Miss Cantine

As crianças realmente têm um surto de testosterona aos quatro anos de idade?

A ideia de que aos quatro anos de idade as crianças têm um surto de testosterona É usado muitas vezes para explicar comportamentos difíceis nessa idade. Mas como surgiu essa ideia? Existe alguma verdade? Caso contrário, o que poderia explicar esse comportamento?

O psicólogo e autor Stephen Biddulph é frequentemente creditado com a idéia de que aos quatro anos as crianças têm um surto de testosterona. Embora seja verdade que ele mencione isso em seu livro Educate Children, ele realmente falou sobre o trabalho de outro autor:

Segundo o Dr. Mitchell Harman, do Departamento de Envelhecimento dos EUA, os meninos experimentam um surto de testosterona aos quatro anos […]. Mas nem todos os pesquisadores concordam com suas descobertas, então permanece uma idéia discutível.

Biddulph disse que Harman havia escrito sobre o assunto para um artigo na revista masculina Esquire em 1999 e que “continuou a defender essas descobertas” quando solicitado em 2015.

O que diz a ciência?

Como um adolescente pesquisador e endocrinologista especializado em hormônios da puberdade, posso dizer que não há provas de que exista tal surto de testosterona. Muitos estudos sobre hormônios em meninos publicados em revistas especializadas confirmam isso.

Um aumento nos níveis de testosterona não é possível quando os testículos (onde a testosterona é produzida) são pequenos e os níveis do hormônio que estimula a produção de testosterona são baixos.

O único momento em que os níveis de testosterona de uma criança de quatro anos são altos é devido a uma doença rara chamada puberdade precoce que faz com que uma criança inicie a puberdade muito cedo e seus testículos cresçam muito mais do que o normal.

É verdade que ocorre um aumento na testosterona, mas não nessa idade

Existem vários aumentos nos níveis de testosterona durante o desenvolvimento de uma criança que coincidem com o desenvolvimento do cérebro, mas nunca às quatro.

O primeiro aumento de testosterona em meninos com níveis semelhantes aos da puberdade ocorre durante os dois primeiros trimestres da gravidez e essa testosterona é responsável pelo desenvolvimento do pênis e escroto, um processo conhecido como masculinização dos órgãos genitais. externo

O segundo aumento na testosterona ocorre aproximadamente durante os primeiros seis meses de vida. Essa mini-puberdade faz com que os órgãos genitais das crianças pareçam mais pronunciados por um curto período de tempo, algo que muitos pais percebem.

A puberdade é a fase em que ocorre o terceiro e último aumento de testosterona, multiplicando por 10 ou até 20 em um período de dois a três anos. A puberdade é um período em que ocorre um grande crescimento físico acompanhado por mudanças comportamentais significativas que são claramente influenciadas pelo desenvolvimento cerebral.

Sim, existem alterações hormonais, mas não nos níveis de testosterona

Existem alterações hormonais que começam aproximadamente aos cinco ou seis anos em ambos os sexos, em um período conhecido como adrenarca, algo que também pode ter contribuído para a confusão.

Um aviso: não permita que pediatras ou enfermeiros abaixem a pele do pênis até o bebê para curar sua fimose

A adrenalina é a maturação de parte das glândulas supra-renais, onde são produzidos hormônios semelhantes à testosterona, embora muito mais fracos, o efeito mais comum é o odor corporal. No entanto, os cientistas não sabem exatamente por que meninos e meninas têm essa fase e ninguém foi capaz de diferenciar nenhum efeito claro no comportamento infantil.

Não, não há surtos de testosterona

O uso da palavra “surto” para descrever a produção de testosterona também está incorreto.

Em nenhum momento da vida ocorre um surto de testosterona. A palavra “surto” está associada a velocidade e urgência, algo que não tem nada a ver com o que acontece durante a infância, pois quando a testosterona aumenta durante a puberdade, ela cresce gradualmente no início e sua produção não acelera até o final da infância. puberdade ou no final dela.

O que mais pode explicar esse tipo de comportamento?

Existe uma explicação alternativa para o comportamento nessa idade das crianças sobre as quais os pais estão falando?

Vemos diferenças no cérebro de meninos e meninas e seu comportamento muito antes da puberdade. O aumento da testosterona no útero e durante a mini-puberdade que ocorre durante os primeiros seis meses de vida é provavelmente a explicação.

Estudos que examinam o comportamento de crianças entre quatro e cinco anos de idade tendem a se concentrar em interações sociais ou jogos, uma vez que é o que as crianças passam a maior parte do tempo nessa idade.

Esses estudos nos mostram que meninos e meninas nessa idade costumam brincar e se comunicar de maneira diferente. Os jogos infantis tendem a ser mais físicos e incorporam brinquedos móveis ou estruturas de construção, enquanto as meninas geralmente brincam de maneira mais interativa e são mais expressivas.

Curiosamente, meninas com hiperplasia adrenal congênita, expostas a altos níveis de testosterona no útero, tendem a ter estilos de jogo mais “físicos e físicos”, como resultado do efeito da testosterona no desenvolvimento inicial do cérebro.

Por que uma mudança de comportamento ocorre em crianças entre quatro e cinco anos de idade?

Nesta idade, as crianças aprendem a interagir com os outros, a entender as necessidades de outra pessoa, a compartilhar e lidar com situações novas e estranhas.

Portanto, as crianças precisam aprender a regular suas próprias emoções, como medo, preocupações, nojo e raiva.

Caso contrário, podemos ver explosões emocionais que às vezes podem ser explosivas. As crianças podem ter problemas para entender ou explicar por que perderam o controle de suas emoções e as crianças podem responder de uma maneira mais física e menos capaz de explicar o que aconteceu.

Aprender a regular suas emoções é uma habilidade importante para o desenvolvimento das crianças e os pais podem influenciar o controle emocional positivo, garantindo que seus filhos mantenham as rotinas diárias, tenham tempo suficiente para brincar e dormir o suficiente. Também é útil reconhecer quando eles se comportam bem e não reagem exageradamente a pequenos casos de rebelião por atenção.

Não devemos culpar os hormônios pelo comportamento das crianças. O que precisa ser feito é tentar entender melhor esses comportamentos.

Por exemplo, quando uma criança constantemente se comporta mal e seu comportamento é preocupante, ele pode estar indicando algum tipo de ansiedade como uma reação ao estresse da família ou ser o resultado de problemas que remontam à época em que era mais jovem. Se você está preocupado com o comportamento do seu filho, procure ajuda profissional.

É importante priorizar o tempo de brincar no caso de todas as crianças, algo que pode incluir respeitar o espaço e dar permissão para fazer barulho e ser escandaloso.

Autor: Kate Steinbeck, endocrinologista e médico em medicina do adolescente. Presidente de Medicina do Adolescente, Universidade de Sydney.

Este artigo foi publicado originalmente na The Conversation. Você pode ler o artigo original aqui.

Traduzido por Silvestre Urbón.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *