Miss Cantine

“A gravidez dos unicórnios”, o projeto de uma mãe que transforma a verdadeira maternidade em poesia

Poucas experiências podem ser equiparadas a se tornar mãe. A partir da notícia de saber que um bebê está a caminho, a transformação experimentada durante a gravidez e a grande mudança de vida que ocorre quando as crianças chegam, é uma aventura como nenhuma outra.

É por isso que uma escritora-mãe decidiu expressar sua experiência com a maternidade através de pequenos poemas, no qual ele captura os sentimentos de milhares de mães e os compartilha em um projeto intitulado “A gravidez dos unicórnios”. Conversamos com ela e falamos um pouco sobre sua perspectiva sobre a maternidade como mãe e escritora.

O nome dela é Laura Torné, ela tem 35 anos e é mãe de um menino de 17 meses, a quem costuma chamar de “La Bebestia” e é a protagonista indiscutível de seu projeto. Ela é escritora e trabalha em uma agência de publicidade, embora nos diga que essa poesia é algo que ela já possuía desde criança:

A primeira poesia que escrevi foi com 7 anos. E ficou no fundo, porque eu sei de cor! Uma ode ao desgosto. Eu assisti muitas novelas com minha avó, acho que elas foram minha fonte de inspiração.

Como muitas mulheres, quando se tornou mãe, Laura percebeu que ainda há muitas coisas que não nos dizem e que a maternidade não é realmente o rosa que há muito nos atrai. É quando ele decide recorrer à escrita, como catarse, para expressar seu sentimento sobre o que estava acontecendo com ele:

Quando engravidei e descobri que nada estava como eu esperava, vomitei toda a minha raiva, decepção e medo na forma de poemas. E no pós-parto aconteceu o mesmo comigo, então continuei escrevendo. Não era uma ideia preconcebida, simplesmente emergia como auto-ajuda.

Quando reuni vários poemas, pensei que seria bom compartilhá-los com o mundo, com outras mulheres, mães, famílias e decidi abrir uma conta no instagram: @elembarazodelosunicornios. E meu marido, Martino Pannofino, que é designer gráfico, foi incentivado a ilustrá-los para dar a ele um toque de humor e cor. Então, acabou sendo um projeto familiar, onde todos contribuímos com nosso grão de areia.

O nome de seu projeto salta muito, principalmente por causa do ar de fantasia que ele dá ao usar uma criatura mitológica como protagonista. Laura nos explica por que a escolha desse nome e como ele se relaciona em se tornar mãe:

Sou muito fã de unicórnios e do mundo mágico que os rodeia. E, precisamente, a idéia de gravidez parece estar envolvida no mesmo mundo feliz, ideal e brilli-brilli. Então fiz uma reflexão: o que aconteceria se os unicórnios engravidassem? Exatamente a mesma coisa que aconteceu comigo. Que eles iriam encarar a realidade e descobrir outra maternidade animal e muito mais grosseira.

Em seus poemas, podemos encontrar vários temas e situações em que vivemos como mães, alguns com toque humorístico, como os momentos em que desejamos ficar sozinhos, mas acabamos sentindo falta dos nossos filhos:

E também, quando amamentamos e tirar o tit torna-se algo tão usual, que fazemos em qualquer lugar:

Laura também dedica alguns desses pequenos poemas a questões mais sensíveis, como perda gestacional:

E também, de algo que muitas mulheres têm em comum depois de se tornarem mães: o sentimento de culpa por saber se estamos fazendo as coisas certas ou erradas com nossos filhos.

Laura nos diz que, além de desabafar e continuar alimentando sua paixão pela escrita, procura falar mais sobre aqueles momentos e situações da “verdadeira maternidade” que nem sempre vemos:

Minha paixão é escrever, então me divirto muito quando faço isso, mas acima de tudo, meu objetivo é dizer a verdade sobre a verdadeira maternidade. Deixe que outras mães saibam que não estão sozinhas, que nada é fácil, que acontece com muitas de nós, que essa maternidade não é tão rosa quanto é pintada.

Perguntei-lhe se havia um problema específico da maternidade que ele teve problemas para escrever, porque, como sabemos, existem estágios que podem ser muito complicados, como o pós-parto:

Nos primeiros dias após o parto, depois de um tempo senti certa rejeição por meu filho. Não entendi o que estava acontecendo comigo e só queria chorar, dormir ou tê-lo longe. E quando comecei a escrever sobre esse assunto, embora já tivesse deixado o pós-parto aterrorizante e aquele sentimento devastador para trás, a memória retornou a mim sob a forma de luto. E doeu. É triste não poder desfrutar, como outras pessoas ao seu redor, de um momento tão bonito quanto a chegada de uma criança.

Em geral, Laura é uma mãe como todas, que gosta de maternidade todos os dias, mas também encontra centenas de dúvidas, medos e medos, embora no final tudo corra bem, graças à nossa principal motivação, nossos filhos:

Eu acho que ser mãe é a coisa mais difícil de ser mãe. Ninguém o prepara para isso, não importa o quanto você leia, frequente aulas pré-pagas ou se sinta super fisicamente e mentalmente. E fácil, não há nada. Toda coisa nova é um desafio. Até querer loucamente é difícil no começo, quando você está dolorido, sem sono e com hormônios malucos. Que pena … Agora eu quero muito!

Por fim, pedimos a ele que compartilhasse alguns conselhos ou comentários para outras mães que o liam e se sentiam identificados com as experiências de maternidade que ele capta em seus poemas:

Como eu sempre digo, nada é tão rosa quanto pintam, mas não tão preto quanto parece. Porque tudo acontece e momentos incríveis chegam. A maternidade deixa você louco, de um jeito ruim e também de um jeito bom, porque ser mãe é uma loucura maravilhosa. E se eles lerem isso e não acreditarem, de vez em quando, palavra. Aqui um que passou pela mesma coisa e eu estou vivo e feliz.

Você pode ler mais de os poemas sobre maternidade que Laura escreve (e compartilhe sua história) em sua conta do Instagram: A Gravidez dos Unicórnios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *