Miss Cantine

Deficiência de vitamina D em bebês e crianças: por que é produzida e o que podemos fazer para evitá-la

De acordo com uma revisão realizada pela Sociedade Europeia de Hepatologia e Nutrição em Gastroenterologia Pediátrica (ESPGHAN), um número considerável de crianças e adolescentes europeus saudáveis ​​(incluindo crianças espanholas) teria deficiência de vitamina D, um problema sério que Isso pode levar a doenças associadas.

O sol é uma das principais fontes naturais de vitamina D, juntamente com uma dieta correta e equilibrada. Mesmo assim, algumas vezes a suplementação também pode ser necessária.

Nós dizemos tudo o que você precisa saber sobre vitamina D em bebês e crianças, quais as consequências do seu déficit e o que podemos fazer para evitá-lo.

Vitamina D: por que é importante e quais são suas necessidades

A vitamina D é um nutriente importante que ajuda o corpo a incorporar cálcio dos alimentos que ingerimos, contribuindo para a saúde do sistema ósseo. Além disso, desempenha um papel muito importante na saúde do coração e no combate a infecções.

A Associação Espanhola de Pediatria recomenda uma contribuição de vitamina D de 400 U / dia em crianças menores de um ano e 600 U / dia a partir dessa idade.

Por que ocorre a deficiência de vitamina D?

Geralmente, a deficiência de vitamina D é causada por um combinação de deficiências alimentares e baixa exposição à luz solar, levando em consideração que a dieta contribui apenas com 10% das quantidades recomendadas de vitamina D, enquanto o sol contribui com 90%.

Deficiências na dieta infantil

Déficits nutricionais em crianças É um tópico que preocupa muito os pais e algo que os especialistas muitas vezes repetem. Com uma dieta extensa, equilibrada e variada, é difícil para uma criança ter déficits nutricionais, mas sabemos que nem sempre é fácil fazer com que as crianças comam tudo.

Especificamente, a vitamina D é obtida através do consumo de certos alimentos, como peixe azul (salmão ou sardinha em óleo, por exemplo), mariscos, gema de ovo, laticínios e cereais fortificados.

Baixa exposição à luz solar

A vitamina D é sintetizada nas células da pele com a ajuda da exposição à luz solar, portanto o sol se torna a principal fonte natural de obter esta vitamina.

Ao longo da história, a luz solar satisfez a maioria dos requisitos humanos de vitamina D. No entanto, as mudanças produzidas nos últimos anos no estilo de vida, o aumento da inatividade física das crianças, os movimentos migratórios e a proteção excessiva que tomamos quando nos expomos ao sol aumentaram as deficiências dessa vitamina.

Bebês em lactação

Durante os primeiros meses de vida, o bebê geralmente tem contribuições suficientes de vitamina D, uma vez que a recebe e a armazena durante a gravidez, mas para evitar deficiências subsequentes, a Associação Espanhola de Pediatria recomenda suplementação nesses grupos de risco:

  • Bebês amamentados com menos de um ano devem receber um suplemento de 400 UI / dia de vitamina D.

  • Os bebês que bebem leite em pó devem receber um suplemento de 400 UI / dia de vitamina D até tomar um litro diário de fórmula adaptada enriquecida com vitamina D.

  • Crianças prematuras com menos de um ano de idade corrigida devem tomar 200 UI / kg / dia até um máximo de 400 UI / dia.

Vitamina D e cólica: o que se sabe sobre ela e possíveis soluções

Sintomas de deficiência de vitamina D

Uma deficiência de vitamina D pode produzir os seguintes sintomas e problemas associados na criança:

  • Aumento do risco de raquitismo: a falta de vitamina D pode causar raquitismo, uma doença caracterizada pelo amolecimento dos ossos do crânio, curvatura das pernas, deformidades nas costelas e outros ossos, baixa estatura, fraqueza muscular e aumento do risco de retardo psicomotor.

  • Risco de cárie aumenta: Embora a relação ainda não esteja clara, existem vários estudos que mostram que há mais cáries quando os níveis de vitamina D são mais baixos.

  • Risco de envolvimento no desenvolvimento: A deficiência de vitamina D da gestante tem sido associada a um risco aumentado de o bebê ter dificuldades no desenvolvimento da linguagem.

  • Também aumenta a risco de doença pulmonar, como bronquiolite e asma.

  • Com baixos níveis de vitamina D também o risco de doenças cardiovasculares é aumentado.

Tratamento com déficit de vitamina D

Em caso de déficit de vitamina D, o tratamento será baseado na administração de suplementos, mas sempre sob a recomendação e controle do pediatra, já que pertencem ao grupo de vitaminas lipossolúveis, podem se acumular no organismo e gerar uma imagem do envenenamento por vitamina D.

Vitamina D e ferro em bebês e crianças: quando é necessário suplementar e por quê?

A Associação Espanhola de Pediatria recomenda que crianças com mais de um ano ou adolescentes com má nutrição, dietas vegetarianas ou doenças crônicas ou tratamentos que alterem a síntese de vitamina D, recebam suplementos.

Também é recomendado em crianças e adolescentes com pele escura (origem africana, caribenha e sul-asiática) ou com pouca exposição ao sol (modo de vida, costumes de vestir, latitude, altitude, poluição ambiental …).

E no caso de bebês que amamentam, e como comentamos acima, a suplementação é sempre necessária abaixo do primeiro ano

Em resumo, uma dieta variada e equilibrada, combinada à atividade física frequente ao ar livre, deve ser suficiente para as crianças manterem níveis adequados de vitamina D, sendo necessária suplementação nos casos de risco destacados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *