Miss Cantine

Um em cada quatro adolescentes assiste pornô antes dos 13 anos: o que os pais podem fazer?

O acesso da Internet a conteúdo adulto é algo que ocorre cada vez mais frequentemente entre crianças e adolescentes. Essa realidade crescente preocupa muito os pais, porque consumir pornografia em determinadas idades, sem filtros, sem contexto e sem controle pode ter repercussões importantes na vida de nossos filhos.

De acordo com o estudo “Nova pornografia e mudanças nas relações interpessoais”, elaborado pela Rede de Inclusão Social e Juventude e pela Universidade das Ilhas Baleares, uma em cada quatro crianças menores de 13 anos assiste pornô, e o primeiro acesso a esse tipo de conteúdo ocorre esporadicamente aos oito anos de idade. O que os pais podem fazer para evitá-lo?

Nossos adolescentes acessam conteúdo pornográfico cada vez mais cedo

O estudo foi realizado com base em uma pesquisa com 2.500 jovens entre 16 e 29 anos e produziu dados muito preocupantes sobre o consumo de pornografia entre crianças e adolescentes.

Em geral, o consumo de conteúdo pornográfico começa aos 14 anos nos homens e aos 16 nas mulheres, embora a idade esteja avançando devido à facilidade com que as crianças acessam a Internet sem filtros.

Conforme explicado pelo co-autor da pesquisa, Lluís Ballester, esse fácil acesso à tecnologia móvel está fazendo com que meninos e meninas tenham seus primeiro contato com pornografia aos oito anos. E, embora sejam casos esporádicos e, em muitos casos, acidentais (a criança não está procurando conteúdo pornográfico), ainda é um fato alarmante.

Embora o interesse por sexo e pornografia na adolescência não seja exclusivo da era atual, o problema que enfrentamos hoje reside nos efeitos produzidos pelo como e quando as crianças acessam esses conteúdos.

E é que o fato de quase 70% das crianças entre dez e 15 anos terem seu próprio celular facilita o acesso ao conteúdo adulto de forma confortável, rápida, anônima e sem filtro. Mas a falta de maturidade que as crianças e os adolescentes têm quando se trata de assistir e interpretar pornografia, pode fazê-los acreditar que as relações sexuais são como as que vêem nas telas, chegando a condicioná-las.

Não surpreendentemente, a pesquisa determinou que a visualização da pornografia tem um grande impacto nas atitudes sexuais dos adolescentes, porque 47,7% dos homens e quase 40% das mulheres admitem ter “ocasionalmente” comportamentos de risco aumentados, como a prática de sexo sem preservativos ou relacionamentos em grupos e com estranhos.

Por que eles fazem isso?

A adolescência é uma estágio especialmente relevante quando se trata de questões sexuais. Embora nessa idade o habitual seja que nossos filhos já tenham um conhecimento geral sobre sexo, é normal que eles desejem saber mais e buscar informações para satisfazer sua curiosidade, embora às vezes o canal escolhido possa não ser adequado.

19 livros sobre educação sexual para pais e adolescentes

Segundo o estudo, os motivos que levam ao consumo de pornografia entre os adolescentes são:

  • Masturbação (62,4% deles e 25,3% deles)
  • Extinga sua curiosidade (45,4% deles e 34,7% deles)
  • Aprenda sobre sexo (33% deles, 17,4% deles)

E este último ponto é o que preocupa especialmente, porque na maioria dos casos nossos filhos não nos levam em consideração ao fazer suas perguntas, e isso é algo que devemos tentar mudar da educação sexual precoce e da comunicação fluida e natural com eles.

E o que os pais podem fazer?

Primeiro de tudo, nós pais devemos estar ciente do conteúdo que nossos filhos acessam através de seus telefones, computadores ou tablets. E, embora as novas tecnologias possam se tornar excelentes recursos para o dia a dia e a educação, elas também têm seu lado negativo, como estamos vendo.

Sete dicas para afastar nossos filhos da pornografia na Internet

Portanto, é importante ter uma educação adequada em seu bom uso desde tenra idade, bem como a instalação de sistemas de controle dos pais e o uso do computador móvel e acordado (sem senhas, horário limitado e acesso gratuito por nós ao páginas que eles visitam).

Mas neste momento devemos ser muito claros sobre a diferença entre “proibir” e “educar”, porque se apenas proibirmos ou restringirmos o uso da tecnologia em casa, a única coisa que obteremos é que nossos filhos não acessam conteúdo pornográfico em casa, mas podem fazê-lo nas casas de amigos e nos computadores públicos. Daí a importância de acompanhar esses controles com educação adequada no uso das TIC.

Outro aspecto fundamental é a educação afetivo-sexual de qualidade e desde o primeiro momento de suas vidas. Porque se esperarmos a adolescência conversar com eles sobre sexo, eles provavelmente fecharão e não quererão nos ouvir, porque a confiança não é adquirida da noite para o dia.

Sim Ao longo dos anos, conseguimos criar um contexto de confiança com nossos filhos, onde falamos naturalmente e sem tabus ou eufemismos sobre qualquer assunto, é mais provável que confiem em nós quando manifestarem suas preocupações e sejam mais receptivos em ouvir nossos conselhos sobre sexo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *