Miss Cantine

Mitos e verdades sobre a proteção solar em crianças

O verão está se aproximando de degraus gigantes e com ele vem o lazer em família ao ar livre e a fuga ocasional para a praia ou a montanha.

Portanto, antes das aberturas das piscinas darem o início oficial da temporada de verão, explicamos o que deve ser levado em consideração para que as crianças se beneficiem dos benefícios do sol, mas bem protegidas.

A Dra. Elena de las Heras, dermatologista do Hospital Ramón y Cajal, especialista em melanomas da pele e membro das Sociedades de Dermatologia da Espanha, Alemanha, Europa e Sociedade Internacional de Dermatoscopia, quebra alguns mitos que circulam em em torno da proteção solar e nos alerta para outras medidas que devem ser tomadas.

O sol é prejudicial para as crianças. SIM E NÃO

Nem tudo é preto ou branco. “Não demonize, mas tome algumas precauções”, diz o especialista. Banhos de sol em pequenas doses:

  • Melhora o seu humor. É o melhor antidepressivo, também em crianças e adolescentes.

  • Tem um efeito calmante. A luz solar induz a síntese de opióides endógenos, fato que se traduz em bem-estar e tranquilidade.

  • Cerca de 15 minutos por dia de exposição ao sol são suficientes para sintetizar a vitamina D, essencial para fixar o cálcio nos ossos.

  • Regula o sistema defensivo. A dermatite atópica e outros distúrbios da pele, como psoríase ou acne, melhoram quando expostos ao sol.

No entanto, um excesso de tempo ao sol e sem proteção pode:

  • Causar queimaduras solares (eritema).
  • Problemas oculares
  • Fotodermatite, como erupção solar benigna, que afeta 10% dos adultos.
  • Fotoenvelhecimento.
  • Manchas na pele, como cloasma na gravidez ou vitiligo.
  • Herpes labial.
  • Câncer de pele.

E, como garante o dermatologista, aproximadamente 80% da exposição solar à qual estamos expostos durante nossa vida ocorre nos primeiros 20 anos. Portanto, é na infância que devemos cuidar de nós mesmos.

Os bebês não podem estar ao sol. VERDADEIRO

Segundo o dermatologista, todos temos que evitar a exposição prolongada ao sol para sempre e ainda mais entre 11 e 17 horas, principalmente no caso de crianças menores de três anos.

Além disso, ele acrescenta que Bebês com menos de seis meses nunca devem ser expostos ao sol, pois queimam e desidratam facilmente.

Isso implica que você deve evitar levá-los à praia ou à piscina e, se estiverem, sempre à sombra e protegidos com protetor solar, óculos e roupas limpas.

Além disso, conforme explicado pelo Plano Nacional de ‘Ações preventivas dos efeitos do excesso de temperatura na saúde 2018’, do Ministério da Saúde, “Crianças menores de cinco anos e especialmente crianças menores de um ano são um dos grupos populacionais mais sensíveis às mudanças de temperatura” e, portanto, sofrer um golpe de calor.

Sua menor reserva de água e transpiração e um sistema respiratório em desenvolvimento os tornam mais vulneráveis ​​ao superaquecimento excessivo do corpo, que impede o funcionamento adequado dos órgãos vitais. Essa situação de risco aparece quando a criança é exposta a “situações com alta umidade e temperatura, sem proteção ou hidratação adequada”.

Cremes solares protegem contra a radiação solar. SIM E NÃO

A radiação solar é a transferência de energia pelas ondas eletromagnéticas do sol que emite um amplo espectro de radiação, dos raios gama aos comprimentos de onda longos, infravermelhos. Alguma radiação solar afeta a pele, como a radiação UV:

  • A radiação UVB prolonga o bronzeado e é parcialmente atenuada pela camada de ozônio.É necessário que o corpo sintetize a vitamina D e facilite a formação de melanina, um pigmento presente nas células da pele que ajuda a prolongar o bronzeado. Mas também é a principal causa de queimaduras solares, lesões oculares e melanoma.

  • A radiação UVA é mais perigosa porque não causa dor e penetra mais profundamente na pele, onde produz radicais livres e altera as células. Acelera o envelhecimento da pele e pode causar intolerância ao sol, geralmente conhecida como alergia ao sol e doenças pigmentares (melasma, manchas).

  • A radiação UVC é muito prejudicial, mas é absorvida pela camada de ozônio.

Os fotoprotetores nos protegem da radiação UVB e UVA, e provavelmente também da radiação infravermelha, embora seus efeitos ainda estejam sendo estudados. Verifique se essa proteção dupla aparece na etiqueta especificada.

Cremes solares pediátricos são diferentes. VERDADEIRO

A pele das crianças é muito mais sensível que a dos adultos, por isso queima e desidrata com mais facilidade, pois ainda não está suficientemente fortalecida.

Desta forma, os cremes para o sol das crianças são mais adaptados às suas necessidades. Portanto, é mais apropriado protegê-los com um específico para eles, embora os adultos possam usá-los, porque também funciona para nós.

Entre as diferenças:

  • Eles usam menos ou nenhum perfume.

  • Sua consistência é mais densa e eles têm um tom esbranquiçado. A causa? Eles incluem uma porcentagem maior de filtros físicos, enquanto sites adultos usam uma proporção maior de filtros orgânicos. Mesmo assim, cada vez que apresentam uma textura mais semelhante e fácil de espalhar, como a dos idosos.

  • Eles geralmente são mais resistentes à água.

  • Eles não carregam álcool, porque pelo menos até os quinze anos, a pele ainda não se desenvolveu completamente.

Crianças de pele marrom não precisam de proteção. FALSO

Quantas vezes ouvimos dizer que ‘como tenho pele escura, não preciso de proteção’ ou ‘obtenho menos fator solar porque, caso contrário, não fico marrom’? As duas afirmações estão totalmente erradas e ainda mais graves no caso de crianças.

“O bronzeado não protege do sol, mas é um mecanismo de defesa contra ele, um sintoma que está danificando a pele”.

É o que afirma Elena de las Heras, que acrescenta que:

“Ser morena estava ligada décadas atrás a um status de bem-estar. No entanto, a medicina diz o contrário: a pele reage aos danos causados ​​pelo sol, produzindo melanina, bronzeamento e isso desencadeia uma série de processos cumulativos que acabam afetando a saúde das pessoas. a pele”.

Por esse motivo, é essencial usar sempre um protetor, com filtro maior ou menor, dependendo do tipo de pele. O fator de proteção solar (FPS) indica o tempo durante o qual um filtro solar aumenta a capacidade de defesa natural da pele antes da queima, contra UVB. Ou seja, um SPF 30, por exemplo, faz com que a pele demore 30 vezes mais para ficar avermelhada do que se nenhuma proteção fosse aplicada.

Isso significa que as pessoas com fototipos I e II (a pele mais clara) demoram muito mais para se bronzear e também precisam de mais proteção para evitar danificar sua derme.

Mesmo assim, em caso de dúvida, a proteção máxima é recomendada para crianças e explica que: “A Europa colocou o limite de FPS em 50, porque foi observado que acima desse fator não é alcançada maior absorção de raios ultravioleta”.

Você apenas tem que proteger a pele no inverno. FALSO

Ultravioleta A radiação é invisível aos nossos olhos, mas eles estão presentes o ano todo e danificam nossa pele. Portanto, é essencial que protejamos a pele e a de nossos filhos sempre, mesmo no inverno, na sombra ou em dias nublados.

Você deve colocar o creme meia hora antes da exposição ao sol. FALSO

Uma investigação da Universidade de Málaga, publicada na revista da Academia Europeia de Dermatologia, acabou com essa crença, demonstrando que os filtros solares são eficazes na pele dentro de cinco minutos após sua aplicação.

Portanto, o importante é se proteger assim que estivermos ao sol, não importa se saímos de casa com o creme ou esperamos na praia. Talvez no caso das crianças seja mais confortável aplicá-lo em casa, pois uma vez perto da água, teremos que persegui-las para derramar o creme.

Um único aplicativo não é suficiente. VERDADEIRO

Não há regras sobre a frequência com que reaplicar o protetor. Depende do tipo de pele e da atividade realizada pela criança.

Isso é explicado pelo médico de Las Heras, que recomenda devolvê-lo a cada 2-3 horas (no caso de adultos) e a cada hora, se forem crianças, ou ainda mais frequentemente, dependendo dos banhos ou do possível atrito causado pelas roupas.

Além disso, ele acrescenta que “Embora hoje os filtros solares sejam cada vez mais resistentes à água, é aconselhável continuar aplicando-o após um banho prolongado ou após cada banho, no caso de crianças”.

Sete chaves para proteger os ouvidos das crianças no verão

O protetor pode ser reutilizado de ano para ano. FALSO

Muitos de nós fazem isso, especialmente porque “É triste jogar um creme tão caro” e isso é quase inteiro. Mas não temos consciência de que ela não protegerá mais nossa pele, muito menos a de nossos filhos.

Como explica o dermatologista, uma vez que o recipiente é aberto, ele deve ser usado antes do ano, pois o calor ao qual são expostos na praia ou na piscina degrada seus ingredientes e faz com que perca sua eficácia.

Aftersun é outra loção hidratante. FALSO

Mesmo se você aplicar protetor solar, sol, água do mar ou cloro, eles desidratam a nossa pele e a das crianças e até causam queimaduras e vermelhidão, picadas e aperto.

A função das loções pós-sol é exatamente para acalmar e regenerar a pele após a exposição ao sol:

  • Hidrata e nutre a pele.

  • Atualiza e alivia a picada e o calor causados ​​pela radiação solar.

  • Evita os sinais de fotoenvelhecimento e mantém a pele mais jovem.

  • Prolonga o bronzeado e o torna mais uniforme.

Você tem que proteger seus olhos. VERDADEIRO

Muito poucos de nós estão cientes dos efeitos nocivos dos raios solares nos olhos das crianças: eles podem causar alterações agudas da córnea, lesões degenerativas e queimaduras agudas na retina, bem como patologias severas, como catarata ou degeneração macular associada a idade

Os bebês devem usar óculos de sol

Portanto, assim como nos preocupamos em proteger sua pele, também devemos garantir seus olhos e garantir que você sempre use óculos escuros de bebês, pois as lentes em tenra idade ainda não se desenvolveram completamente e deixam entrar a luz.

De fato, antes do primeiro ano de vida, ele deixa 90% da radiação UVA e 50% da UVB, atingindo a retina diretamente, o que pode causar danos a curto e longo prazo.

Portanto, sempre que o sol brilhar, proteja-o com óculos e chapéu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *