Miss Cantine

Abortos repetidos: o que são e por que ocorrem, causas e tratamentos

Abortos repetidos são perdas gestacionais recorrentes que afetam cinco por cento das mulheres em idade fértil, sendo uma das causas da infertilidade.

As razões pelas quais ocorrem abortos repetidos podem ser muito variadas, por isso é importante realizar os exames médicos relevantes que determinam o que está acontecendo e qual tratamento seguir para evitá-lo. Explicamos detalhadamente neste artigo.

Como chamamos abortos recorrentes?

A Sociedade Espanhola de Fertilidade lista os abortos recorrentes como perda de três ou mais gestações consecutivas antes de 20 semanas, com um feto com menos de 500 gramas de peso. No entanto, não há um consenso claro sobre sua definição e alguns especialistas apontam que as perdas não devem ser “consecutivas” para falar sobre abortos repetidos.

No entanto, para o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas e a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, bastaria duas ou mais gestações fracassadas consecutivas confirmado por ultrassom para falar sobre abortos recorrentes.

O aborto espontâneo supõe um duro golpe emocional para a mulher, mas no caso de abortos recorrentes, a dor aumenta ainda mais, se possívelPois esperanças e ilusões são renovadas repetidas vezes a cada nova gravidez, assim como tristeza, raiva e medo a cada nova perda.

Segundo especialistas, quando a mulher já sofreu um aborto as chances de passar pela mesma coisa novamente são de cerca de 15%, uma porcentagem que aumenta para 25 ou 30% se dois ou mais abortos anteriores já foram realizados, ou até 60% nos casos de mulheres com mais de 40 anos.

Por que ocorrem repetidos abortos?

Em torno de 40 a 50% das vezes, não é encontrada nenhuma causa para justificar abortos repetidos, mas em outras ocasiões parece ser e, de acordo com os estudos, pode ser devido ao seguinte:

Anormalidades genéticas

Anormalidades genéticas e cromossômicas são responsáveis ​​por 50% das perdas gestacionais, sendo também a causa mais comum de abortos recorrentes.

Os fatores por trás desse tipo de anomalia são:

  • A idade materna é geralmente o fator mais comum, pois quantos anos tem a mãe pior será a quantidade e a qualidade dos seus oócitos.

  • Alterações cromossômicas de um dos dois pais, ou alterações na qualidade do esperma do homem.

O abortos causados ​​por causas genéticas geralmente ocorrem precocemente, na semana sete ou oito da gestação, às vezes antes mesmo de a mulher confirmar a gravidez.

Se os exames médicos revelarem que essa é a causa de abortos recorrentes, os especialistas aconselham recorrer a técnicas de fertilidade com diagnóstico genético pré-implante ou se a situação exigir que opte pela doação de óvulos ou sêmen.

Alterações anatômicas do útero

Segundo alguns especialistas, até 15% dos abortos recorrentes ocorreriam devido a malformações do útero, principalmente devido a um útero septal, que é a anomalia pela qual a cavidade uterina é dividida em duas partes por um septo central.

Também os miomas, pólipos, miomas e aderências no tecido cicatricial podem causar perdas gestacionais repetitivas. variar a morfologia do útero e interferir na implantação ou crescimento do feto.

Outro fator uterino que pode causar abortos recorrentes é a insuficiência cervical, que ocorre quando o colo do útero não consegue suportar a gravidez, abrindo prematuramente e causando perdas.

Se for revelado que alguma dessas causas causa aborto, os médicos podem aconselhar o recurso a cirurgia ou cerclagem, em caso de insuficiência cervical, para corrigir o problema.

Trombofilias

Os problemas de trombofilia, herdados (os mais frequentes são a mutação do fator V de Leiden e protrombina) ou adquiridos (o mais frequente é a síndrome antifosfolípide), ocorrem entre três e quatro por cento das vezes causando alterações na coagulação do sangue materno que impedem a formação da placenta ou o desenvolvimento do feto.

No caso de diagnosticar qualquer trombofilia que possa ser difícil de levar a gravidez a termo, o tratamento médico é geralmente ácido acetilsalicílico e injeções de heparina de baixo peso molecular.

Causas imunológicas (não relacionadas à síndrome antifosfolípide)

Problemas imunológicos surgem devido a alterações no sistema imunológico da mãe que causar uma resposta anormal durante a gravidez atacar o feto ao considerar que é um corpo estranho. Isso é causado pelo efeito das células chamadas Natural Killer (NK), um tipo de linfócito responsável pela defesa imunológica do nosso corpo.

O tratamento médico no caso de determinar que os NKs sejam responsáveis ​​por falhas no implante embrionário ou por repetidos abortos, dependerá das características do paciente e da patologia associada.

Causas endócrinas

De acordo com a Sociedade Espanhola de Fertilidade, existem pouca evidência científica que relacione patologias endócrinas a repetir abortos, Sendo que:

  • Diabetes mellitus e distúrbios da tireóide clinicamente controlados não são um fator de risco.

  • A relação entre a sinóvia do ovário policístico (SOP) e os abortos repetidos é casual.

  • A incapacidade do ovário de produzir progesterona (um hormônio muito importante para a manutenção da gravidez) e altos níveis de prolactina não são a causa de abortos repetidos.

  • No entanto, a causa endócrina mais provável hoje seria a resistência à insulina, que tem sido associado a uma maior taxa de aborto em mulheres com SOP resistente à insulina submetidas à indução da ovulação, em comparação com as não resistentes à insulina.

Quando iniciar um estudo?

Especialistas concordam que o ideal seria iniciar um estudo quando ocorrerem dois abortos, uma vez que a probabilidade de abortar novamente é semelhante após três abortos (24 a 30 por cento versus 30 a 33 por cento).

De qualquer forma, e de acordo com a Sociedade Espanhola de Fertilidade, seria razoável individualizar cada caso, considerando a idade da mulher, as circunstâncias que envolvem as perdas gestacionais, o histórico pessoal e familiar e a ansiedade do casal.

O estudo deve ser realizado por profissionais especializados e, embora existam muitos testes que devem ser realizados para descobrir a causa dos abortos recorrentes, os mais comuns são geralmente:

  • Cariótipos de homem e mulher, para descobrir se há alguma alteração estrutural em um dos cromossomos que predispõe ao aborto.

  • Testes de imagem em mulheres, como histerossalpingografia, ultrassom ou histeroscopia. Pretende-se ver o anatomia uterina e excluir a presença de malformações, miomas ou útero de baixa receptividade.

  • Testes em humanos, como testes de fragmentação de DNA de esperma ou FISH.

  • Análise hormonal de mulheres, para determinar o nível de prolactina, progesterona e função da glândula tireóide.

  • Estudo de trombofilias e doenças autoimunes.

Depois que a causa é determinada e de acordo com seu tipo e gravidade, pode ser necessário colocar-se nas mãos de uma equipe multidisciplinar (endócrino, ginecologista, hematologista, andrologista, psicólogo …) que recomendará o melhor tratamento a seguir em cada caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *