Miss Cantine

Para muitas mulheres, controlar sua fertilidade por meio de aplicações pode ser um turbilhão de emoções

Você já usou algum aplicativo móvel para quantificar alguns de seus dados pessoais, como dieta, exercício ou ciclo menstrual? A possibilidade de controlar todos esses dados o motivou e fez você se sentir bem ou estressou e tornou-se frustrante?

Com o surgimento de quantificadores pessoais na forma de aplicações e wearables, há muitas pessoas que interagem cada vez mais com seus dados relacionados à saúde. De acordo com uma pesquisa do American Pew Research Center em 2012, 69% dos adultos americanos usaram algum tipo de quantificador para gerenciar sua saúde ou a de um ente querido.

Meus colegas e eu estamos investigando um tipo de quantificação de dados complexos e emocionais: fertilidade. Focamos especificamente na maneira como as mulheres usam as tecnologias de quantificação de dados pessoais para melhorar seus esforços ao tentar conceber. Os problemas de fertilidade não são incomuns: nos Estados Unidos, 7,5 milhões de mulheres sofrem de problemas de fertilidade e há muitos que usam esse tipo de aplicação, embora o impacto que possam ter sobre seus vive

Nossa pesquisa mostra como as mulheres são expostas a vários problemas ao quantificar sua própria fertilidade e como elas reagem aos dados de diferentes maneiras: para alguns, a experiência é positiva, enquanto outros se sentem sobrecarregados ou desistem. derrotado

Diferentes maneiras de usar os dados

O principal objetivo da quantificação da fertilidade é determinar o dia da ovulação, pois é o que define o período de fertilidade de cada mês. No entanto, não existe uma medida única que possa identificar com precisão o horário da ovulação; portanto, as mulheres inserem dados de vários indicadores (como temperatura corporal, sintomas físicos ou resultados de kits de previsão da ovulação) para chegar a uma estimativa desse período. Os aplicativos de fertilidade visam facilitar a coleta desse tipo de dados e analisá-los.

Optamos por analisar primeiro os dados de um fórum on-line de fertilidade, a fim de focar nas dúvidas das mulheres, bem como em seus desafios e preocupações. Analisamos 400 threads com mais de 1900 entradas entre 2006 e 2016. Em nossos resultados, publicados em novembro, categorizamos as experiências das mulheres de acordo com seus dados em cinco tipos diferentes.

1. Positivo

As mulheres que tiveram uma atitude positiva em relação aos dados se sentiram bem ao ver os resultados. Em muitas ocasiões, eles estão em um processo de aprendizado para quantificar e entender como seus corpos funcionam, o que os faz sentir-se animados e confiantes. Por exemplo, uma mulher escreveu: “Você acha que devo fazer o teste novamente amanhã e nos próximos dois dias? Isso é emocionante!”

2. Oprimido

As mulheres desse grupo tendiam a aumentar a quantidade de dados coletados ao longo do tempo, de modo que a quantificação se tornou um pouco tediosa. Essas mulheres apresentaram maior nível de estresse e ansiedade em comparação ao primeiro tipo. No entanto, eles ainda achavam que a experiência de controlar os dados era positiva.

Por exemplo, uma mulher sentiu-se sobrecarregada porque não foi capaz de seguir a precisão de seus horários: “Medo minha temperatura às 5:30 da manhã. Nos últimos 2 dias, fiquei exausta e adormeci. Ontem Eu medi minha temperatura até as 6:30 e hoje fiz às 6:50. Você acha que estraguei meu gráfico de temperatura corporal? “

Teste de ovulação: o que você deve saber e prós e contras dos monitores de fertilidade

3. Obsessivo

Para as mulheres desse grupo, o controle dos dados começa a ser obsessivo e eles tendem a quantificar ainda mais dados do que o tipo sobrecarregado, geralmente incluindo qualquer tipo de sintoma em suas medidas. Nesse sentido, eles parecem ser consumidos pelos dados, muitas vezes registrando-os em excesso e até expressando níveis mais altos de frustração e estresse. No entanto, eles continuam acreditando na quantificação e são incapazes de ceder: “Estou procurando qualquer pequeno inconveniente ou irregularidade que me dê esperança … Você sabe como isso está acontecendo”.

4. Apanhado

Este é o tipo mais intenso de comportamento em um nível emocional. Mulheres com esse tipo de relação com os dados tendem a demorar um pouco para tentar engravidar e geralmente expressam sinais de desespero, culpa e dependência. Eles querem parar de quantificar seus dados, mas se sentem incapazes, como no caso de uma mulher que escreveu: “Quero parar de fazê-lo imediatamente, mas acho que não consigo esquecer tudo isso. Sério, não acho que posso fazer meu cérebro” Pare de pensar ‘hoje é o décimo dia do meu ciclo, eu deveria fazer sexo, etc.’ “

5. Abandono

Em alguns casos, a quantificação se torna emocionalmente complicada e a frustração causada por resultados negativos é tão devastadora que as mulheres decidem parar de quantificar seus dados e até parar de tentar engravidar, temporária ou permanentemente. Como uma mulher escreveu: “No entanto, depois de todo o estresse, preocupações constantes, medir a temperatura, fazer sexo no momento certo, visitas ao médico, exames de sangue e medicamentos, eu simplesmente decidi que precisava de um descanso”.

Um possível ciclo de feedback

Escusado será dizer que os problemas de fertilidade são experiências emocionais e estressantes negativas que não surgem simplesmente do uso de aplicativos de quantificação de dados pessoais.

Infertilidade, uma doença que afeta tanto fisicamente quanto psicologicamente

No entanto, nossa pesquisa sugere que a quantificação de dados pode intensificar essas sensações devido a algumas das características específicas do rastreamento de dados de fertilidade. Para iniciantes, os ciclos de fertilidade são muito diferentes em cada mulher e as medições não são precisas: podem ser subjetivas ou difíceis de interpretar e não são indicadores diretos de ovulação. Por exemplo, os kits de previsão de ovulação indicam que a ovulação ocorrerá entre as próximas 12 e 36 horas, embora a temperatura corporal aumente após a ovulação. Além disso, o objetivo pode ser inatingível, uma vez que uma gravidez nunca pode ocorrer, apesar do rastreamento de dados pessoais.

Nessas circunstâncias, o registro de dados e experiências emocionais resultantes da interação com dados pessoais de saúde pode criar um ciclo de feedback no qual tudo é reunido. Mulheres positivas ou oprimidas podem experimentar alguns sentimentos negativos, mas o relacionamento com os dados é principalmente positivo. Nesses casos, o controle dos dados está associado a emoções positivas, como esperança e controle.

No entanto, como mostra nosso estudo, os outros três tipos de interação com os dados mostram que existem relações mais problemáticas. Para mulheres do tipo obsessivo, as medidas e as atividades de quantificação dominam suas respostas emocionais, diferentemente das mulheres presas, onde o componente emocional é mais intenso e domina suas atividades de quantificação.

Finalmente, as mulheres com um tipo de interação de abandono chegaram a um ponto em que o relacionamento com os dados é tão negativo que é insustentável.

Melhores ferramentas

Através de nosso trabalho, esperamos contribuir com o design de tecnologias de quantificação para ajudar as pessoas a gerenciar sua saúde, evitando um impacto negativo em suas vidas. Parte do problema está na compreensão das emoções e comportamentos individuais ao registrar e seguir dados pessoais.

Esse tipo de pesquisa mostra que as mesmas ferramentas e atividades podem gerar consequências quase opostas para pessoas diferentes, algo que vai além da fertilidade. Por exemplo, aplicativos de dieta e exercício podem ajudar as pessoas a melhorar seus hábitos de saúde, mas também podem contribuir para a criação de experiências problemáticas em pessoas com distúrbios alimentares.

Com isso, podemos dizer que é importante destacar as diferentes experiências individuais ao desenvolver ferramentas que possam ajudar as pessoas a melhorar.

Por exemplo, uma pessoa pode precisar de um tipo diferente de ajuda, dependendo de sua interação com os dados de saúde. No caso da fertilidade, se a interação for bastante problemática, as ferramentas podem sugerir ciclos com menos quantificação, oferecer sugestões para lidar com o estresse ou até recomendar uma pausa. As aplicações também podem destacar a variabilidade da fertilidade; discuta as características e os problemas dos diferentes sistemas de previsão e evite apresentar a gravidez como a única maneira de obter sucesso.

De qualquer forma, nosso estudo mostra que os dados não são neutros: eles podem ter fortes implicações morais e emocionais, especialmente em contextos delicados. À medida que mais e mais pessoas quantificam suas atividades diárias, os criadores de aplicativos devem considerar como isso pode afetar as informações que eles fornecem aos usuários sobre emoções e bem-estar.

Autores: Mayara Costa Figueiredo. Doutoranda em ciência da computação, Universidade da Califórnia, Irvine. Yunan Chen Professor Associado de Informática, Universidade da Califórnia, Irvine.

Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation. Você pode ler o artigo original aqui.

Traduzido por Silvestre Urbón

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *