Miss Cantine

Síndrome do bebê esquecido: por que alguns pais esquecem seus filhos no carro (e por que isso pode acontecer com você também)

São notícias trágicas que nos deixam sem palavras e que Infelizmente, continuam a acontecer todos os anos: bebês e crianças pequenas morrem quando deixados dentro do carro. Na maioria dos casos, isso geralmente acontece devido ao esquecimento dos pais, que horas depois descobrem horrorizados o terrível erro que cometeram.

Ao ler esta notícia, muitas pessoas reagem criteriosamente e pensam “isso nunca aconteceria comigo“, mas na realidade, Isso tem um nome: Síndrome do Bebê Esquecido, e é algo que pode acontecer com todos nós, mesmo para os pais mais amorosos, organizados e responsáveis.

Quem esquece o filho no carro?

Eu nunca poderia esquecer meu filho no carro“, “Que tipo de pai esquece que ele leva seu filho com ele?“, “Eu amo meu filho demais para cometer um erro como esse“, “Pessoas que esquecem seus filhos no carro não devem tê-los“, “Uma criança nunca pode esquecer, isso é inaceitável e injustificável“.

Você é são algumas das reações que muitas pessoas têm quando, infelizmente, reaparece uma história em que sabemos que um bebê ou criança morreu após ser esquecido trancado no carro por seus pais.

Não é difícil entender esse tipo de reação negativa e julgadora: a notícia é forte, trágica, lamentável e dolorosa. A posição de muitas pessoas é pensar impulsivamente e sem parar para pensar por um momento nas possíveis circunstâncias que tiveram que acontecer para que esse infortúnio ocorresse. Em algum momento cheguei a pensar, mas sem julgar: “Como é possível que algo assim aconteça? Espero que nunca aconteça comigo …

No entanto, o que as pessoas que rapidamente garantem que nunca conheceriam não sabem e que julgam e condenam os pais que passaram por isso é que isso pode acontecer com todos nós. Sim, mesmo aqueles que têm tanta certeza de que nunca na vida seriam capazes de esquecer seus filhos.

Infelizmente, por mais organizados, amáveis, responsáveis, comprometidos, dedicados, dedicados e disciplinados, somos como pais, absolutamente ninguém está isento disso acontecer com eleE a razão é mais simples do que parece: somos humanos e nossa mente não é 100% perfeita ou infalível.

A ciência explica: a mente humana não é perfeita

David Diamond, doutor em filosofia e professor de psicologia na Universidade do sul da Flórida, Ele passou 15 anos estudando os motivos por trás desse trágico esquecimento que resultaram na morte de bebês e crianças pequenas. Durante esse tempo, Ele conduziu sua pesquisa a partir das perspectivas neurobiológica e cognitiva com base em sua experiência como neurocientista comportamental.

Mas sua pesquisa não se limitou apenas a estudar minuciosamente o comportamento do cérebro, o que explica por que isso acontece. Também Ele revisou os relatórios policiais e entrevistou os pais envolvidos nesses terríveis incidentes., e até serviu como testemunha especializada em casos civis e criminais.

‘Síndrome do bebê esquecido’ não é um problema de negligência, mas um problema de memória. A resposta mais comum é que apenas pais ruins ou negligentes esquecem seus filhos no carro. É uma questão de circunstâncias. Isso poderia acontecer com qualquer um“, explica David em Consumer Reports.

Não é um problema de negligência ou maus pais, mas de nossa memória, que pode falhar com todos nós. Isso é resumido em um princípio muito simples: se você consegue esquecer o telefone, também pode potencialmente esquecer o seu filho.

Em um artigo sobre sua pesquisa do ponto de vista cognitivo e neurobiológico, David compartilha a hipótese que desenvolveu para explicar por que esse fenômeno ocorre. De acordo com suas pesquisas e estudos, As crianças são esquecidas no carro pelos seguintes motivos:

  1. O motorista perde a consciência da presença da criança no carro
  2. O motorista mostra uma falha no sistema de “memória prospectiva” do cérebro
  3. Eventos participam durante a jornada, incluindo estressores e distrações fortes, o que poderia contribuir para a causa de falha na memória em potencial, uma competição entre os sistemas “hábito” e “memória em potencial”.

De acordo com a pesquisa de David e com base em seus estudos do cérebro e da memória, ele concluiu que em todos os casos de pais que esqueceram seus filhos dentro do carro, houve uma falha no sistema de memória prospectiva do cérebro. Ou seja, sua capacidade ou compromisso como pais não tinham nada a ver com esses trágicos eventos.

Nos casos em que os pais esquecem seus filhos no carro, David explica que o problema surge quando duas partes da memória estão envolvidas: prospectiva e semântica. A memória em perspectiva é aquela que nos ajuda a lembrar de fazer algo no futuro, como uma ação planejada ou algo que devemos fazer em um determinado momento.

A memória semântica é a que nos lembra automaticamente dados ou informações específicas, e é isso que permite que os motoristas façam a viagem do trabalho para sua casa no modo “piloto automático”, onde chegam em casa sem lembrar detalhes claros ou específicos de como chegaram lá.

Quando fazemos uma mudança em nossa rotina, memória prospectiva e memória semântica trabalham juntas para nos ajudar com isso. Um exemplo dessas mudanças pode ser quando um dos pais deve levar o bebê ao berçário naquele dia ou quando precisamos chegar ao mercado a caminho de casa.

Nunca deixe uma criança no carro ao sol, mesmo que não esteja quente: em 30 minutos a temperatura interior dobra

Porém, Quando estamos distraídos ou estressados, uma dessas memórias falha e pode haver implicações catastróficas. Alguns exemplos que David menciona são situações em que etapas críticas de segurança foram negligenciadas, como quando um cirurgião deixa uma ferramenta médica dentro de um paciente, um piloto que esqueceu de executar uma etapa no momento do pouso ou quando os pais esquecem que Eles estavam carregando um bebê no carro.

A memória semântica, ou sistema de hábitos cerebrais, é muito conveniente, pois nos permite fazer as coisas no modo piloto automático. A beleza disso é que não precisamos nos lembrar de todos os aspectos de nossa jornada, mas o problema é que essa memória está realmente guiando nosso comportamento. Quando guia nosso comportamento, suprime outras partes do cérebro que devem nos lembrar de informações adicionais.“explica David.”Temos que aceitar o fato de que nosso cérebro realiza várias tarefas ao mesmo tempo. E como parte disso, é que a consciência de que carregamos um filho pode ser perdida“.

“Temos que aceitar que a memória humana é falha. Isso inclui quando pais amorosos e atenciosos perdem a consciência de seus filhos quando estão dentro de um carro”.

Após as centenas de casos que ele estudou desde o início da investigação, Davis explica que encontrou alguns fatores que geralmente ocorrem quando um pai esquece o filho no carro: mudanças na rotina, estresse e privação do sono.

Na maioria dos casos em que crianças morrem dentro de carros, uma mudança incomum na rotina ocorreu, em que um dos pais, que não costumava levar a criança para a escola ou creche, teve que fazer esse dia por algum motivo.

Devido a que o cérebro reconhece a rotina diária, o pai pode inconscientemente dirigir direto para o trabalho, esquecendo completamente que ele estava levando o filho no carro. A menos que houvesse um sinal que o lembrasse, como ver um objeto do bebê ou ouvi-lo, o cérebro do pai continuaria no modo de piloto automático e poderia até criar a falsa memória de que seu filho está seguro no berçário.

No ímã
Esqueça um filho no banco de trás do carro até sua morte. Crime ou acidente?

Conflitos entre memória semântica e memória prospectiva são normais.“David explica. E, na realidade, esses conflitos são algo que pode acontecer com qualquer pessoa todos os dias, não apenas pais ou cuidadores. É o que acontece quando esquecemos que devemos chegar ao mercado a caminho de casa porque ficamos sem leite ou quando de repente percebemos que estamos a caminho do trabalho, quando, na verdade, devemos ir a uma consulta médica que não faz parte da rotina diariamente

Embora isso possa ocorrer em situações normais, a pesquisa de David descobriu que estresse adicional, grandes distrações e falta de sono são fatores externos que aumentam a possibilidade dessa falha de memóriae, infelizmente, nesses casos, terminou em situações trágicas.

Ninguém é perfeito, todos podemos acontecer

Eu sei. Sei que é difícil pensar que podemos esquecer nossos filhos trancados no carro. Para a maioria, aceitá-lo significaria admitir que somos maus pais ou que não estamos preparados para isso. Mas a realidade é o que Davi menciona: nosso cérebro não é perfeito e pode ter falhas.

Agora, isso não significa que isso aconteça com todos nós em algum momento. Isso significa que existe a possibilidade de que isso aconteça, embora, é claro, ninguém queira que isso aconteça. Mas a pior coisa que podemos fazer é afirmar que isso não vai acontecer conosco, porque se pensarmos que nosso cérebro é tão perfeito e especial para não cometer esses tipos de erros humanos, talvez não tomemos as precauções necessárias para nos impedir de cometê-los..

Devemos deixar claro que é algo que pode acontecer com todos nós, e por exemplo, citamos um fragmento de um extenso relatório vencedor do Prêmio Pulitzer publicado no Washington Post, no qual vários casos de pais que esqueceram seus filhos foram analisados ​​e entrevistamos David como um especialista no assunto para tentar entender por que o que aconteceu isso:

A classe alta, ao que parece, faz. E os pobres e a classe média. Pais de todas as idades e etnias fazem isso. Mães são tão propensas quanto pais a fazê-lo. Acontece com quem está cronicamente com a mente em outro lugar, e com quem é fã da ordem. Quem foi para a universidade e quem é analfabeto. Nos últimos 10 anos, isso aconteceu com um dentista. Para um funcionário dos correios. Para uma assistente social. Para um policial. Para um contador. Para um soldado. Para um advogado. Para um eletricista. Para um clérigo protestante. Para um estudante rabínico. Para uma enfermeira Para um construtor. Para o assistente de um diretor. Aconteceu com um conselheiro mental, um professor universitário e um chef. Aconteceu com um pediatra. Aconteceu com um cientista de foguetes.

Isso os torna pais ou pessoas ruins? Claro que não. Eles são simplesmente humanos, e é um erro que pode acontecer com qualquer um. Obviamente, isso não significa que vamos aceitá-lo ou vê-lo como normal ou esperado.

É simplesmente ter mais compreensão e respeito, e pare de ser tão duro e julgue os pais que tiveram que passar e sofrem com essa terrível tragédia, em que nem mesmo eles entendem como poderiam cometer esse erro.

O que podemos fazer para evitá-lo

Agora que sabemos e entendemos que existe a possibilidade de isso acontecer com todos nós, não significa que devemos ficar alarmados e assumir que isso nos acontecerá. O que devemos fazer é nos preparar para fazer todo o possível para evitar que algo assim aconteça conosco.

Em primeiro lugar, aceitar o fato de que existe a possibilidade de que isso aconteça e que alguma mudança ou fator externo, como falta de descanso ou estresse, possa influenciar nossa capacidade de lembrar. Tendo em mente que não somos imunes a isso, podemos estar mais conscientes e tomar medidas preventivas:

  • Se o seu filho frequenta uma creche ou você o deixa com uma babá, eles concordam em ligar um para o outro quando algo diferente acontece com a rotina usual: Se seu filho não comparecer naquele dia ou se atrasar, ligue para. Se a criança não chegar no horário normal, deve ligar para você.
  • Quando houver uma mudança de rotina, organize com seu parceiro e ambos colocam lembretes no seu celular ligar para o outro minutos após o horário de entrada da criança no berçário.
  • Apoie-se nos lembretes visuais: um teddy do seu filho, a mochila com as coisas dele, um sapato ou algo que você pode colocar no banco do passageiro e que funciona como um sinal para lembrá-lo.
  • Use dispositivos e aplicativos em seu celular que ajudem a lembrar de verificar o banco traseiro ou avisar se seu filho ainda está lá.
  • Coloque no banco de trás algo que você sempre carrega quando vai para o trabalho e o força a verificar as costas: a carteira, uma maleta, sua lancheira. Você pode fazer isso mesmo que normalmente não leve seu filho, e isso ajudará você a acostumar a memória semântica a verificar sempre o banco traseiro do carro.

Sete dispositivos e aplicativos que evitam o esquecimento de bebês dentro do carro

Esquecer uma criança trancada no carro é algo que nenhum pai jamais iria querer viver. Mas somos humanos e, como tal, devemos tomar medidas para impedir que mais tragédias como essas aconteçam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *