Miss Cantine

Crianças descalças, mais inteligentes (e acima de tudo, mais felizes)

Há algum tempo, já lhe explicamos quais eram as possíveis razões para as crianças tirarem os sapatos com tanta frequência. Apesar disso, os pais muitas vezes insistimos em calçar seus sapatos, mesmo quando não precisam deles, porque não andam.

Sabíamos o quão confortáveis ​​e felizes as crianças estão explorando seus pés descalços. Agora, um estudo indica que o hábito de adaptar prematuramente bebês e crianças pode afetar negativamente seu desenvolvimento e que, pelo contrário, As crianças descalças desenvolvem melhor sua inteligência:

Atualmente, existe uma tendência a caber cedo às crianças. Existem sapatos chamados calçados para preandantes e calçados para engatinhar. Este artigo tem como objetivo oferecer argumentos científicos que justifiquem a necessidade de deixar os pés descalços de bebês que não andam.

Como método, foram utilizadas a análise e leitura crítica de diferentes fontes bibliográficas em relação ao desenvolvimento psicomotor da criança, tratados de neurologia e as principais teorias sobre o desenvolvimento da inteligência na criança. Descobrimos que o movimento físico do bebê e a estimulação sensorial através dos pés descalços é fator de aceleração da maturação, do desenvolvimento proprioceptivo e intelectual da criança.

Assim começa o estudo, intitulado “Podologia preventiva: crianças descalças iguais a crianças mais inteligentes“, Elaborado por Isabel Gentil García, professora da Escola Universitária de Enfermagem, Fisioterapia e Podologia da Universidade Complutense de Madri.

Nele, criticam-se a profusão de publicidade e comércio de calçados para os “preandantes”, bem como a recomendação pediátrica excessiva ao uso de bebês. Para ele, esse ato só deve ser necessário para proteger os pés e, como demonstração, oferece argumentos científicos que justificam a necessidade de deixar os pés de bebês que não andam descalços, por meio de uma abordagem interdisciplinar.

Por que os pés do bebê são tão importantes

Do ponto de vista do desenvolvimento neurológico e da sensibilidade tátil, os pés do recém-nascido têm uma sensibilidade muito mais fina que a da mão até oito ou nove meses.

Portanto, nos primeiros meses os pés têm uma função essencial: Informar o mundo exterior ao bebê, que toca com eles tudo o que tem à sua disposição, manipula-os com as mãos e leva-os à boca, onde as terminações nervosas sensíveis são maiores. A partir desta idade, o pé perde gradualmente esse tipo de sensibilidade.

O fato de mudar continuamente os bebês que não andam os priva de informações táteis e da percepção da posição e do movimento dos pés em relação ao espaço, que desempenham um papel importante no sistema nervoso central. Portanto, para o amadurecimento das habilidades motoras, é necessário o desenvolvimento da coordenação visual manual e a aquisição dessas informações táteis e perceptivas.

O estudo também se baseia nos estágios Piaget de desenvolvimento da inteligência, com foco no primeiro, no estágio sensomotor (desde o nascimento até dois anos), quando a manipulação, o movimento e o aprendizado da organização hábil são importantes informação sensorial. A primeira noção de eu, espaço, tempo e a idéia de causalidade são adquiridas.

Sem dúvida, os pés, como receptores privilegiados, eles contribuiriam para um melhor desenvolvimento da inteligência do bebê, e isso ocorre porque a inteligência é desenvolvida por:

  • A maturação do sistema nervoso, é a capacidade de diferenciar e discriminar cada vez mais um número maior de estímulos e tem a ver com a diferenciação das células nervosas.
  • A experiência de interação com o mundo físico, é manipulação, manipulação de objetos. Significa saber como os objetos funcionam, manipulando-os. O desenvolvimento da inteligência não seria possível sem essa manipulação, pois a maturação do sistema nervoso não é independente da experiência. Ao lado das mãos e da boca, os pés também desempenham um papel fundamental.
  • A necessidade de aprender. A mente humana tende ao equilíbrio cognitivo. Toda vez que há um estímulo externo que não entendemos, tendemos a entender. O sistema cognitivo tende a procurar novas informações para reequilibrar, portanto, o interesse em aprender tem a ver com encontrar estruturas de conhecimento cada vez mais complexas e estáveis.

Para a aula sem sapatos! Crianças descalças aprendem mais e melhor

Além de Piaget, a autora concentra-se em outros autores para demonstrar sua teoria e, no final, todos concordam que o desenvolvimento é o resultado de uma interação complexa entre o meio ambiente e o organismo e que um dos fatores ambientais mais envolvidos em seu desenvolvimento É o próprio corpo e seu autoconhecimento.

Uma das imagens mais engraçadas que descobrimos sobre o bebê há cerca de três meses é que ele olha e toca as mãos e os pés com curiosidade. Comece a descobrir seu corpo e os sapatos diminuem bastante a sensibilidade, movimento… De seis a sete meses, os bebês geralmente põem os pés na boca nesse processo de autoconhecimento e trazem novas sensações e experiências motoras que contribuem para o desenvolvimento de sua inteligência.

Além disso, apoiar os pés descalços em todos os tipos de superfícies, também irregulares, contribui para o desenvolvimento muscular. Calçado chamado preandante ou calçado para engatinhar evita sensações, também adiciona peso excessivo aos pés, impedindo-os de se moverem livremente. Tudo isso explica por que as crianças, quando têm mais controle sobre o corpo, tiram os sapatos continuamente.

Algumas meias valeriam a pena para que não sentissem frio, embora se os bebês usem os pés na boca não sejam convenientes e ainda aprendam muito rapidamente a tirá-las também. E, como disse há muito tempo, considero que os sapatos de bebê são muito bons, mas não muito úteis, minhas filhas realmente os levaram pouco, também pelo preço: são provavelmente as roupas mais caras em relação ao tamanho.

Em suma, o estudo conclui que vestir os pequenos quando eles ainda não sabem andar pode prejudicar seu desenvolvimento, e que esses sapatos “pré-elementares” não têm justificativa. Parece um novo motivo para deixar as crianças, se não estiver frio, andar descalço em casa, embora tenha sido o suficiente para ver o quanto elas estavam confortáveis ​​e felizes explorando os pés, não acha?

Mais informações | Revistas médicas Complutense

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *