Miss Cantine

A OCU pede a retirada de dois cremes solares para crianças com SPF 50+ por oferecer menos proteção do que o prometido

A Organização de Consumidores e Usuários (OCU) analisou 17 marcas de protetor solar para crianças com fator solar muito alto (SPF 50+) e com apresentação em formato de spray (“pistola”, spray, spray ou spray) para verificar se eles oferecem o índice anunciado e, portanto, protege a pele na medida em que promete.

Depois de verificar os resultados, pediu a retirada de dois cremes infantis por oferecer menos proteção do que o prometido, por causa do risco que pode representar para a pele sensível dos pequenos.

Eles descobriram que duas marcas não passam no teste:

  • O creme ISDIN Photoprotector Pediatrics Spray transparente SPF 50+ Oferece proteção “média” (SPF 15) e não “muito alta”, conforme indicado no rótulo.

  • Creme solar Protetor de Pulverização Babaria Infantil SPF 50+ Ele deve ser rotulado como SPF 30, pois oferece apenas proteção “alta” e não “muito alta”.

Para realizar a análise, os cremes foram submetidos a dois testes de laboratório, seguindo as normas europeias padronizadas. Por um lado, um teste de cálculo do SPF in vivo sob condições padronizadas e controladas (o SPF indica o nível de proteção contra os raios UVB) e, por outro, um teste in vitro para medir a radiação UVA capaz de atravessar uma camada de creme de uma certa espessura.

Eles solicitaram a retirada

A OCU solicitou à Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS) a realização do verificações necessárias desses dois produtos, bem como a cessação da comercialização e uso, devido ao risco potencial de seu uso, especialmente no caso do fotoprotetor ISDIN.

Dos outros cremes analisados, a OCU afirma que todos cumprem com a rotulagem básica exigida por lei e que a proteção oferecida coincide com a anunciada nos rótulos.

Além da proteção SPF e UVA, a OCU também analisou e pontuou outras características dos cremes e suas embalagens, como prova de uso, clareza de rotulagem ou possível presença de fragrâncias alergênicas, para atribuir uma classificação global a cada delas.

Mesmo que você não esteja na praia, mesmo que não seja verão: proteja seus filhos do sol

Resposta ISDIN

A marca divulgou um comunicado à imprensa após as notícias desta manhã.

A ISDIN é uma empresa de referência no setor de fotoproteção, que envia
Todo o seu portfólio de produtos para os testes mais exigentes para garantir a sua eficácia.
Portanto, as características do Produto registradas em sua publicidade e
apresentação comercial, entre as quais o fator de proteção solar
(SPF) e UVA-PF, eles correspondem absolutamente aos resultados lançados por
estudos realizados por especialistas, independentes e
grande prestígio

Ele detalha abaixo os estudos que garantem que a proteção que aparece na embalagem é adequada e põe em questão “a metodologia, execução e coerência dos resultados” da análise da OCU. Eles também acrescentam:

Embora o ISDIN tenha enviado esses Estudos Independentes à OCU, nenhum
foram levados em consideração a qualquer momento pela entidade ao preparar sua
relatório sobre protetores solares.

Por fim, ele deseja enviar tranquilidade aos consumidores:

O consumidor pode ter certeza de que as instruções que aparecem no pacote de
Os produtos são endossados ​​por Estudos Independentes preparados por entidades de
Certificação de primeiro nível.

Por outro lado, desde o lançamento do Produto em 2015, os serviços de
ISDIN cosmetovigilancia não registrou consulta, reclamação ou reclamação
significativo de indivíduos ou consumidores referidos à falta de segurança ou eficácia
Produto e, em particular, comunicações que possam suspeitar que
Dados SPF e UVA-FP que são registrados na publicidade e apresentação
O comercial do produto não corresponde com aqueles resultantes de
Estudos Independentes

Sem credibilidade para Stanpa

Por seu lado, a Associação Nacional de Perfumaria e Cosméticos (Stanpa) declara que não dá credibilidade à análise de filtros solares da OCU, uma vez que “omitir os dados científicos das características do estudo”.

“Os resultados publicados pela OCU devem ser verificados em vários laboratórios com as diferentes fórmulas testadas, pois acusam injustificadamente que um produto ‘não cumpre’ os testes realizados em um único laboratório cuja metodologia seguiu e as condições do teste são desconhecidas. , é sério e insuficiente para garantir tal declaração “.

“Os consumidores podem confiar no uso de protetores solares”, conclui a Associação Nacional de Perfumaria e Cosméticos, que lembra que um filtro solar, antes de colocá-lo no mercado, requer um arquivo de informações do produto, que inclui uma avaliação de segurança e o suporte das reivindicações que reivindica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *