Miss Cantine

Alergia a Anisakis: tudo o que você precisa saber sobre prevenção, sintomas e tratamento em crianças e mulheres grávidas

Ele o peixe é um alimento muito saudável que traz vários benefícios ao nosso corpo, por isso não deve faltar na dieta das crianças ou durante a gravidez. No entanto, devemos prestar atenção ao tipo de peixe que consumimos (alguns têm um alto teor de mercúrio), bem como a maneira como são cozidos e preservados, pois podem transmitir anisakis.

De acordo com os dados mais recentes o número de reações alérgicas por anisakis aumentou nos últimos anos, e embora não seja uma alergia típica entre a população infantil, é importante saber como podemos evitá-la e o que fazer em caso de entrar em contato com esse temido parasita.

O que é anisakis?

Anisakis é um parasita em forma de verme que vive no trato digestivo de peixes, cefalópodes e mamíferos marinhos. Geralmente tem entre três e cinco centímetros de comprimento e sua cor é esbranquiçada, quase transparente.

Este parasita pode se tornar um problema para o homem no momento em que torna-se parte da cadeia alimentar através do consumo de peixes e cefalópodes infestados, embora na maioria das vezes não cause danos ao ser humano.

Onde estão os anisakis?

As larvas de Anisakis são encontradas na cavidade abdominal entre 40 e 80% dos peixes marinhos e cefalópodes de todos os mares e oceanos do mundo:

  • Nos peixes que costumamos consumir, como pescada, sardinha, arenque, pregado, cavala, salmão, anchova, atum, badejo e bacalhau.

  • Em cefalópodes, como sépia, lula e polvo.

Anisakis não parasita moluscos bivalves (mexilhões, ostras, berbigões, amêijoas), moluscos de frutos do mar (camarão, camarão, camarão, lagosta, caranguejo) ou peixes de rio (como trutas ou carpas).

Quanto ao peixe de criação Existe uma crença equivocada de que eles estão livres de anisakis, mas a verdade é que é difícil ser capaz de afirmar enfaticamente e, em alguns casos, esses peixes também podem abrigar o parasita dentro deles se forem alimentados com espécies infestadas.

Quais sintomas a alergia a anisakis produz?

A primeira coisa a notar é que o Alergia a Anisakis não deve ser confundida com alergia a peixeBem, são coisas totalmente diferentes.

O mais comum é que a maioria de nós ingeriu larvas de anisakis presente nos peixes que consumimos sem esse fato nos causou qualquer alteração ou complicação da saúde.

Estima-se que 16% da população tenha testes positivos de alergia a anisakis, mas sem sintomas de alergia.

No entanto, em outras ocasiões, a ingestão de anisakis pode ter as seguintes conseqüências:

  • Anisakis ou infecção por anisaquíase: ocorre quando larvas vivas penetram em nosso trato digestivo, aderindo à mucosa e causando sintomas como forte dor no intestino alguns minutos ou dias após o consumo de peixes infestados, vômitos, diarréia e até sangramento digestivo.

  • Alergia a Anisakis: Esse parasita vivo ou morto pode causar uma condição alérgica que ocorre de diferentes formas, como urticária (prurido e urticária na pele), rinoconjuntivite alérgica (coceira no nariz e nos olhos, espirros e conjuntivite), crise asmática e, menos frequentemente, reação anafilática

Como é diagnosticado?

Embora A alergia a anisakis era uma coisa excepcionalmente rara há algumas décadas, agora mais e mais casos são diagnosticados, sendo muito frequentes no Japão e, na Europa, mais prevalentes em nosso país, na França,
na Holanda e na Alemanha.

O diagnóstico de alergia deve ser feito pelo especialista, através do histórico médico do paciente e dos resultados de testes específicos.

Segundo o Dr. Pilar Cots, alergista do Hospital Ruber e autor do blog. Sem a minha alergia, a maneira de determinar se existe uma alergia ao anisakis é realizar uma teste de pele (ou teste de picada) e analítico para determinar os níveis de IgE específica no sangue. Às vezes também pode ser necessário realizar uma endoscopia para detectar e remover larvas.

Como a alergia a anisakis afeta crianças e mulheres grávidas?

Segundo especialistas, diferentemente de outras alergias alimentares convencionais, a alergia à anisakis geralmente ocorre inesperadamente em adultos entre 40 e 70 anos que não têm histórico alérgico.

Neste artigo publicado na Pediatric Web, podemos ler como não ser uma alergia comum entre a população infantil, os pediatras acham difícil diagnosticá-lo rapidamente, e a primeira coisa que pensam é que enfrentam algumas das alergias mais frequentes em crianças, como alergia ao leite, ovos, peixe, frutas ou os legumes.

Mas uma vez descartadas essas possibilidades, e dependendo do tempo decorrido entre o ingestão de peixe pela criança e aparecimento de sintomas, é possível que o especialista comece a suspeitar de um caso de alergia a anisakis.

Quanto às mulheres grávidas, é importante ter cautela ao comer peixe, pois, precisamente Esta alergia pode ser evitada com medidas preventivas apropriadas.

Na maioria dos casos, o tratamento será sintomático e consistirá em antiácidos, anti-histamínicos e corticosteróides para mitigar reações alérgicas. Se forem reações sérias, será necessário o uso de adrenalina injetável. Tudo isso, sempre orientado e prescrito por um médico especialista.

Nos casos em que a anisakis está causando sérios problemas de saúde, será necessário removê-la da mucosa intestinal através de uma endoscopia. Não suprima a ingestão de peixes e cefalópodes, mas consuma-os de acordo com as medidas de segurança que explicamos abaixo.

Medidas preventivas para prevenir o contágio

A medida mais eficaz para matar larvas de anisakis e impedir o contágio é comprar peixe congelado
(congelamento profundo do mar) ou congelamento em casa por um período mínimo de 72 horas a -20º. Desta forma, Uma vez descongelado, podemos preparar ou consumir o peixe como gostamos: mal cozida, crua, em conserva …

Se comprarmos peixe fresco e nós não queremos ou podemos congelá-lo, devemos seguir as seguintes medidas preventivas:

  • Cozinhe a 60º por pelo menos dois minutos, certificando-se de que é muito feito no interior e evitando técnicas culinárias, como o ferro ou o microondas.

  • Não consuma peixe cru ou processado com as seguintes técnicas: defumado, em conserva, em conserva, marinado, carpaccios, sushi …

  • Peça à peixaria para limpar bem o peixe e remover as vísceras, ou escolha a parte do peixe mais afastada da área abdominal (por exemplo, a cauda).

  • Não consuma peixes pequenos com vísceras, como sardinha ou anchova.

Fotos | iStock

Em bebês e muito mais | Os peixes na alimentação infantil são nossos filhos mais expostos ao mercúrio do que os do resto da Europa? Como saber se meu bebê pode ser alérgico às proteínas do leite de vaca? Dicas para uma alimentação segura durante a gravidez? comer sushi durante a gravidez?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *