Miss Cantine

Eles desabilitam um pediatra que ligou vacinas ao autismo e aconselharam crianças e mulheres grávidas a não serem vacinadas

É incrível que, apesar das pesquisas científicas em todo o mundo e do grande número de estudos que reafirmam a segurança das vacinas repetidas vezes, ainda haja pessoas que pensam que causam autismo. Mas a estupefação é maior se por trás dessa falsa afirmação houver um pediatra.

Por isso, ficamos tão surpresos ao ouvir o caso de um pediatra que supostamente aconselhou a vacinação de crianças, mulheres grávidas e pessoas com autismo, porque vincular vacinas ao aparecimento de distúrbios do espectro do autismo (ASD). O ilustre Colégio Oficial de Médicos de Madri desativou abriu um arquivo disciplinar.

Ele apresentou suas opiniões na mídia

Foi a Confederação do Autismo Espanha que deu o voz de alarme em agosto de 2018, detectando que um pediatra ativo foi dedicado a promover tratamentos pseudocientíficos enquanto vinculava o autismo às vacinas.

Dada a seriedade dos fatos, a Autismo España decidiu realizar um grande dossiê informativo que seria transferido para o Ilustre Colégio Oficial de Médicos de Madri, onde estavam expostos os diferentes aspectos daqueles que haviam sido registrados:

  • O exposição a meios de tese completamente inapropriados sobre vacinação e seu efeito sobre a origem do TEA e a realização explícita de recomendações sobre a não vacinação de crianças, pessoas com autismo e mulheres grávidas.

  • O divulgação de teses não endossadas e ao contrário da evidência sobre a origem e as causas do TEA.

  • O disseminação de tratamentos e intervenções sem evidência total e com riscos significativos para a saúde das pessoas.

Após receber as informações, o Ilustre Colégio Oficial de Médicos de Madri sancionou o pediatra com 364 dias de suspensão da prática profissional, e abriu um arquivo disciplinar, ao considerar os fatos como uma ofensa grave.

Segundo o Ilustre Colégio Oficial de Médicos de Madri, o pediatra violaria os artigos do Código de Deontologia Médica que apresentamos abaixo:

  • 21.1: O médico tem o dever de dar a todos os pacientes uma cuidados médicos de qualidade humana e científica.

  • 23.1: O médico deve ter liberdade de prescrição, respeitando a evidência científica e as indicações autorizadas, que lhe permitem atuar de forma independente e garantir qualidade.

  • 25.2: O médico deve oferecer conselhos leais e competentes ao paciente para que ele assuma suas responsabilidades em matéria de saúde, incluindo higiene e promoção de atividades preventivas de valor comprovado. Ele irá informá-lo do risco que certos hábitos podem significar para sua saúde.

  • 25.3: A promoção de atividades preventivas somente é deontologicamente correta quando elas têm um valor científico comprovado.

  • 26.1: O médico deve preferencialmente usar procedimentos e prescrever medicamentos cuja eficácia foi cientificamente comprovada.

  • 65.3: A publicidade médica deve ser objetiva, prudente e verdadeira, para que não crie falsas esperanças nem espalhe conceitos infundados. O médico pode se comunicar com a imprensa e outros meios de comunicação não direcionados aos médicos, informações sobre suas atividades profissionais

As vacinas são seguras e não produzem autismo

Ao longo dos anos, as evidências científicas mostraram que as vacinas são seguras e salvam milhões de vidas anualmente, por isso é essencial disseminar informações verdadeiras e comprovadas sobre elas.

No que diz respeito ao autismo, muito se tem dito sobre a alegada ligação entre vacinas e TEA. A teoria falsa surgiu em 1998, após um estudo do médico britânico Andrew Wakefiedl e publicado no The Lancet. Com o tempo, foi descoberto que as informações foram manipuladas, então Wakefield foi expulso pela British General Medical College e a revista excluiu sua publicação.

Um eurodeputado galego questiona a segurança das vacinas e quem realmente conhece, responde

Desde então, foram realizadas muitas investigações em relação a esse problema. E atualmente, a comunidade científica e médica internacional afirma por unanimidade que não há evidências relacionadas à vacinação com autismo.

Um estudo subsequente, realizado em 2015 para 95.000 crianças com irmãos autistas, determinou que, mesmo nesses casos em que há um risco maior devido ao fator genético, é possível estabelecer uma relação entre vacinação e autismo.

Mas, apesar das evidências científicas, ainda existem aqueles que, incompreensivelmente, mantêm essas falsas crenças, semeando dúvidas entre pais e filhos. colocando a vida de seus filhos não vacinados em sério risco e o de outras crianças que, por razões médicas justificadas, não podem ser vacinadas.

A Amazônia e as principais redes sociais decidiram unir seus esforços para combater a desinformação em torno das vacinas, na tentativa de conter o terrível e perigoso flagelo dos movimentos anti-vacinais.

A Academia Americana de Pediatria pede ao Facebook, Google e Pinterest para interromper a disseminação de publicações anti-vacinas

Mas sempre há um caminho a percorrer, por isso é importante continuar calando aqueles que espalham boatos sobre a segurança das vacinas, contrastando suas palavras com informações verdadeiras e científicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *