Miss Cantine

Itália propõe controlar por lei o vício de adolescentes no celular

Uma imagem que se repete na maioria dos lares onde os adolescentes vivem: crianças agarradas ao telefone celular que ficam com raiva se os pais pedirem que estacionem na hora do jantar ou que durmam. E se o deixarem descansar, jogam-se no tablet ou começam a jogar online.

Sem dúvida, o uso das telas, muitas vezes excessivo, nos preocupa muito, mas às vezes nos sentimos incapazes de limitar seu uso, e mais quando eles também são usados ​​nas salas de aula e fora de casa.

Este é um problema de dependência que os italianos estão determinados a erradicar. Um projeto de lei apresentado no parlamento italiano visa “reabilitar” adolescentes que passam horas mortas em frente ao telefone móvel.

O uso abusivo de tecnologias é uma realidade

Os telefones celulares estão criando problemas para muitos adolescentes, às vezes se tornando um verdadeiro vício.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não apenas recomenda limitar o tempo de tela desde a infância, mas também incluiu o vício em videogames na lista de patologias.

Além disso, a Estratégia Nacional sobre Vícios 2017-2024, apresentada pelo Ministério da Saúde, Serviços Sociais e Igualdade, declarou em seu relatório que 18% da população de adolescentes e jovens de 14 a 18 anos usam abusivamente as tecnologias de Informação e comunicação.

E os números não parecem ser reduzidos, mas pelo contrário. Em Madri, já existe um centro pioneiro na Espanha para ajudar crianças viciadas em tecnologias.

Agora a Itália tenta acabar com esta ‘doença’ através de um projeto de lei difícil levada ao Parlamento pela deputada Vittoria Casa, apoiada por todo o seu partido, o Movimento 5 Estrelas (M5E). Entre outras medidas, Ele ainda oferece centros de reabilitação para adolescentes.

‘Nomofobia’, o medo de não estar conectado

É o nome pelo qual o vício em celular é conhecido. Vem do inglês “sem fobia no celular” e afeta principalmente os jovens.

Ela é reconhecida por um medo descontrolado de ficar desconectado do telefone, uma dependência patológica do celular e um abuso de redes sociais.

Quando comprar o primeiro celular para crianças: dicas para acertar e ensinar-lhes a usá-lo bem

Você saberá que seu filho é viciado em novas tecnologias se:

  • Ele passa muitas horas todos os dias fisgado, tantas que ele não realiza outras atividades.

  • Pare de interagir com seus amigos e familiares, muito menos do que antes, ou apenas interaja de maneira virtual.

  • Diminua significativamente o desempenho da sua escola.

  • Pare de praticar esportes ou abandone as atividades que costumavam atraí-lo para permanecer conectado por mais tempo.

  • Você sente ansiedade e irritabilidade quando não consegue se conectar à Internet. Procurando desesperadamente alguma maneira de acessar um Wi-Fi, recarregar dados, carregar seu celular … para superar sua síndrome de abstinência.

  • Mostra mudanças de humor frequentes e aumento da irritabilidade.

  • Fique conectado à noite, o que significa dormir muito menos ou ter problemas para adormecer.

Se o seu filho tiver dificuldade em se concentrar, dormir e estiver de mau humor, limite as telas à noite por apenas uma semana

Medidas a serem tomadas na Itália

Segundo a ABC, a conta se justifica porque Metade dos italianos entre 15 e 20 anos checa seus celulares pelo menos 75 vezes por dia.

“Concordamos com estudos que mostram que os jovens que esperam” curtir “os comentários ou publicações que colocam nas redes sociais são desencadeados por uma reação no cérebro. É o mesmo que acontece com o jogo.”

Entre as consequências que emergem desse vício, a parte promotora da lei explica:

“Há adolescentes que ficam até o amanhecer para trocar mensagens na internet, enviar fotos, bem como seus pensamentos e humor. Eles parecem viver sua própria vida social à noite e depois se sentem cansados, distraídos e desmotivados durante o dia, apenas à noite. as horas em que devem desenvolver sua verdadeira vida de adolescentes e jovens, com repercussões nas esferas pessoal, escolar e profissional “.

E, para solucionar o problema, propõem cursos de recuperação em estruturas socio-sanitárias, campanhas informativas de reabilitação e medidas de apoio. É um plano de ação genuíno no qual vários ministérios estão envolvidos.

O objetivo é trabalhar nas escolas primeiro “treinar no uso consciente da internet e das redes sociais”.

A idéia é realizar cursos e programas de treinamento específicos, direcionados aos pais para “Permita que eles entendam quando há comportamentos de risco em seus filhos”. Eles apontam que é uma prioridade porque:

“O uso e abuso da internet e das redes sociais por menores é cada vez mais obsessivo e dependente, a ponto de parecer que eles não têm outros momentos de lazer ou expansão, exceto os locais virtuais e aqueles eles oferecem plataformas como Facebook, Instagram e WhatsApp, perdendo cada vez mais interesse no mundo ao seu redor “.

Tempo móvel, um problema universal

Infelizmente, não é um fenômeno exclusivo na Itália. A França já proibiu por lei o uso de celulares nas salas de aula no início do ano passado.

E na Espanha talvez devêssemos também aplicar a lição e começar a trabalhar muito a sério de todas as instituições para erradicar essa dependência que afeta nossos adolescentes. As escolas e institutos das Astúrias tiveram que proibir os estudantes de gravar com celulares

Porque não é mais apenas um problema de dependência, mas também todas as implicações negativas que esse uso generalizado e abusivo de smartphones implica e afeta negativamente os adolescentes: cyberbullying, sexting, aumento do consumo de pornografia, perigosos desafios virais para obter mais ‘curtidas’. Temos que fazer alguma coisa, começando a educar nossos filhos no uso lógico da tecnologia e praticando a nós mesmos, pais, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *