Miss Cantine

Meu filho não come: o que fazer e o que não fazer se não tiver apetite

Dois dos meus três filhos tiveram tempos de comer mal. Muito mal. Eles têm sido o que muitas pessoas chamam de “maus comedores” e, confesso que para os pais é muito cansativo. Há dias em que você se dá melhor e se conforta repetindo-se repetidas vezes que, se não comem, é porque não estão com fome, mas em outras ocasiões é inevitável não se assuste com a situação.

Se você também tem um pouco com problemas para comer, oferecemos um guia prático e simples com as coisas que você deve e não deve fazer nesta situação.

Revisão do pediatra

Uma das maiores preocupações dos pais é alimentar os filhos. Queremos que cresça saudável, coma tudo e faça de maneira saudável. Mas o que acontece quando nosso filho se recusa a comer dia após dia, ou consideramos que o que ele come não é suficiente?

Se estamos realmente preocupados, é melhor marcar uma consulta com o pediatra para que avaliar se existe algum problema de saúde por trás dessa falta de apetite. Mas se o médico nos disser que tudo está normal e seu crescimento ainda está dentro de seu percentil, não haverá motivo para preocupação.

Respeitar e entender a criança

Uma vez descartados qualquer problema de saúde, é importante que façamos o exercício de tente entender nosso filho, e não tome sua falta de apetite ou recusa em comer como pessoal.

Por isso, é aconselhável nos colocar no lugar dele e pensar que, se nós, como adultos, houver rajadas nas quais temos mais apetite do que outros e alimentos que gostamos mais do que outros, por que a mesma coisa não acontece? filhos?

Além disso, é importante saber que à medida que crescem, também variam suas necessidades energéticas. Assim, quando eles entram em um estágio de crescimento lento, é normal que o apetite diminua. Além disso, após dois anos, muitas crianças também entram em uma fase (completamente normal) chamada neofobia, que as leva a recusar comida que costumavam tomar ou se recusar a experimentar coisas novas.

Ofereça todos os tipos de comida e não desista se não gostar de algo

Depois que tivermos descartado qualquer problema e feito o exercício de entender e respeitar a criança, vamos começar oferecendo todos os tipos de comida, fugindo de dietas monótonas. Nesse sentido, lembre-se da importância de alimentar o bebê em seu primeiro ano de vida, pois é mostrado que os padrões alimentares que a criança segue nos primeiros meses persistirão em seu cérebro por algum tempo.

Assim pois, desde que a alimentação complementar começa, tentamos oferecer à criança (quase) qualquer alimento, enquadrado em uma dieta variada e saudável. Lembre-se também de que você não deve cair no erro de deixar de oferecer ao seu filho o que não gosta!

O AEP diz sim (pela primeira vez) ao BLW em suas recomendações para alimentação complementar

Por outro lado, e embora as crianças se recusem pelo sistema a experimentar novos alimentos, é importante não desistir e continuar a oferecê-los pacientemente e sem forçar até que sua aceitação esteja gradualmente chegando. Segundo os especialistas, a criança poderia começar a aceitar o alimento depois de experimentá-lo 10 a 15 vezes.

Coma com sua família e em um ambiente agradável

Compartilhar a mesa da família é essencial para instilar bons hábitos alimentares. O exemplo dos pais e do educação nutricional que é feita à mesa Ele desempenha um papel muito importante na educação de nossos filhos e na criação de um ambiente positivo.

O horário da refeição deve ser agradável, sem pressa e sem interferência. Bem sentados à mesa, os pais ensinam as crianças a comer devagar, mastigar bem e desfrutar de comida.

E se o nosso filho não quiser comer, vamos evitar transformar o tempo para sentar à mesa em um problema. Deixemos de lado o estresse e a ansiedade, e não caiamos em gritos, choros e discussões, de que tudo o que conseguirão será esmagá-los ainda mais.

Não force, trapaceie ou chantageie

Numerosos estudos determinaram que forçar as crianças a comer é contraproducente, porque não apenas ajuda a reduzir a alimentação seletiva, mas também pode causar o efeito oposto e causar maior rejeição.

Por que não forçar os bebês a comer: nem o avião, nem a chupeta, ou trapaceia com outra coisa

Mas forçar a comer o prato inteiro ou parte dele também é:

  • Use técnicas de entretenimento ou trotes para que eles abram a boca de maneira automática, sem prestar atenção ao que estão comendo: por exemplo, enquanto fazemos truques de mágica, colocamos a chupeta para forçá-los a engolir, fazemos o avião ou entretemos outras histórias)

  • Chantagear ou ameaçá-los, com frases como essa: “se você não come, não vai ao cinema”, “até comer mais três colheres de sopa, não se levanta da mesa”, “você precisa comer para que os Reis Magos lhe tragam muitos presentes” …

Telas externas na hora do almoço

Um celular ou tablet interferir na hora das refeições é contraproducente para os mais pequenos, não importa o quão divertido você projete. Lembre-se de que a Academia Americana de Pediatria sugere evitar a exposição de bebês até 18 meses às telas e acrescenta que o uso de dispositivos antes de dois anos pode atrasar o desenvolvimento da fala em crianças.

Não use alimentos como recompensas ou punições

A comida nunca deve ser uma recompensa ou um castigo, isto é, não devemos recompensar a ingestão de peixes com guloseimas, por exemplo, nem force a criança a tomar um prato de brócolis se não nos obedecer em outros aspectos.

Ao fazer isso, a criança inconscientemente associa a ingestão de certos alimentos a algo sacrificado, feio e desagradável. Além disso, contribuiremos para aumentar o consumo de açúcar em sua dieta, usando guloseimas como recompensa ou sobremesa.

O perigo de usar alimentos menos saudáveis ​​como recompensa

Deixe as crianças lidarem com comida

Quando se trata de começar com alimentação complementar, vamos aproveitar a curiosidade inata que os bebês têm por explorar, experimentar e imitar adultos implementação de alimentação auto-regulada ou desmame infantil. Dessa forma, a criança entrará em contato com os alimentos de forma autônoma e aceitará melhor seus diferentes sabores e texturas.

Misture os alimentos que você gosta com não-alimentos em um prato

Se, por exemplo, nosso filho não gosta de vegetais, vamos tentar combiná-los no mesmo prato com outros alimentos que eles aceitam de bom grado. Dessa forma, é mais fácil incorporá-los à sua dieta. Não se trata de camuflar os alimentos que eles rejeitam, mas para apresentá-lo de uma maneira agradável ou combiná-lo com outros ingredientes que você mais gosta.

Não é bom camuflar os vegetais para as crianças

Pratos grandes, menos comida

Se uma criança com problemas para comer, colocamos uma prato transbordante de alimentos, é fácil ficar sobrecarregado. É por isso que é preferível oferecer uma ração menor e que a criança repita se estiver com fome do que oferecer uma grande quantidade de comida no início.

Também podemos recorrer ao truque de apresentar a comida em um prato ou bandeja grande, para que visualmente a criança pense que a ração à sua frente é menor do que realmente é.

A comida entra pelos olhos

Não se trata de tornar cada prato uma obra de arte, mas é importante lembrar que a comida entra pelos olhos para que Apresentação atraente de comida pode se tornar nosso melhor aliado.

Às vezes, basta usar utensílios de mesa com desenhos que motivam a criança, distribuir os alimentos por cores, apresentar um prato variado com diferentes tipos de alimentos e brincar com a colocação dos ingredientes dentro do prato.

A apresentação dos pratos, chave para as crianças aceitarem melhor os alimentos

Não acompanhe as refeições com leite

O leite é muito importante na dieta das crianças, mas não devemos esquecer que não se trata de uma bebida sem mais, mas de um alimento que fornece vários nutrientes e gorduras.

Portanto, se oferecermos à criança um copo de leite antes das refeições ou usarmos o leite como bebida enquanto eles comem ou jantam, seu apetite diminui e eles param de comer outros alimentos.

Planeje o cardápio, compre e cozinhe com eles

Uma forma de colocar a criança em contato com os alimentos de maneira saudável É envolvê-los em todo o processo: desde o planejamento do cardápio da família até a aquisição de alimentos no supermercado e sua posterior cozedura.

Cozinhar com crianças está na moda, também em casa?

Dessa forma, podemos pedir ao nosso filho que nos dê alguma sugestão para o menu e nos acompanhe para fazer a compra. Deixe ele, por exemplo, escolha os vegetais que você quer tomar, pese-os na balança e coloque-os dentro da cesta.

Uma vez em casa, incentivaremos a criança a cozinhar conosco os alimentos que compramos. Isso gerará neles uma grande curiosidade, aumentará suas expectativas e se orgulharão de sua contribuição.

Xaropes para aguçar o apetite?

Dada a falta de apetite das crianças na hora do almoço, muitos pais podem pensar que a solução seria oferecer-lhes um xarope para aguçar o apetite. Mas, como podemos ler neste documento da Associação Espanhola de Pediatria da Atenção Básica, Este tipo de medicamento não é recomendado:

“Na verdade, não existem drogas cujo efeito é aumentar o apetite. Moléculas como a ciproheptadina ou o pizotifeno são na verdade substâncias que têm um efeito aumentado no apetite. Nenhuma delas se mostrou útil e pode produzir outros efeitos colaterais”.

Se o pediatra não recomendarTambém não é necessário dar aos nossos filhos um multivitamínico, porque o excesso de vitaminas na dieta pode ser contraproducente. Em crianças saudáveis, basta oferecer uma dieta saudável e variada e não esquecer a prática diária de exercícios físicos ao ar livre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *