Miss Cantine

Cuide do seu assoalho pélvico: como combater os cinco distúrbios pós-parto mais comuns

Até relativamente recentemente, o assoalho pélvico era um grande desconhecido. Felizmente, hoje as mulheres começam a perceber a importância de manter esses músculos tonificados, especialmente durante o período pós-parto, que é quando ficam mais enfraquecidos.

Um especialista explica para nós Quais são os cinco distúrbios mais frequentes após o parto, relacionados ao assoalho pélvico, e como combatê-los.

Por que isso é tão importante?

O conjunto de músculos e ligamentos que fecham a cavidade abdominal em sua parte inferior é conhecido como assoalho pélvico.

Tem a função de manter os órgãos pélvicos (bexiga e uretra, útero, vagina e reto) na posição correta, para que funcionem corretamente.

Um assoalho pélvico forte e tonificado na gravidez ajuda a controlar corretamente o esfíncter urinário e anal, além de suportar o peso extra do bebê e ajudar a empurrá-lo pela vagina no momento do parto.

Mas, além da gravidez, existem outras causas que causam sua falta de tonicidade: obesidade, constipação crônica, prática continuada de esportes de impacto, cirurgias vaginais, alterações hormonais da menopausa ou idade avançada.

Mas sua função também será fundamental durante o pós-parto e ao longo da vida, evitando desconfortos e disfunções muito importantes.

Os cinco problemas associados ao assoalho pélvico

Sara Cañamero, matrona do centro MaterNatal e parceira da Suavinex na saúde da mulher, explica que problemas são mais comuns em sua consulta pós-parto.

  • Dor na região pélvica. Se não responder ao tratamento anti-inflamatório ou for além das duas primeiras semanas “lógicas” em que a episiotomia ou laceração precisa ser curada, é patológica e a causa deve ser procurada.

  • Incontinência urinária. O peso que o assoalho pélvico teve de suportar durante a gravidez pode ter enfraquecido os músculos, fazendo com que as gotas de urina escapem involuntariamente diante de certos esforços.
    Essa situação geralmente desaparece cinco ou seis semanas após o parto, mas é aconselhável consultar uma parteira ou um fisioterapeuta especializado em assoalho pélvico, para que eles o valorizem, e nos dê orientações para fortalecê-lo e evitar perdas.

  • Relações sexuais dolorosas Se houver dor durante a penetração, um sintoma conhecido como coitalgia, é aconselhável ir a uma consulta, porque, se for tratado precocemente, poderá ser resolvido em pouco tempo. Mas se se tornar crônico, pode levar a uma relação dolorosa para sempre ou a uma relação sexual desagradável.

Sexo quando somos pais não precisa ser pior, pode ser melhor do que antes

  • Prolapsos A sensação de peso que algumas mulheres sentem na vagina se deve ao fato de os músculos do assoalho pélvico serem tão fracos que não são capazes de desempenhar uma de suas funções mais importantes: a de apoiar os órgãos que estão dentro e acima da vagina. cavidade pélvica

Existem diferentes graus de prolapso vaginal, dependendo da gravidade: de um a quatro, sendo um e dois leves e moderados, necessitando de reabilitação; e três e quatro, sérios, e precisam de cirurgia para serem tratados.

  • Diástase O reto abdominal se estende durante a gravidez para abrir espaço para o bebê.

No período pós-parto, duas em cada três mulheres que já tiveram mais de um filho sofrem de diástase não fisiológica, que não responde à dieta ou ao exercício e causa deslocamento dos órgãos internos.

Isso faz com que a fraqueza do assoalho pélvico possa ser acompanhada de um certo desconforto na região lombar, digestões pesadas …

Se nada for feito para corrigi-lo, a diástase pode durar com o tempo; portanto, é adequado procurar um especialista para se recuperar, pois os mesmos exercícios de fortalecimento do assoalho pélvico não funcionam. De fato, Abs clássico pode até piorar.

Exercícios hipopressivos após o parto: muito mais do que uma ajuda para recuperar nossa silhueta

Tratamento especializado

Para evitar qualquer tipo de assoalho pélvico desse tipo, Sara Cañamero aconselha:

  • Vá ao especialista de confiança, médico ou parteira, seis semanas após o parto.

  • Não se contente com as dores ou as considere ‘normais’.

  • Aproveite a maternidade.

Mesmo as mulheres que deram à luz por cesariana devem verificar o assoalho pélvico, porque os problemas nessa área não são exclusivos do parto vaginal.

Será o especialista que determina o tratamento mais adequado para a mãe recente, de acordo com o problema.

Certamente, duas das medidas a serem fortalecidas no pós-parto imediato serão os exercícios de Kegel e a ginástica abdominal hipopressiva, que também ajudam nas contrações do útero, tonificam o abdômen e reduzem o intestino.

Exercícios do assoalho pélvico para mulheres grávidas (vídeo)

Mais tarde, existem outras terapias que também ajudam, como a prática de certos exercícios de ioga e pilates, e outras ferramentas terapêuticas, como cones ou bolas chinesas, muito úteis para fortalecer.

O especialista insiste que “O desconforto do assoalho pélvico é geralmente uma das consultas mais frequentes de mulheres que deram à luz.” Portanto, o papel das parteiras é muito importante no fornecimento de informações rigorosas, diretrizes de assistência, recomendações e desmistificação de crenças estabelecidas sobre a saúde sexual e reprodutiva feminina nesta fase.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *