Miss Cantine

Dar alimentos sólidos ao seu bebê mais cedo não ajudará você a dormir melhor

Novas pesquisas garantem que dar aos bebês alimentos sólidos com apenas três meses os ajudará a dormir melhor. Embora possa parecer tentador para todos os pais exaustos, infelizmente existe uma boa distância entre as manchetes e a realidade.

A maioria dos dados publicados nesta área demonstra o contrário: o que um bebê come não influencia a qualidade do sono. Em 2015, pudemos verificar que nem a mama, nem o leite em pó, nem o momento em que os alimentos sólidos são introduzidos, nem a quantidade de alimentos sólidos consumidos afeta o número de vezes que os bebês de seis a 12 meses acordam durante o sono

Outro estudo mostrou que a prática usual de adicionar cereais de arroz à garrafa antes de dormir (algo que deve ser evitado, pois pode haver risco de asfixia) não afeta o sono aos quatro meses. Enquanto um terceiro estudo descobriu que a introdução precoce de alimentos sólidos estava relacionada à menos Eu sonho aos 12 meses.

Este estudo recente é um excelente exemplo de como as diferenças significativas no nível estatístico e as diferenças no mundo real podem estar a quilômetros de distância. Os próprios autores afirmam que não houve diferenças na interrupção do sono até os cinco meses de idade, apesar de um dos grupos de bebês começar a consumir alimentos sólidos aos três meses.

Os bebês do grupo que começa a comer alimentos sólidos mais cedo podem ter dormido mais tecnicamente, mas é sobre uma média de apenas mais sete minutos por noite. No auge (seis meses de idade), a diferença era de 16 minutos e a maioria dos bebês Ele continuava acordando uma ou duas vezes todas as noites independentemente do que eles tinham comido. Dado que esses dados são baseados em informações de pais com falta de sono (dados que muitas vezes não correspondem à realidade) não podem ser tomados como base para alterar as práticas alimentares dos pequenos.

Não há razão fisiológica para a introdução precoce de alimentos sólidos ajudar o bebê a dormir melhor. Para iniciantes, os bebês (após as primeiras semanas) não acordam à noite porque estão com fome. Como os adultos, eles acordam porque estão com frio, desconfortáveis ​​ou apenas querem conforto. A diferença é que eles nem sempre podem se acalmar e adormecer novamente.

Segundo, mesmo que estivessem com fome, a solução mais sensata seria oferecer-lhes mais leite, pois isso lhes proporcionaria mais energia, gordura e proteína do que qualquer outro alimento que um bebê possa consumir. O objetivo do estudo do qual esses dados foram obtidos não era aumentar o consumo total de energia, mas testar se a introdução de alimentos alergênicos em três ou seis meses afeta o desenvolvimento de alergias (algo que não era o caso).

Os pais foram aconselhados a administrar quantidades muito pequenas de alimentos alergênicos (como ovo, 25g de peixe e 100g de iogurte durante uma semana, apenas algumas colheres de sopa por dia) junto com arroz, cereais, frutas e legumes. Todos esses alimentos têm menos calorias que o leite materno ou em pó, mas ocupam mais espaço, o que significa que os bebês podem comer um pouco menos à medida que se acostumam com a amamentação, uma possível explicação para a falta de sono aos seis meses. desde que o grupo padrão se acostumou à comida.

Sono constante

Menos da metade dos pais do grupo que introduziu alimentos sólidos anteriormente seguiu o protocolo. Havia várias razões, mas um dos problemas mais importantes da introdução precoce de alimentos sólidos é que os bebês simplesmente não são preparados fisiologicamente. Aos três meses, a maioria só consegue controlar bem a cabeça e nem consegue sentar-se adequadamente. Nessa idade, os bebês ainda têm um reflexo de náusea que os leva a expulsar alimentos da boca e a introdução precoce de sólidos pode ser complicada, lenta e desmoralizante, pois os bebês simplesmente não estão prontos para comer sólidos tão cedo.

A ciência mostra que Quanto mais cedo o desmame ocorrer, mais tempo levará o bebê a comer algo além de alguns sabores. Um estudo descobriu que, se os bebês recebiam alimentos sólidos antes de quatro meses, em média, levavam seis semanas para ingerir apenas 100 ml de comida por dia, enquanto no desmame ocorria apenas seis meses (recomendado) Eles precisaram de 12 dias.

Recomendações para a introdução de alimentos sólidos aos seis meses eles têm sua razão de ser. Não há déficit de crescimento ou desnutrição se você esperar até seis meses antes de introduzir alimentos sólidos, mas há uma aumento do risco de doenças gastrointestinais e respiratórias em bebês que começam a comer alimentos sólidos antes dos seis meses.

A introdução de alimentos sólidos muito cedo pode levar a uma redução no consumo de leite materno (e os anticorpos que ele contém), à introdução de contaminantes e causar dificuldades digestivas porque os bebês não desenvolvem todas as enzimas necessárias para digerir adequadamente todos os alimentos sólidos até que tem entre quatro e seis meses.

Também devemos ter em mente que os bebês que participaram do estudo pertenciam a um grupo muito específico: quase todos foram amamentados até seis meses (97%, em comparação com a média de apenas 34% no Reino Unido. A ciência mostra que a introdução de alimentos sólidos durante a amamentação ainda é importante para reduzir o desenvolvimento de alergias, mas muitas vezes a introdução precoce de alimentos sólidos aumenta o risco de amamentação.

Você precisa ter muito cuidado ao generalizar esses dados. Vale a pena introduzir alimentos sólidos na dieta mais cedo, com todos os riscos envolvidos, apenas para dormir mais alguns minutos todas as noites? Acho que devemos nos perguntar por que os pais têm um sonho tão ruim e procurar maneiras de ajudá-los.

Traduzido por Silvestre Urbón.

Autor: Amy Brown, Professor de Saúde Pública Infantil, Universidade de Swansea.

Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation. Você pode ler o artigo original aqui.

Em bebês e mais | O AEP diz sim (pela primeira vez) ao BLW em suas recomendações para alimentação complementar: Meu bebê começa a comer sólidos: como saber se ela corre o risco de alergias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *