe naqueles estudantes que nunca se envolveram em problemas de bullying e relatam receber tratamento justo de seus professores.

Outras variáveis ​​que favorecem o trabalho em equipe

  • Comparando este relatório com os resultados obtidos no relatório global de 2015, observou-se que 44% dos estudantes que apresentam melhores habilidades em ciências, 39% daqueles que se destacam em leitura e 34% daqueles que se destacam em matemática Eles também tendem a ser melhores no trabalho colaborativo.

Encontramos a exceção em estudantes da Austrália, Japão, Nova Zelândia e Estados Unidos, que, apesar de não terem ótimas notas em leitura, ciências e matemática, sabem trabalhar muito bem em equipe.

  • Por outro lado, não se observou diferenças importantes nas habilidades de trabalho em equipe entre estudantes com maior poder aquisitivo e os mais desfavorecidos. Também não há diferenças entre estudantes imigrantes ou não imigrantes, mas foi observado que a exposição dos estudantes a A diversidade cultural na sala de aula tende a ser associada a melhores habilidades de colaboração.
  • Onde uma diferença acentuada pode ser vista novamente é no trabalho em equipe com base no sexo dos alunosBem, parece que as meninas colaboram mais e melhor em grupos do que seus parceiros masculinos.

Nos países da OCDE, as mulheres ganham mais 29 pontos na resolução coletiva de problemas em relação aos homens

As maiores diferenças (de mais de 40 pontos) entre meninas e meninos são observadas na Austrália, Finlândia, Letônia, Nova Zelândia e Suécia, enquanto as menores diferenças (de menos de 10 pontos) estão na Colômbia, Costa Rica e Peru.

Em todos os países participantes do estudo, os alunos mostraram uma atitude positiva em relação ao trabalho em grupo, embora são eles que dão mais valor às relações sociais, ficam mais felizes com o sucesso de seus parceiros, levam em consideração as opiniões dos outros e consideram perspectivas diferentes ao enfrentar um problema.

  • As atividades que ocorrem fora da escola também influenciam positiva ou negativamente ao trabalhar em equipe. Assim, observou-se que os estudantes que passam mais tempo jogando videogame trabalham pior em equipe do que aqueles que promover relações humanas através do jogo da empresa, conversas com amigos ou interação através de redes sociais

Os países com melhor classificação

Considerando todas essas variáveis, os cinco países / regiões mais valorizados na solução de problemas de grupo e trabalho em equipe são Cingapura, Japão, Hong Kong, Coréia e Canadá.

No extremo oposto, estariam estudantes do México, Colômbia, Turquia, Peru e Tunísia, que obtiveram notas muito baixas no trabalho colaborativo.

Foto via OCDE

Os resultados dos estudantes espanhóis também não são bons, porque estão abaixo dos 500 pontos que é a média obtida pelos países da OCDE. No entanto, eEsse resultado muda se analisarmos as comunidades autônomas separadamente.

Nesta ordem, os estudantes de Madri, Castela e Leão, Catalunha e Navarra estão acima da média da OCDE no trabalho em equipe, enquanto os da Extremadura e Andaluzia estão abaixo.

Conclusões

Em resumo, o sistema educacional em nosso país e no restante dos países participantes do estudo deve mudar acentuadamente para ensinar trabalho em equipe, criatividade e promoção do pensamento crítico e divergente.

Mas também em casa, os pais podem ajudar nossos filhos ensinando-lhes a importância de trabalhar juntos para alcançar resultados, de ouvir os outros, de ter empatia e levar em conta outras opiniões que podem não apenas nos ajudar a resolver um conflito, mas também nos enriquecer cultural e emocionalmente.

  • Via OCDE-Pisa, ABC

  • Em bebês e mais Por que devemos fazer mais horas de educação física nas escolas, como está o mundo da educação? Nove conclusões sobre o relatório do PISA de 2015: Como ensinar em uma escola sem livros didáticos, Adeus às matérias das escolas jesuítas … há um novo modelo de ensino que se aproxima da Espanha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *