Miss Cantine

23 alimentos proibidos para bebês e crianças de acordo com a idade

Os pais estão muito preocupados com a alimentação de nossos filhos e garantimos que isso seja sempre o mais saudável e equilibrado possível, fugindo de alimentos com pouco valor nutricional ou prejudiciais à saúde, tanto a curto quanto a longo prazo. Mas, além de alimentos não recomendados, também existem alimentos proibidos na dieta das crianças, dependendo da idade da criança.

Preparamos uma lista com as restrições alimentares que você deve levar em consideração e os motivos apresentados pelos especialistas. É organizado por faixas etárias, de modo que o que uma criança de seis anos de idade não pode consumir, nem uma mais nova pode aceitá-lo.

Crianças menores de um ano

1) Leite de vaca

Até o primeiro ano, a principal comida do bebê é o leite, tanto materno quanto artificial. Mas bebês com menos de um ano não devem receber leite de vaca por excesso de proteínas e minerais que contême isso pode causar sobrecarga nos rins.

As proteínas no leite humano, bem como no leite de fórmula adaptada, têm as qualidades e proporções exatas para os bebês, por isso não é apenas necessário incorporar qualquer outra bebida em sua dieta, mas também pode ser prejudicial para a saúde. sua saude.

2) Bebidas vegetais

Bebidas vegetais de aveia, quinoa, arroz, soja, coco, amêndoas … não devem ser incluídas na dieta de crianças menores de um ano de acordo com a Associação Espanhola de Pediatria (exceto, logicamente, as fórmulas vegetais adaptadas para lactentes vendidos em farmácias sob prescrição médica).

Acima dessa idade, os pediatras aconselham oferecê-lo em tempo hábil e como mais um alimento em uma dieta variada e equilibrada, isto é, sem substituir outros com maior valor nutricional, como o leite de vaca e, é claro, o leite materno.

Quando, por um problema de saúde, o leite de vaca é substituído por bebidas vegetais, A dieta deve ser supervisionada por um médico ou nutricionista, o que garante uma ingestão correta de proteínas e cálcio.

Crianças que bebem bebidas vegetais são mais baixas do que aquelas que bebem leite de vaca, de acordo com um estudo

3) Sal

O sal não é adequado para os rins dos bebês no meio do processo de amadurecimento, além de alterar o sabor dos alimentos que eles estão descobrindo pela primeira vez. Então, quando cozinhamos para o nosso bebê, lembre-se que não é necessário salgar suas refeições e no caso de oferecer alimentos processados ​​(por exemplo, os potes), devemos levar em consideração a rotulagem:

  • Alto teor de sal: 1,25 gr. de sal ou 0,5 gr. de sódio por 100 g. do produto.
  • Baixo teor de sal: menos de 0,25 gramas. de sal ou 0,1 de sódio por 100 gramas. do produto.

4) Açúcar

O açúcar, sob qualquer um de seus nomes, é um alimento totalmente desnecessário, tanto na dieta de crianças quanto na de adultos.

É cariogênico, desmineralizado, não contribui com nada nutricional, é viciante e também está diretamente associado à obesidade infantil. Então, o objetivo é adie sua introdução o máximo possível e nunca a ofereça antes do primeiro ano.

O número de crianças obesas no mundo multiplicou por 10 nos últimos 40 anos

5) Mel

A Associação Espanhola de Pediatria, a Associação Americana de Pediatria e o Instituto Nacional de Saúde dos EUA recomendam não dar mel ou cana para crianças menores de 12 meses, devido ao risco de botulismo, doença de baixa prevalência, mas potencialmente fatal.

Mas não é aconselhável oferecer esse alimento a crianças menores de três anos, pois o mel é altamente cariogênico, isto é, aumenta o risco de cárie. Se você ainda decidir dar mel à criança por 12 a 18 meses, é importante tomar as medidas de higiene bucal abaixo.

6) Espinafre

A Agência Espanhola de Segurança e Nutrição Alimentar e a Associação Espanhola de Pediatria recomendam não incluir o espinafre como um prato único na dieta do bebê, pois contêm altos níveis de nitratos Eles podem ser muito prejudiciais à sua saúde.

A sua toxicidade é determinada pela sua redução em nitritos no corpo humano que, em altas concentrações podem causar metemoglobinemia. Nas crianças e especialmente nos bebês, quantidades mínimas seriam suficientes para desencadear distúrbios graves. Os bebês e crianças pequenas que são expostos a altas concentrações de nitratos através da dieta, podem sofrer da “síndrome do bebê azul”.

7) Acelga

Assim como o espinafre, A acelga também contém altos níveis de nitratos prejudicial à saúde das crianças e não deve ser oferecido como prato único a crianças menores de 12 meses.

Mas se você deseja incluir acelga (ou espinafre) na dieta de um bebê, a Agência Espanhola de Segurança Alimentar recomenda que o conteúdo desses vegetais não ultrapasse 20% do conteúdo total da ração alimentar.

Tudo menos isso: alimentos proibidos na dieta de bebês com menos de um ano de idade

8) Beterraba

A beterraba é outro dos vegetais proibidos pelo Comitê de Nutrição da Associação Espanhola de Pediatria durante o primeiro ano de vida do bebê, pelo mesmo motivo que os dois anteriores: altos níveis de nitrato.

A partir dessa idade e até os três anos de vida da criança, recomenda-se não administrar mais de uma porção desses vegetais por dia e evitar o consumo em crianças com infecções gastrointestinais.

9) Algas

As algas são alimentos com grandes quantidades de ferro e cálcio, mas também excesso de iodo, que pode causar sérios problemas de saúde. Portanto, eles são proibidos na dieta de bebês, e os especialistas recomendam que algumas variedades como arame, kombu e hiziki também não sejam oferecidas a crianças menores de cinco anos.

10) Alimentos apimentados

O Comitê de Nutrição da Associação Espanhola de Pediatria inclui alimentos condimentados ou condimentados dentro das restrições alimentares de crianças menores de um ano. A razão é simples: assim como os adultos, as crianças querem comer alimentos com um sabor agradável, e seu paladar não está acostumado a sabores fortes e picantes. Além disso, eles podem desenvolver reações adversas.

Desde o primeiro ano de vida, se consumir pratos condimentados ou condimentados em casa, podemos começar a oferecê-los ao nosso filho com muita cautela, em quantidades mínimas e desde que a criança não o considere desagradável.

11) Bebidas energéticas

As bebidas energéticas oferecem grandes quantidades de açúcar, cafeína e taurina, e seu consumo está associado a uma maior taxa de obesidade, dores de cabeça, problemas de sono, problemas de estômago e distúrbios de comportamento.

Na verdade, esses tipos de bebidas não devem ser consumidos em nenhuma fase da vida, porque fornecem apenas calorias vazias e de baixa qualidade, mas o Comitê de Nutrição da Associação Espanhola de Pediatria proíbe seu consumo em crianças menores de um ano.

12) Bebidas gaseificadas

Bebidas com gás ou refrigerantes são outra das restrições feitas pelo Comitê de Nutrição da Associação Espanhola de Pediatria em crianças menores de 12 meses, porque eles contêm uma quantidade de açúcar que excede em muito as recomendações da OMS.

Isso se traduz em uma maior predisposição para sofrer com sobrepeso e obesidade infantil, além de outras doenças relacionadas, como diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão e triglicerídeos elevados. Também o gás contido neste tipo de bebida produz distensão gástrica, diminuindo o apetite e às vezes causando dor abdominal.

Por que não é bom que as crianças bebam refrigerante?

Crianças menores de três anos

13) Laticínios desnatados

A partir dos 12 meses, as crianças podem agora comece a beber leite de vaca, mas isso deve ser integral, porque a gordura do leite favorece a absorção das vitaminas A e D, além de ser importante para o seu crescimento.

No entanto, após três anos, a Associação Espanhola de Pediatria da Atenção Básica recomenda que os produtos lácteos fiquem semi-desnatados, uma consideração que também devemos levar em consideração se a criança tiver problemas de colesterol, consumir muitos produtos lácteos ou apresentar excesso de peso.

Alimentos infantis que parecem saudáveis, mas que você não deve dar aos seus filhos

14) Espadarte, tubarão e lúcio

O peixe grande como espadarte (ou imperador), tubarão ou lúcio, são proibidos na dieta de crianças com menos de três anos de idade devido ao seu alto teor de mercúrio, conforme indicado pela Agência Espanhola de Segurança Alimentar. Este aviso também é estendido para mulheres grávidas ou amamentando.

Ele O consumo excessivo de metilmercúrio tem um efeito tóxico na saúde, que se acumula e pode causar danos neurológicos e cerebrais. Portanto, de três a 12 anos de idade, também é aconselhável limitar a ingestão desse tipo de peixe a 50 gramas por semana, e não consumir nenhum outro peixe dessa categoria na mesma semana.

15) Atum rabilho

O atum rabilho é outro dos peixes grandes proibidos na dieta de crianças menores de três anos e em mulheres grávidas, também contém quantidades de metilmercúrio de alta toxicidade para o organismo, embora em menor concentração que os peixes anteriores.

Em qualquer caso, é preferível optar por peixes menores como anchovas e sardinhas, ou atum light em conserva.

Atenção ao peixe metilmercúrio, se você planeja engravidar

16) Cabeças de camarão, camarão e lagostim

Segundo a Agência Espanhola de Assuntos do Consumidor, Segurança Alimentar, os chefes de camarão, camarão e lagostim contém cádmio dentro, evite o consumo em crianças menores de três anos e limite-o ao máximo no restante da população.

O cádmio é um metal que Ele se acumula no corpo e pode causar danos a longo prazo, tanto no fígado como principalmente nos rins, e pode causar disfunção renal.

Quando introduzir frutos do mar na dieta das crianças

17) Cascas de caranguejo e aranha

Mas o cádmio não é encontrado apenas na cabeça de certos frutos do mar, mas também está presente no conchas vísceras do corpo de caranguejos e aranhas, sendo outro dos alimentos proibidos em crianças menores de três anos.

“Os consumidores desses tipos de produtos devem estar cientes de que o consumo dessas partes de crustáceos pode levar a uma exposição inaceitável de cádmio, principalmente quando o consumo é habitual” – podemos ler em um relatório preparado pela Agência Espanhola de Consumo , Segurança alimentar.

Crianças menores de seis anos

18) Nozes Inteiras

Eles são pequenos, redondos e não derretem na boca, então As nozes são um dos alimentos com maior probabilidade de causar asfixia. A Associação Espanhola de Pediatria recomenda não oferecê-los a crianças, pelo menos até cinco ou seis anos, e sempre com cautela. No entanto, esse alimento pode ser moído a partir de seis meses, pois é uma excelente fonte de cálcio e outros nutrientes.

Estes são os alimentos com os quais as crianças se afogam mais facilmente

19) Carne de caça

Crianças menores de seis anos e gestantes não devem consumir carne de animais caçados com munição de chumbo, pois o chumbo não é absorvido diretamente e pode causar danos neuronais.

Crianças de qualquer idade

20) Peixe cru e frutos do mar (sem congelamento prévio)

Peixes e mariscos crus ou mal cozidos (por exemplo, sushi) não devem ser consumidos em nenhuma fase da vida, mas devemos evitá-lo especialmente em crianças e mulheres grávidas, pois produz digestão e implica risco de transmissão de anisakis, um parasita em forma de verme que nidifica em mamíferos marinhos, peixes e crustáceos e pode causar reações alérgicas e infecções graves.

A medida mais eficaz para matar larvas de anisakis e impedir sua propagação é comprar peixe congelado (congelamento do alto mar) ou congelá-lo em casa por um período mínimo de 72 horas a -20º.

Alergia a Anisakis: tudo o que você precisa saber sobre prevenção, sintomas e tratamento em crianças e mulheres grávidas

21) Carne crua

A carne é um alimento muito perecível que precisa de refrigeração e cozimento correto para eliminar qualquer germe isso pode causar intoxicação alimentar.

Toxoplasmose, triquinose, salmonelose, listeria e E.coli são os principais doenças que podem ser transmitidas com o consumo de carne crua ou mal cozida, por isso é essencial que, ao cozinhar, a temperatura interna atinja 65-70º.

22) Leite cru

Leite cru, isto é, que não foi pasteurizadoContém bactérias como E. coli, Salmonella ou Listeria que podem causar sérios danos à saúde, especialmente no caso de mulheres grávidas, crianças e pessoas com o sistema imunológico enfraquecido.

É muito importante estar ciente de riscos sérios envolvidos no consumo deste tipo de produtos lácteos não pasteurizados (como queijos macios feitos com leite cru), além de saber que ferver o leite cru não é suficiente para torná-lo seguro.

Catalunha aprova venda de leite cru: os perigos para crianças e mulheres grávidas

23) Ovo Cru

O consumo de ovos crus é uma das principais fontes de contágio de salmonelas, uma bactéria com risco de vida, especialmente se falamos de bebês ou crianças muito pequenas. Entre seus muitos sintomas, a salmonelose causa vômitos e diarréia graves, que podem levar à desidratação e atenção médica urgente.

Portanto, ovos crus (em maionese, molhos, merengues) ou mal cozidos (por exemplo, ovos passados ​​pela água ou tortilhas com pouca coalhada) não são seguros nas dietas infantis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *