Miss Cantine

Um estudo preliminar sugere que mais de duas horas na frente da tela por dia afetariam o cérebro das crianças

As manchetes ecoavam a notícia: “Duas horas na frente da tela são ruins para o cérebro das crianças”. Além do alarmista de que tal afirmação pode ser, o estudo é o primeiro a longo prazo e com uma população tão grande (várias crianças).

Os resultados, no entanto, são preliminares e ainda não foram publicados oficialmente, portanto não temos dados concretos. Isso não impediu os responsáveis ​​pelo aviso de conclusões de curto prazo. Os pesquisadores estão correndo? Ou devemos tomar cuidado especial com o tempo que nossos filhos passam na frente da tela? Vamos revisar a última coisa conhecida sobre isso.

Duas horas são suficientes para afetar o cérebro da criança?

Dr. Gaya Dowling, de Institutos Nacionais de Saúde, uma das instituições de maior prestígio em estudos médicos, disse em entrevista por “60 minutos” da CBS, sim. Para chegar a essa conclusão, possui o maior estudo de longo prazo realizado sobre esse assunto até o momento.

Especificamente, 11.000 crianças, uma década inteira e 300 milhões de dólares são os números que enquadram a pesquisa. Para dar mais valor, é preciso dizer que o estudo é pago pelo Governo Federal dos Estados Unidos, através do NIH. Inicialmente, explicou Dowling, o estudo analisou coisas como tabaco, drogas e uso de telefone celular.

Gradualmente, os pesquisadores decidiram se concentrar mais no uso das telas, uma vez que não existem estudos sólidos a esse respeito. Na investigação, os cérebros de 4.500 crianças foram analisados, usando ressonância magnética e o que encontraram, explicam, é que há uma diferença significativa entre crianças que usam muito smartphones e tablets e aquelas que não usam.

Como o Dr. Dowling explicou, em crianças entre nove e dez anos o que eles usam por dia mais de sete horas nesses dispositivos, é observado um córtex somatossensorial mais fino. Esta parte do cérebro é responsável por coordenar as informações dos sentidos. Em suas palavras, além disso, as crianças estudadas que contam com mais de duas horas de uso da tela por dia, Eles também mostraram uma pontuação mais baixa nas habilidades de pensamento e linguagem. O que tudo isso significa?

O estudo é preliminar e ainda não podemos afirmar nada com perfeição.

É muito importante destacar vários pontos do estudo. O primeiro e mais importante: estes são resultados preliminares. Quer dizer, ainda não conseguimos colocar a mão no fogo ou entendê-los como definitivos. As interpretações atuais podem mudar completamente nas próximas etapas da investigação.

Abusar o “tempo de tela” afetaria a inteligência das crianças, estamos cuidando de seu uso?

Não podemos dizer que “um estudo mostrou …” porque não é verdade de forma alguma

Segundo, o médico destaca dois pontos importantes: o afinamento do córtex somatossensorial e as pontuações mais baixas nos testes de linguagem e pensamento. Estão relacionados? Ou seja, esse desbaste causa um problema em crianças? Não sabemos. Ambos os fatos podem estar relacionados, mas os pesquisadores não entendem como ou por quê.

A própria pesquisadora disse durante a entrevista que algumas das perguntas que surgem desses dados preliminares podem ser respondidas em alguns anos. Outros resultados, no entanto, devem esperar mais alguns anos para serem resolvidos. Tudo isso é muito importante: não podemos dizer que “um estudo mostrou …” porque não é verdade de forma alguma.

O que sabemos até hoje?

Em setembro deste ano, outro estudo, publicado na prestigiada revista The Lancet, anunciou a relação negativa entre celulares e crianças. No entanto, o estudo deve ser lido com cautela: sua metodologia deixa muito a desejar e tira proveito de alguns resultados para tirar conclusões muito nítidas. Isso não significa que eu esteja errado, mas que o resultado não pode ser afirmado de acordo com o estudo tão fortemente.

Na cidade Xataka
A obsessão pelas telas nos faz ver perigos onde há apenas correlações (e isso é problemático)

Não é a primeira vez que isso acontece. Como telefones celulares e tablets têm penetrado na sociedade, a preocupação tem aumentado. Realmente não sabemos como eles nos afetam, pelo menos em um sentido profundo. No entanto, no momento, os estudos realizados ficaram um pouco curtos. Este poderia ser o primeiro sério, e a longo prazo, a chegar a conclusões sólidas.

Kara Bagot, responsável pela varredura cerebral das crianças, comentou durante a entrevista que o cérebro ativa o sistema de recompensa, um mecanismo neurológico que nos faz sentir bem com o uso das redes sociais. Este pesquisador acredita que as redes sociais têm um papel na ativação desse sistema.

Isso é importante, porque os neurotransmissores responsáveis ​​por nos fazer sentir satisfação ou prazer são essenciais no desenvolvimento e aprendizado do cérebro. Por outro lado, Qualquer uso excessivo desses dispositivos é negativo, como é abusar de qualquer coisa. Na vida de uma criança, um desenvolvimento equilibrado é muito importante.

O contato com a natureza é bom para aprender: chaves para as crianças saírem das telas e saírem para fora

Portanto, a American Pediatric Association recomenda controlar o uso desses dispositivos de maneira proativa. A fórmula correta, explicou o Dr. Dowling, é usar o celular como uma ferramenta, sem permitir que você o controle. Ainda podemos não ser capazes de dizer concretamente se as telas nos afetam muito ou pouco, de maneira negativa ou positiva, pelo menos de maneira científica, mas o que podemos dizer, com a segurança do ditado popular, é que, na balança, há sabedoria .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *