Miss Cantine

“Nunca fui um mau soldado até ser mãe”: um legionário denuncia assédio depois de pedir permissão para cuidar de sua filha

A reconciliação familiar é muito difícil para as mães que trabalham e, infelizmente, é ainda mais difícil no campo militar, onde seja mulher e mãe, é em muitos casos motivos de discriminação. Isso é relatado por uma legionária, mãe de uma menina de dois anos, que afirma sofrer assédio depois de ter pedido permissão para cuidar de sua filha.

O soldado pediu permissão para não comparecer ao desfile no dia 8 de dezembro, não tendo ninguém para cuidar da filha. Ele então reivindicou um dia de seus próprios assuntos a que os militares têm direito, mas foi negado. Após esse incidente, ele afirma ter sido alvo de constante assédio por seus superiores. Hoje sabemos que o chefe do Exército da Terra decidiu ativar neste caso o protocolo contra assédio sexual e sexual nas forças armadas.

O que aconteceu no dia 8 de dezembro?

O soldado, designado para o Terceiro João da Áustria da Legião, goza de uma redução de dias úteis de uma hora por dia para cuidar de sua filha de dois anos (com a redução proporcional em seus salários), direito que todos os militares têm como encarregado de crianças menores de 12 anos.

O legionário foi convocado para desfilar nos atos do santo padroeiro da infantaria em 8 de dezembro, na base de Viator (Almeria). Sendo feriado, ela não tinha com quem deixar a menina, já que o marido, também soldado, solicitou permissão e foi recusado, e sua mãe era convalescente de câncer. Então ele reivindicou um dia de seus próprios assuntos, que foi negado e em 7 de dezembro, não tendo escolha, ele informou ao superior que, sentindo muito pena, Eu não iria ao desfile.

Quando ele chegou ao quartel na segunda-feira, o sargento disse que o que ele havia feito era uma deslealdade absoluta, que eles a prendiam e a sancionavam com três dias bem por perder a celebração do Imaculado. Além disso, ele recriminou:

“O que você fez não tem nome, é uma deslealdade absoluta. Se você for a um desfile, o que fará quando houver uma guerra? Se você fosse civilizado hoje, eu o expulsaria e sua filha morreria de fome. Os privilégios são para as pessoas que se encontram, então esqueça de estudar para o curso. ”

A redução do horário de trabalho é um direito dos pais que trabalham e também das mães militares. No exército, essa permissão os isenta de participar de guardas, manobras e outros atos, como poderia ter sido, mas seu gozo está “sujeito às necessidades do serviço”.

Seu chefe considera que participar desse ato fazia parte de “necessidades de serviço”, que prevalecem sobre o direito à conciliação familiar, e que “sua ausência de um ato relevante significou prejuízo à disciplina” que deve ser sancionada.

Segundo o comunicado, o capitão disse que ele não podia consentir que sua autoridade fosse negligenciada, e que ele deveria ter agido como outro legionário, que chegou à base com um bebê de oito meses enrolado em um cobertor e o deixou nas arquibancadas com Um estranho ao desfilar. (Como? Se verdadeiro, isso deve ser investigado.)

Assédio constante

A partir desse dia, o legionário denuncia sofreram assédio constante. Como afirmou ao El País, “quase diariamente (seu superior) o repreendia diante de seus companheiros, incentivando-os a isolá-la”, encarregou-o de tarefas para impedi-lo de seguir o curso do corpo e o recriminou para reduzir o horário de trabalho, como Se fosse um prêmio.

O soldado recorreu da sanção aplicada, da qual o capitão não gostou nada. Foi-lhe dito “eles podem prendê-la por qualquer coisa”.

Em uma carta enviada pelo soldado ao ministro da DefesaDolores de Cospedal, observa:

“Nunca fui um soldado ruim até ser mãe, até solicitar uma redução no horário de trabalho para cuidar de minha filha, até pedir que os direitos que tenho como militar sejam respeitados.”

Protocolo contra assédio: ativado

Agora, o chefe do exército, general Francisco Javier Varela, ordenou a ativação do protocolo contra assédio sexual e por motivo de sexo no caso do legionário.

Protocolo de ação
é inspirado no princípio de igualdade e não discriminação com base em gênero e sexoe no respeito à dignidade pessoal e no trabalho de todos os militares, contidos na Lei Orgânica 9/2011, de 27 de julho de
direitos e deveres dos membros das Forças Armadas.

No Guia Prático para a Vítima de Assédio publicado pelo Ministério da Defesa, uma lista de comportamentos que poderiam evidenciar a existência de comportamento de assédio sexual, entre eles, encontramos:

  • Comentários depreciativos sobre mulheres ou valores
    considerados femininos e, em geral, comentários sexistas sobre
    mulheres ou homens com base no viés de gênero

  • Demérito de valor profissional devido ao fato da maternidade ou
    paternidade

  • Comportamento hostil em relação àqueles – homens ou mulheres – se exercitam
    direitos de reconciliação da vida pessoal, familiar e profissional

  • Subvalorização, desprezo ou isolamento daqueles que não se comportam
    de acordo com os papéis socialmente atribuídos ao seu sexo

É lamentável que nossas mulheres militares tenham que lidar diariamente com situações de discriminação como essa por serem mães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *