Miss Cantine

A primeira menstruação: como conversar com sua filha sobre o período dela

Para nossas mães, possivelmente ninguém falou sobre isso. Muitos de nós também. Mas a chegada do menstruação (e as mudanças que o acompanham) não devem ser um assunto tabu para nossas filhas. Fale sobre a regra, do período, é algo que podemos e devemos fazer para estabelecer um relacionamento saudável com seu corpo.

Tradicionalmente, a aparência do menarca (primeira regra) significava para a família (graças ao modelo social) que a menina havia acabado de “se tornar mulher”. E o que isso implica? Bem, eu poderia engravidar. Para isso, reduzimos toda a história. Era isso que importava e permanecia.

E como eram meninas, e a questão do sexo ou a mencionar, porque não se falava da regra! Pudor, “é coisa de mulher”, “não é tão ruim” são algumas das idéias levantadas pela questão. Felizmente já estamos entendendo que da regra que você tem que falar, porque é importante.

Perder o assunto ou não abordá-lo naturalmente lança uma mensagem clara para nossas filhas: seu corpo e o que acontece nele é algo sobre o qual você não deve falar, é algo sobre o qual não falamos.

Que vergonha, tabu … são essas as emoções que queremos que você sinta pelo seu corpo? Não verdade? A menstruação é algo que acontece com todas as mulheres, algo com que vivemos até a menopausa, devemos conversar sobre isso e fazê-lo da maneira mais natural possível.

Sobre o que falar

A idéia (terror para alguns) de nossa filha iniciá-la vida sexual ativa e com isso começar a se expor a gravidez não desejadas Geralmente é o TEMA que vem à mente quando, inicialmente, pensamos na regra.

Mas menstruação é muito mais do que a porta para uma possível gravidezOu, é muito, muito mais. Sua filha está passando por uma série de brutais mudanças físicas, emocionais e cognitivas: quase da noite para o dia ela amamentará, outro dia terá quadris, outra se sentirá incompreendida e não saberá por que …

Está entrando na adolescência e seu mundo está mudandoOu, o palco da garota está atrasado e agora começa um estágio muito complexo, o de saber quem eu sou, o de forjar minha identidade.

E parte dessa identidade é que ela é uma mulher, ela tem órgãos genitais femininos e uma vez por mês ela terá menstruação, e isso não é simplesmente sangrar e escolher o método para não manchar a calcinha.

Ter a regra significa viver mudanças hormonais e emocionais, ter dores e síndrome pré-menstrual (ou não, ou algumas vezes com dor e outras não, às vezes ficando triste e outras vezes etc.), vendo como seu corpo muda de acordo com dias do mês (inchaço no peito e barriga, etc.) … Não é um pouco, não.

Quando e como falar sobre isso?

Como na questão da sexualidade (educação afetivo-sexual, especificamente), a resposta para a questão de quando conversar com minha filha sobre isso é: desde o primeiro minuto. Sim, desde a infância, desde antes de eu tê-la.

Não é que você precise sentar a garota com dois anos e dizer “temos que lhe dizer uma coisa”, não está tendo uma conversa. Trata-se de integrar a realidade que é o corpo da mulher e as coisas que acontecem no seu dia a dia, como parte de sua educação.

Você tem medo da chegada da “conversa” de sexo com seu filho adolescente? Calma, você não precisa ter isso como pensa

Quando são pequenas, a melhor maneira de transmitir informações sobre ela (conscientemente) é com o nosso exemplo: não se escondendo essa mãe tem a regra, explicando o que são compressas, tampões e xícaras, aproveitando alguns desses momentos para dizer a ela que ela também o terá quando for mais velha …

Se eles sabem que a mãe tem menstruação de vez em quando e já lhe dissemos que ela também a terá, no dia em que ela tiver seu primeiro período, ela não a viverá como algo desconhecido do que ela não sabe o que fazer, mas como algo esperado e natural. Pode até ser algo que o deixa animado: podemos torná-lo bonito.

Se transformamos uma queda de dente em um evento, por que não conversamos e adotamos uma mudança tão natural quanto a menstruação?

Quando você pergunta, o que você pergunta, tampão na mão, o que é isso (as crianças e sua curiosidade sobre as gavetas do banheiro), devemos responder com total tranquilidade e sinceridade: é algo que a mãe usa quando está menstruada, que é que ela sangra por aqui de vez em quando.

Deve-se explicar, sim, que esse sangramento não é negativo, não é uma doença, que nada de ruim acontece conosco (se não o dissermos, eles podem pensar que é ruim e não é a mensagem que queremos transmitir).

Você pode diga a ele quando você teve seu primeiro período, com que idade, como era e o que você gostaria … As experiências dos pais são uma fonte valiosa de aprendizado para as crianças, porque isso é feito com (e com) empatia.

Também é importante estabelecermos uma estrutura de confiança com ela a esse respeito, para que ela sinta que pode nos perguntar suas dúvidas, seus medos etc.

E sim, o pai também pode falar sobre a regra, não é apenas coisa de mãe.

Que informação devemos transmitir?

  • É algo natural Isso faz parte de ser mulher.
  • Como é ter a regra: o que é, quais mudanças você notará …
  • Que opções você tem: tampão, copo, compressa …
  • Higiene: Se nossas avós tivessem dito que nada para tomar banho enquanto seguiam a regra, deveríamos explicar o oposto de nossas filhas, incutindo nelas a importância de uma boa higiene genital.
  • Síndrome pré-menstrual.
  • O que mudanças corporais Você pode começar a apreciar (peito, quadris, cabelos, etc.).

Devemos falar sobre gravidez? Sim, é claro, mas não por medo ou ameaça, não um “agora você deve ter cuidado”, mas como parte da explicação sobre o que seu corpo é, o que acontece nele e como ele funciona. Existe algo mais maravilhoso? Vamos ensiná-los a amar e valorizá-lo, por favor.

Copo menstrual: como explicar seu uso à sua filha pela primeira vez

As crianças também são informadas sobre a regra

Ao longo deste artigo, falei sobre como resolver o problema com nossas filhas, mas pelos mesmos motivos, pelos mesmos motivos, devemos conversar sobre o assunto e normalizá-lo completamente com nossos filhos.

Não porque ele não tenha vagina, útero e ovários, uma criança não deve saber e entender como algo normal que acontece com sua mãe, irmã, amigo, prima, professora … e no futuro para seus parceiros (em se ele é heterossexual), filha …

Como eu disse antes, normalizá-lo em casa é a melhor maneira de começar a transmitir essa mensagem de naturalidade, então mães, não esconda que você tem a regra. Se seu filho entrar no banheiro (o que já sabemos que ele faz, todo mundo, certo?) Quando você estiver trocando a compressa, a xícara ou o tampão, não o expulse como se estivesse protegido de algo terrível.

Deixe-me ver o que você faz ou aproveite a oportunidade para explicar o que são essas coisas e por que as usamos. E se você não se sentir confortável, diga a ele também, explique que nesses momentos a “mamãe” prefere a intimidade. Este é também um aprendizado valioso para eles: os limites pessoais de cada um, o direito de dizer não …

Tudo o que é dito para as meninas, ao explicar e discutir o assunto, é aplicável aos meninos.

A regra, o menstruaçãoNão é sujo, não é ruim, é NORMAL e, como tal, temos que vivê-lo e transmiti-lo, tanto para nossas filhas quanto para nossos filhos. Para eles, pelo seu auto-estima, por sua auto-imagem, por seus relacionamentos, para desfrutar, aprender e crescer sem os tabus e preconceitos com os quais outras gerações cresceram.

Como ensinar seu filho qual é o amor pelo bem, o que o fará feliz

Fotos: Pixabay.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *