Miss Cantine

Menos casos de bullying em 2017, embora mais graves e frequentes: conscientizando sobre esse terrível flagelo

A Fundação ANAR acaba de publicar os dados de seu III Estudo sobre bullying e cyberbullying, de acordo com os afetados, realizado em conjunto com a Fundação Mutua Madrileña, e com base nos testemunhos e sentimentos dos meninos e meninas que sofrem bullying. Os dados continuam alarmantes, embora Em 2017, o número de casos caiu significativamente em relação ao ano anterior, eles aumentaram em frequência e gravidade.

O bullying é um questão muito séria que requer o envolvimento e a colaboração de todos para erradicá-la. Não há necessidade de olhar para o outro lado, porque para quem sofre, as consequências podem ser devastadoras, tanto física quanto psicologicamente.

Menos casos de bullying e maior conscientização …

O estudo lança dois dados encorajadores:

  • Por um lado, um redução notável no número de casos registrados em 2017 em relação a 2016. Especificamente, 809 ligações relacionadas ao bullying, que resultaram em 590 casos, foram atendidas no telefone da ANAR. Esses números estão longe dos registrados em 2016, quando foram contabilizadas 1.728 ligações, resultando em 1.207 casos.

  • Por outro lado, uma maior consciência social foi apreciada, bem como um maior envolvimento de professores e administrações públicas. Isso se deve às múltiplas campanhas informativas e preventivas realizadas há muito tempo, e que pouco a pouco estão entrando na consciência dos cidadãos em geral e dos estudantes em particular.

… mas episódios mais frequentes e graves

Contudo, e apesar do número de casos parecer ter diminuído, uma preocupante tendência ascendente na gravidade da violência e na frequência da violência, que levou 13% das vítimas a mudar de escola devido ao assédio sofrido.

Para avaliar a gravidade da situação detectada, a Fundação ANAR estudou objetivamente como a vida da vítima é modificada ou afetada, bem como os danos emocionais e físicos que ela está sofrendo. E nesse sentido, foi detectado que 97% das vítimas de bullying sofrem episódios de gravidade média e alta.

Quanto ao tipo de agressões, as verbais, o isolamento a que a vítima está sujeita e as leves agressões físicas (empurrando, tremendo …) aumentaram acentuadamente em 2017 em relação ao que foi registrado no ano anterior. E mais ou menos o mesmo número de casos de fortes agressões físicas (chutes, socos …), sexualidade, espalhar boatos e roubo ou quebra de pertences continuam.

Com relação à duração do bullying, mais de 35% das vítimas afirmam que episódios de violência tornaram-se mais frequentes, e em mais da metade dos casos, o assédio dura mais de um ano e tem uma frequência diária.

Além disso, os casos em que o assédio é praticado por praticamente toda a classe (14,4%) foram duplicados, embora na maioria dos casos (49,4%) a violência seja exercida entre duas e cinco pessoas.

Um em cada quatro casos de assédio é o cyberbullying

O cyberbullying é responsável por quase 25% do total de casos de bullying, com insultos e ameaças sendo sua forma mais comum. Os dados obtidos pela ANAR revelam que o envio do WhatsApp pelo celular é a forma mais comum de assédio.

O perfil do tipo de vítima de cyberbullying não sofreu grandes variações em relação a outros anos, sendo o meninas com idade média de 13,5 anos que sofrem mais. Por outro lado, o bullying tem uma incidência maior entre os meninos, e geralmente ocorre entre os alunos com idade média de 10 anos.

O papel do meio ambiente

Como dissemos no início, o relatório da ANAR mostra que o ambiente da vítima está cada vez mais consciente da realidade que sofre, e com relação à atitude dos professores, a avaliação é muito mais positiva do que nos anos anteriores.

Quase 85% dos professores sabem sobre bullying em relação a um de seus alunos e em 51% dos casos reagir sem rodeios, conversando com o perseguidor, entrando em contato com as famílias da vítima e do agressor ou tomando outra série de medidas punitivas.

No entanto, o estudo também alerta para um fato preocupante e ainda existe um número alto de crianças que sofrem bullying ou cyberbullying que não informam aos pais (31%), por isso é essencial continuar Trabalhando confiança e comunicação com nossos filhos.

Bullying e cyberbullying não é coisa de criança

As crianças que sofrem bullying apresentam, entre outros sintomas: depressão, ansiedade, medo, isolamento e baixo desempenho escolar. Também é comum encontrar sentimentos de raiva, baixa auto-estima e distúrbios do sono.

Acredita-se que o apoio expresso à vítima e a força na ação contra o agressor possam estar por trás da diminuição da incidência de tentativas de agressão e suicídio por parte da vítima, embora da Fundação ANAR enfatizem que esses números não são para momento significativo, e continuar focando no 94% das crianças vítimas de bullying que sofrem de problemas psicológicos.

Como vimos situações de assédio desde tenra idade, é importante agir com força desde o início, porque o bullying e o cyberbullying não são crianças. E embora cada vez mais famílias e escolas estejam envolvidas na prevenção e detecção precoce, o relatório da ANAR mostra que ainda há um longo caminho a percorrer.

Os pais também têm uma responsabilidade muito importante: impedir que o assédio moral continue, educando nossos filhos em empatia, amor e respeito e fornecendo-lhes ferramentas que lhes permitam evitar serem vítimas de assédio moral.

Por seu lado, pedem à Fundação ANAR nossa colaboração para solicitar ao governo e às administrações públicas que processem urgentemente uma Lei abrangente contra a violência contra crianças e adolescentes que proteja os menores contra todos os tipos de violência, incluindo assédio moral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *