Miss Cantine

Uma menina italiana permanece internada na UTI após contrair a doença do tétano porque não foi vacinada

Uma menina italiana de dez anos continua internada com um prognóstico reservado na UTI de um hospital em Verona, depois de ter tétano contraído por não ter sido vacinado.

O movimento anti-vacina é um dos principais riscos para a saúde dos europeus e, especificamente, a Itália sofre dessa dor há muito tempo. Portanto, as autoridades anunciaram há alguns meses a vacinação obrigatória para acessar escolas e creches a partir do próximo ano de 2019/20.

Ele contraiu tétano através de uma lesão no joelho

A menina, que não foi vacinada contra o tétano, contraiu a doença após sofrer uma queda o que causou uma lesão profunda no joelho. O impacto contra o solo foi o canal de entrada da toxina bacteriana Clostridium tetani, cuja infecção progride muito rápido.

Os pais notaram imediatamente que não se tratava de uma ferida superficial, nem pareciam normais; então, depois de alguns dias, a levaram ao Hospital Universitário de Verona, onde imediatamente Foi internada em Unidade de Terapia Intensiva com prognóstico reservado.

A menina está agora na fase grave da doença e está sendo tratada com terapia com imunoglobulina para interromper a infecção. A velocidade do diagnóstico e do tratamento é a favor deles, mas nem sempre é fácil perceber isso, então A vacinação é fundamental para evitar esta temida doença.

O que é tétano?

O tétano é uma doença muito grave causada pela contaminação de uma ferida pela toxina bacteriana Clostridium tetani. Como podemos ler no site do Comitê Consultivo para Vacinas (CAV), as feridas mais frequentemente associadas ao tétano são:

  • Os contaminados com o solo ou com fezes humanas ou animais.
  • Feridas com grandes áreas de necrose da pele
  • Mordidas de animais
  • Feridas contaminadas com pedaços de corpos estranhos
  • Queimaduras
  • Fraturas ósseas com feridas
  • Congelar feridas

A toxina atua como um veneno que afeta o sistema nervoso central, causando rigidez muscular generalizada, espasmos dolorosos, convulsões, dificuldade em respirar e engolir, febre, sudorese, taquicardia e outros sintomas que podem colocar a vida da pessoa em risco.

Vacinação, a melhor prevenção

O tétano continua a ser um grande problema de saúde pública em muitas partes do mundo, especialmente em países de baixo nível socioeconômico, onde a doença tira milhares de vidas por ano. Mas é inexplicável que em países onde as vacinas estejam disponíveis para todos, tenhamos que lamentar casos como esse.

O CAV lembra que, no caso do tétano, não há imunidade de grupo; isto é, os vacinados não servem como escudo para os não vacinados, porque a única maneira de prevenir a doença é através da vacinação individual.

O que é imunidade de grupo ou rebanho e como ele ajuda a proteger as pessoas que não podem ser vacinadas

Esta vacina, cuja proteção é praticamente 100%Pode ser administrado como parte da vacina hexalavelentina (combinada com difteria, poliomielite, tosse convulsa, Haemophilus influenzae tipo B e hepatite B), da vacina pentavalente (difteria combinada, poliomielite, pertussis e Haemophilus influenzae tipo B), da vacina trivalente (combinada com difteria e coqueluche) ou combinada apenas com difteria.

De acordo com o calendário oficial, a vacina contra o tétano é administrada em cinco doses, da seguinte forma:

  • Duas doses aos dois e quatro meses com a vacina DTPa (hexavalente), com reforço aos 11 meses.

  • Uma quarta dose aos seis anos com a preparação de carga padrão (DTPa-VPI), preferível à baixa carga antigênica de difteria e pertussis (Tdpa-VPI).

  • Uma quinta dose entre 12 e 14 anos com a vacina Tdpa.

Mas, além de ter a vacinação contra o tétano em ordem, antes de uma lesão, é importante lavar e curar adequadamentee, em caso de dúvida sobre o status da vacinação, pode ser aconselhável administrar uma injeção de gama globulina específica ao tétano.

Sem vacinas, não haverá escola ou creche na Itália

Há alguns meses, dissemos a você que, para o próximo ano acadêmico 2019/20, a Itália exigirá o cartão de vacinação para crianças menores de seis anos para acessar escolas e jardins de infância e aplicará multas de até 500 euros aos pais de crianças entre seis anos e 16 anos que decidem não vacinar.

Vacinas obrigatórias para acessar o berçário: como está na Espanha e em outros países

Segundo as autoridades italianas, esta medida conseguiu aumentar a cobertura vacinal na região de Veneto em quase 95%, uma das quais reúne uma porcentagem maior de anti-vacinas. Mas infelizmente ainda existem pais que resistem a vacinar seus filhos, colocando sua saúde em sério risco (como vimos neste caso) ou a saúde de outras crianças (como também vimos em outras situações).

Via Corriere del Veneto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *