Miss Cantine

Meu filho é muito tímido, devo me preocupar?

Geralmente associamos timidez a um problema ou falta. Tendemos a pensar que as crianças devem ser abertas e participativas … o tempo todo. Geralmente pensamos que, se nosso filho não é “a vida da festa”, algo acontece com ele. Mas timidez nem sempre é algo para se preocupar. Então, quando devemos agir? Quando devemos nos preocupar com a timidez de nosso filho? Timidez é o mesmo que introversão?

Timidez vs. introversão

O que é realmente ser tímido? A timidez é entendida como um desconforto gerado pela interação social diante do medo da avaliação ou de um sentimento de incompetência social (sem saber como lidar com si mesmo). No caso das crianças, acrescentamos o medo do desconhecido juntamente com o fato de que as habilidades e ferramentas sociais ainda estão em desenvolvimento.

A timidez é considerada um traço de personalidade e é independente da intensidade da situação: ou seja, alguém tímido é duas pessoas ou duzentas. O que muda é a manifestação dessa timidez. Por outro lado, cada pessoa tímida é do seu próprio jeito: há uma para quem o terror está falando em público e para quem o pior é ter uma conversa cara a cara com alguém sozinho.

Ser introvertido É algo diferente disso. Um introvertido não precisa mostrar ansiedade ou preocupação especial com as interações sociais. Uma pessoa introvertida é caracterizada por preferir ter um espaço individual e individual mais amplo, por não precisar de um certo número de relações sociais. Portanto, não, ser tímido não é o mesmo que ser introvertido.

Quando a timidez não é um problema?

Você está em casa e chega uma visita, alguém em quem confia. Seu filho, que até então estava brincando tão silenciosamente, se esconde atrás de você diante da exigência daquela pessoa de beijá-lo (ou se deixar beijar). Por um longo tempo, o pequeno não parece confortável com a presença dessa pessoa e mostra retraído.

Isso é absolutamente usual e não, nada de ruim acontece com a criança. Antes de estranhos, é normal e adaptável que eles se sintam um pouco inseguros e prefiram estar em segundo plano.

Não faz sentido forçar a criança a interagir, é melhor permitir que ele ganhe confiança gradualmente, diminua seus medos, desenvolva sua capacidade de ferramentas de avaliação e socialização.

Também é comum as crianças um pouco mais velhas às vezes evitarem participar da aula por vergonha, geralmente têm medo de se envolver em novas atividades ou de “cosita” se apresentarem a novos amigos.

Quando devemos (pré) lidar com a timidez de nosso filho?

Há momentos em que a timidez é tal que impede um desenvolvimento social correto da criança ou gera tal mal-estar e sofrimento Sim, devemos agir. Falamos de uma timidez mais extrema que tem consequências negativas para a criança, conseqüências que, por sua vez, reforçam a timidez, entrando em um ciclo negativo.

  • Problemas de auto-estima
  • Dificuldade de adaptação (para escola, ambiente …)
  • Dificuldade de regulação emocional
  • Altos níveis de ansiedade (em certas situações ou pessoas, ansiedade de avaliação, ansiedade de execução …)
  • Inibição comportamental (pare de executar certas atividades)
  • Prevenção (locais, atividades, pessoas … como festas, atividades extracurriculares, etc.)

Em resumo, devemos nos preocupar (e tomar cuidado) se a timidez da criança faz com que ela se sinta mal, se ela começa a ter uma impacto em suas relações sociais (amiguinhos), no seu desempenho escolar ou no seu humor. Às vezes, timidez excessiva pode levar à ansiedade.

Nesses casos, o mais aconselhável é, obviamente, procurar um profissional para nos ajudar e aconselhar, para que nosso filho deixe o desconforto para trás.

Ser tímido nem sempre é negativo

Numa sociedade em que medimos o sucesso pela “pose” que adotamos nas redes sociais, por imagem e popularidade, a timidez parece ser uma desvantagem. De fato, há muito tempo, e ainda hoje em vários países, a timidez é tratada como uma patologia médica. Mas É realmente necessário “mudar” essas crianças?

Não, não seria, seria como tentar fazer com que uma criança que gosta de jogos mais tranquilos e de ler mudasse seus hobbies por jogos puramente físicos. Que sentido isso faria? O que há de errado em preferir ler em vez de pular?

A timidez é uma característica e, desde que não gere desconforto significativo para a criança, nada de ruim acontece com ela. Como pais, o que devemos fazer é respeitar o caráter de nossos filhos e, é claro, nunca forçá-los a interagir ou demonstrar afeto com outras pessoas contra sua vontade.

Alguns autores apontam que a timidez tem até suas vantagens: está relacionada a uma maior capacidade de observação, com menos impulsividade …

E se, à medida que crescem, forem crianças cada vez mais tímidas e embaraçosas?

O que podemos fazer em casa?

Em termos gerais, o conselho é tentar tirá-los da zona de conforto, mas sem forçar, gradualmente fazendo-os enfrentar aquelas situações em que não se sentem à vontade. Enfrentar, em vez de evitar, é a chave para superar as dificuldades. Também podemos:

  • Não os superproteja, eles precisam enfrentar as coisas por si mesmos (dentro da razão, não se trata de deixá-los sozinhos diante do perigo): um estudo realizado por várias universidades americanas e canadenses determinou que a superproteção desempenha um papel decisivo no desenvolvimento e manutenção de inibição comportamental e ansiedade em crianças.
  • Sirva-o como apoio, não como escudo: fique ao lado dele em situações sociais que o incomodam, mas incentive-o a explorar por conta própria. Pouco a pouco, à medida que se sentir confortável, afaste-se do lado deles.
  • Não preveja: Às vezes, os pais antecipam situações complicadas e começamos a “impedir” a criança e a enviar mensagens como “nada vai acontecer” ou “você deve ficar calmo”. O que essas mensagens realmente estão dizendo ao pequeno é que a situação é realmente perigosa ou negativa. Nós os alertamos e os ativamos sem perceber.
  • Reforços suas tentativas e avanços, tanto verbalmente (sendo muito específicos: “quão bom você brincou sozinho com o amiguinho, você se divertiu, certo?) e com sinais de carinho (as crianças respondem muito bem a abraços, porque eles servem como reforço, bem como uma fonte de calma).
  • Seja um bom modelo: Seu filho está aprendendo habilidades e ferramentas sociais e será de você de quem ele extrai grande parte da informação. Se você quer que seja seguro e supere a timidez, mostre-se seguro em suas interações sociais.
  • Não o ridicularize, não fale sobre a timidez dele em tom de zombaria na frente dos outros.
  • Ajude-o expresse suas emoções a esse respeito e corrija as idéias negativas que você tem sobre si mesmo ou sobre a situação social em questão (“é que isso me assusta”, “é que os outros não vão querer brincar comigo”).

Há muito mais tímido do que pensamos. Muitas crianças mostram timidez e nada acontece, absolutamente nada: pouco a pouco eles desenvolverão suas habilidades e conhecerão o mundo e as regras sociais e acabarão se adaptando (e adaptando-os). Mas se essa timidez os leva a se sentir realmente mal, se os vemos sofrer, é melhor procurar ajuda.

Fotos: Pixabay.com

Em bebês e mais: nove benefícios para as crianças que contribuem para a interpretação do estudo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *