Miss Cantine

Health anuncia medidas para combater a obesidade, como a regulamentação da publicidade de alimentos voltada para crianças

Ontem foi comemorado o Dia Mundial da Obesidade, data que a Ministra da Saúde, María Luisa Carcedo, costumava anunciar um grupo de medidas para prevenir a obesidade desde a infância.

Entre as medidas a serem tomadas: Limitação da publicidade de alimentos menos saudáveis destinado a crianças menores de 15 anos, a introdução de etiquetas coloridas em alimentos e bebidas ou a introdução de critérios de qualidade nutricional no cardápio das escolas.

Obesidade, um perigo crescente

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade global quase triplicou entre 1975 e 2016. Enquanto em 1975 havia menos de 1% de crianças e adolescentes (de 5 a 19 anos) com obesidade, em 2016 foi de 124 milhões.

E os números sobem para 340 milhões se incluirmos excesso de peso na balança. Mas também antes dos quatro anos: 41 milhões de crianças já tinham esses problemas.

Nosso país está entre os que apresentam os piores índices de obesidade e sobrepeso infantil. Os dados mais recentes da Iniciativa de Monitoramento da Obesidade Infantil da OMS na Europa (COSI) mostram que os países do sul da Europa têm a maior taxa de excesso de peso em crianças. Conclui que:

Na Espanha, 40% das crianças estão acima do peso e entre 17% das meninas e 19% dos meninos são obesos.

Além disso, esta organização mundial explica que “Sobrepeso e obesidade são um acúmulo anormal ou excessivo de gordura que pode ser prejudicial à saúde” e “pode ​​ser evitado”.

Entre outros problemas, a obesidade infantil está associada a um risco aumentado de obesidade na idade adulta, diabetes, doenças cardiovasculares e articulares, câncer e problemas de saúde mental.

Propostas do governo

Como explica Vitónica, a ministra da Saúde, Luisa Carcedo, anunciou uma série de medidas para combater a obesidade durante a entrega do XI NAOS Awards (nutrição, atividade física e prevenção da obesidade). A idéia é que eles comecem a ser implementados dentro de um ano:

  • Reforma do código PAOS de auto-regulação da publicidade, para limitar a publicidade de produtos com baixo perfil nutricional que influenciam comportamentos e preferências de compra em crianças menores de 15 anos.

  • Redução de açúcares adicionados, sal e gordura saturada em 10% em cerca de 3.500 produtos. Isso será feito gradualmente, até 2020.

  • Rotulagem frontal, seguindo o modelo Nutri-Score, conhecido como “semáforo nutricional”. Indique com cores verde, âmbar ou vermelho se os diferentes nutrientes contidos nesse alimento excederem ou não as recomendações sanitárias.

  • Desenvolvimento da Lei 17/2011 sobre Segurança Alimentar, para impedir a venda de alimentos e bebidas não saudáveis ​​em escolas e institutos, bem como em hospitais, centros de saúde e administrações de saúde.

O ministro justifica a importância dessa medida porque “As crianças do nosso país passam cerca de um terço do tempo no ambiente educacional”.

Além disso, ele anunciou “um programa específico de férias escolares neste verão para evitar o risco de as crianças não acessarem uma dieta saudável e exercício físico”.

Outras iniciativas para acabar com este flagelo

Diferentes organizações e grupos vêm solicitando que sejam tomadas medidas para controlar o peso entre os pequenos.

A Organização de Consumidores e Usuários, por exemplo, pede uma regulamentação da publicidade de alimentos infantis e diferentes estudos apontam para a influência negativa de anúncios de alimentos não saudáveis ​​na saúde das crianças.

Também é solicitado o fim da venda de doces nas escolas (uma iniciativa da Andaluzia) e de açúcares mais baixos nos alimentos por lei, como já está sendo feito na Holanda.

De volta à escola sem doces ou processados: eles pedem que a publicidade que promove a obesidade infantil seja eliminada

Também o segredo do sucesso para manter um peso adequado na infância parece estar na dieta. De acordo com o estudo mais recente sobre o tema COSI, os melhores dados foram obtidos pelas crianças do norte da Europa: apenas 5-9% das crianças na Dinamarca, Noruega, Irlanda ou França ou Irlanda têm problemas de peso.

Nesses países, é onde as crianças consomem menos hambúrgueres, salsichas, pizzas, molhos ou batatas fritas industriais. Eles fazem isso apenas uma ou três vezes por semana ou nunca, e é também onde mais vegetais e frutas são consumidos.

No entanto, na Espanha (país da dieta mediterrânea), apenas 9% comem vegetais diariamente e 29% comem frutas.

No entanto, os resultados também indicam que a situação está melhorando em alguns países do Mediterrâneo, incluindo o nosso, e que, se a tendência continuar, poderemos atingir a média europeia em 2025.

Assim, às medidas anunciadas pelo Ministério da Saúde, como a redução do marketing de alimentos para crianças, teremos de acrescentar outros, como promoção da atividade física, estratégias de reformulação para limitar o açúcar ou impostos sobre alimentos não saudáveis. . Esta, pelo menos, é a opinião da minha mãe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *