Miss Cantine

Seu filho é exigente com comida? Cinco maneiras de tornar as refeições mais divertidas e saudáveis

Se em casa você tem um filho que tem uma barriga para comer, você não está sozinho. Quase 50% dos pais dizem que seus filhos pequenos são comedores exigentes. Se eles são seletivos na hora das refeições, podem fazer o caos das refeições. Já temos o suficiente para nos preocupar em não desperdiçar comida e que seu filho coma bastante comida “boa” e pouca comida “ruim” (ou pelo menos que ele coma o suficiente). Essas lutas diárias podem tornar as refeições um fardo, e o planejamento levando em consideração as preferências dos pequenos pode ser quase impossível.

No entanto, há boas notícias: alguns dos comportamentos comuns de crianças agitadas com comida, como rejeitar novos pratos ou fazer birras na hora do almoço (porque eles só querem comer sua comida favorita) eles são normais.

Pesquisas sugerem que, com o tempo e após várias exposições (sem ser pressionadas) à comida, a maioria das crianças acaba aceitando novos alimentos. Também respire aliviado, porque a maioria das crianças consideradas comedores exigentes geralmente não apresenta deficiências alimentares ou uma taxa de crescimento abaixo da média.

Somos pesquisadores em nutrição e realizamos vários estudos com os quais preparamos várias estratégias que você pode usar para tornar as refeições mais felizes e saudáveis. Juntamente com outros estudos com crianças pequenas, o resultado são cinco maneiras de reduzir o estresse durante as refeições e ajudar seu “exigente” a ter uma dieta mais saudável.

1. Mude a maneira como vê as coisas

O primeiro passo que muitos pais que se sentem exaustos podem dar é mudar seu ponto de vista.

Durante os anos pré-escolares, a desaceleração do crescimento (em comparação com o rápido crescimento observado durante a infância e a infância) pode ter um impacto na dieta. É também o caso de mudanças de atitude, como quando a criança começa a ter um senso de independência.

Agora eles são responsáveis ​​por suas próprias preferências e ações; portanto, eles preferem se alimentar, desenvolvendo um gosto mais rigoroso sobre comida.

Se ficamos com o fato de que as crianças são “exigentes”, estamos sugerindo que esses comportamentos, considerados normais durante o desenvolvimento, sejam um ato de rebelião.

Se considerarmos a rejeição de alimentos como um ato de rebelião, as refeições provavelmente serão estressantes. Tendemos a nos concentrar em nossos filhos cumprindo nossos pedidos, em vez de tentar desenvolver um relacionamento saudável com a comida.

As frases do tipo “Você tem que comer mais três colheres de sopa” Eles são normais, mas podem fazer você terminar um ciclo de discussões com seu filho.

Em algumas situações, o ciclo de pressões e negativos pode aumentar e fazer com que você dê para que seu filho coma qualquer coisa, deixando-o comer o que quer e criando hábitos alimentares negativos.

Em vez de pensar nesse tipo de atitude como um ato de rebelião, podemos entendê-lo como uma maneira de mostrar independência durante as refeições, algo completamente apropriado para a sua idade. Seu filho discriminará os alimentos com base nas novas qualidades dos alimentos, como sabor, textura, apresentação e familiaridade.

Concentre-se em promover os bons hábitos alimentares do seu filho sem pressionar e aproveite o tempo que passam juntos durante as refeições, em vez de se concentrar na ingestão de alimentos.

2. Adapte-se, mas sem ceder

Se você se adaptar às preferências do seu filho durante as refeições, você ganha: as crianças ganham um pouco de independência e comem a comida que você prepara para elas.

Ao planejar as refeições, pergunte ao seu filho o que você gostaria de comer esta semana Ou leve-o para fazer a compra e diga-lhe para escolher um vegetal que ele queira experimentar.

Adaptar-se às preferências das crianças não significa jantar nuggets de frango todas as noites. Se você for fazer um prato exótico de comida apimentada, coloque menos temperos para as crianças.

Refeições em que crianças pequenas eles podem servir a si mesmos Eles também são uma boa idéia, pois permitem que eles escolham quanto comerão (por exemplo, sem incluir o molho).

3. Peça às crianças que experimentem novos alimentos

Não exerça pressão sobre ele seu filho para comer o que ele não gosta. Nada acontece se você não gosta de brócolis.

Vários pesquisadores no Reino Unido tentaram vários métodos para fazer as crianças provarem os vegetais de que não gostam. Após 14 dias de testes, eles concluíram que as melhores estratégias incluíam uma combinação de exposição diária repetida a esses alimentos, oferecendo recompensas não relacionadas a alimentos se eles experimentassem os alimentos de que não gostavam e que os pais comessem a mesma comida que a criança

Se você recusar os alimentos primeiro, tente novamente várias vezes (sem pressionar). Pode levar de 10 a 15 vezes até que uma criança goste de um novo alimento.

É muito mais fácil ter uma criança experimentando novos alimentos do que forçá-lo a comê-los. Tente oferecer pequenas porções.

O uso de recompensas como adesivos pode melhorar a tolerância do seu filho a aceitar novos alimentos e tornar cada novo prato divertido. Parabenize seu filho pequeno ao experimentar novos alimentos e seja imparcial se decidir não comê-los.

4. Seja um modelo de alimentação saudável

Também é importante comer com seu filho quando você oferecer novos alimentos. Você não pode esperar que seu filho coma vegetais se você também não os comer!

Crianças com pais que têm hábitos alimentares saudáveis ​​tendem a ser menos “exigentes”, geralmente experimentam mais vegetais de que não gostam e geralmente consomem mais frutas e legumes.

5. As crianças podem ser as nossas pitadas de cozinha!

Fazer a família inteira participar do cozimento pode aliviar o estresse durante as refeições.

Você não precisa fazer tudo sozinho! Você pode pedir ao seu filho para lavar a comida que vai cortar ou pôr a mesa enquanto o jantar está no forno.

Existem vários estudos que mostram que as crianças envolvidas de alguma forma no preparo das refeições têm uma atitude mais positiva em relação à comida e geralmente estão comendo a comida que ajudaram a cozinhar.

Ao fazer seu filho clicar em sua cozinha, você fará com que ele coma mais alimentos saudáveis ​​a curto prazo e ensinará boas práticas a ele por toda a vida.

Confira esta lista de tarefas por idade para fazer com que os mais pequenos participem da cozinha!

Para idéias sobre receitas adaptadas às crianças, você pode ir a estas deliciosas receitas escritas pelos pesquisadores do Guelph Family Health Study.

Se você deixar seu filho desenvolver seus próprios gostos, preferências e paixão por uma alimentação saudável, as refeições em família serão mais agradáveis ​​a curto prazo e a dieta do seu filho será beneficiada a longo prazo.

Autores: Kathryn Walton, Dietista e Professora de Nutrição Aplicada, Universidade de Guelph e Jess Haines, Professor Associado de Nutrição Aplicada, Universidade de Guelph

Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation. Você pode ler o artigo original aqui.

Traduzido por Silvestre Urbón.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *