Miss Cantine

Os números falam: corresponsabilidade no cuidado dos filhos entre pais e mães, ainda longe

O projeto de pesquisa interuniversitária ‘Promoção do equilíbrio entre trabalho e família das empresas’, realizado pela Universidade Nacional de Educação a Distância (UNED), estudou durante os anos de 2015 a 2018 as condições familiares e comerciais que permitem que os homens se envolvam em O cuidado de seus filhos.

Entre suas conclusões: ainda existem diferenças importantes nas autorizações de trabalho para os pais, como férias e redução do horário de trabalho, embora os valores para O uso de licença-maternidade e paternidade remunerada é muito semelhante entre homens e mulheres.

O estudo, financiado pelo Ministério da Economia e Competitividade e dirigido pela professora do Departamento de Sociologia, Teresa Jurado Guerrero, faz parte do projeto nacional e interuniversitário Implica.

Segundo o estudo, as diferenças na reconciliação de gênero são maiores quando há danos trabalhistas e econômicos para os pais, o que significa que as mulheres estão mais dispostas a priorizar o cuidado de seus filhos em detrimento da projeção no trabalho.

  • 80% dos pais fazem uso de licença remunerada de paternidade.

  • Apenas 4,1% dos homens, em comparação com 25% das mães, decidem se beneficiar da redução do horário de trabalho para o cuidado de uma criança com idade superior a 12 anos.

  • Apenas 0,4% dos pais com filhos menores de 8 anos solicitam licença temporária em comparação com 11% das mães.

  • 50% das mães e 46% dos pais fazem uso do horário flexível na entrada e saída do trabalho, muito semelhante.

  • Apenas 3,5% dos pais e mães optam pelo teletrabalho como medida de conciliação.

Razões para os homens não se reconciliarem

De acordo com as conclusões do estudo:

  • As próprias empresas geralmente não favorecem a aplicação das medidas necessárias para alcançar a conciliação.

  • A relutância dos pais envolvidos em não se beneficiar de férias não remuneradas ou redução do horário de trabalho por medo de serem penalizados.

  • Uma atitude tácita que prioriza ganhar pão em vez de cuidar, e a maioria dos pais está menos disposta a perder renda em comparação com as mulheres.

É por isso que os pais estão muito mais dispostos a usar a licença de paternidade, uma vez que ela é paga integralmente, pois dessa maneira seu papel como provedor não é questionado e a pena de trabalho é evitada.

  • Mas eles enviam outros papéis mais complexos, como o modelo ideal de trabalhador que ainda prevalece nas culturas organizacionais e com papéis de gênero, de acordo com as conclusões do estudo, uma vez que apenas 12% dos homens que não aceitaram o A redução do horário de trabalho foi por razões econômicas.

Objetivo: alcançar uma responsabilidade conjunta.

A extensão da licença de paternidade para cinco semanas influenciou positivamente seu uso, diz a diretora do Centro de Estudos de Gênero da UNED, Teresa San Segundo.

Mas ele acrescenta que a decisão do Tribunal Constitucional de sentenciar que a diferença temporária em relação à maternidade não é discriminatória “Não contribui para o progresso em direção à igualdade”.

Trabalho confirma que a licença de paternidade será de oito semanas em 2019

“Tradicionalmente, as mulheres têm se dedicado à criação dos filhos. No entanto, agora a igualdade é reconhecida constitucionalmente e até começa a ser rigorosamente aplicada em alguns momentos, por exemplo, em casos de divórcio ou separação em relação à guarda compartilhada, moradia etc. Esse aspecto que pode ser considerado positivo esconde uma realidade injusta, pois aplica o princípio da igualdade sobre uma situação de desigualdade na qual as mulheres desistiram muito mais do que os homens durante a vida como casal ”.

Essa é uma das conclusões de San Segundo, que defende a igualdade na licença de maternidade e paternidade, mas ressalta que, para que sejam eficazes na consecução da corresponsabilidade entre mulheres e homens:

“Eles não devem ser compatíveis a tempo, exceto nos primeiros momentos após o nascimento, desde que sejam nascidos solteiros. A permissão inicial deve ser para a mulher – proteger sua saúde e se recuperar – e depois para o pai ou a mãe.” segundo pai, para que o vínculo com ele seja fortalecido. ”

O governo quer conciliar licença de maternidade e paternidade e universalizar a educação de zero a três anos

Medidas para facilitar a corresponsabilidade

De acordo com o programa Implica, ao qual este estudo pertence:

  • As empresas devem facilitar o envolvimento dos homens nos cuidados, dando-lhes mais tempo para cuidar.

  • O Estado deve regular o horário de trabalho, horários, teletrabalho e licença parental para favorecer a responsabilidade conjunta.

  • Homens e mulheres precisam conciliar emprego e vida pessoal.

  • As políticas públicas devem oferecer renda, benefícios e serviços mínimos, para que as famílias possam conciliar emprego e vida pessoal de maneira a garantir o bem-estar da criança.

O que está claro, olha para onde você olha, é que ainda há um longo caminho para alcançar a corresponsabilidade de pais e mães no cuidado de crianças, e os resultados deste estudo reforçam essa realidade.

Espero que o governo cumpra suas promessas e Licença de paternidade de 16 semanas, como licença de maternidade, é uma realidade para todos os pais, e não apenas no País Basco ou para funcionários.

Os pais do País Basco terão uma licença de paternidade de 16 semanas a partir do outono de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *