Miss Cantine

Trombofilia, responsável por 50% dos abortos recorrentes: por que ocorre e como é tratada

Entre 20 e 30% das gestações terminam em aborto espontâneo e, em 15% dos casos, o aborto se repete novamente. As causas que ocultam os abortos recorrentes podem ser múltiplas, e entre elas estão os distúrbios da coagulação sanguínea materna.

Esse problema é chamado trombofilia e, de acordo com um estudo realizado pela Clínica Universidad de Navarra e pelo Hospital Universitário da Fundação Jiménez Díaz, pode ser a causa de até 50% de abortos repetidos.

Nós explicamos o que são distúrbios de trombofilia, por que elas ocorrem e como são tratadas para que não afetem o desenvolvimento da gravidez.

O que é trombofilia?

A trombofilia é uma desequilíbrio da coagulação do sangue que tende a hipercoagulabilidade; isto é, a tendência exagerada de formar coágulos dentro dos vasos sanguíneos, quando não são necessários. Esses coágulos podem se formar dentro das veias, artérias e também da placenta.

Esse distúrbio está associado a um risco aumentado de complicações gestacionais, como aborto natural precoce, abortos recorrentes, morte fetal intra-uterina, parto prematuro ou atraso no crescimento intra-uterino.

Tipos de trombofilia

  • Trombofilias hereditárias, presente desde o momento do nascimento. Essas trombofilias são caracterizadas por uma alteração genética em alguns dos fatores sanguíneos ou pela diminuição de algumas proteínas que geralmente nos protegem da formação de coágulos.

Trombofilias herdadas são alterações no fator V de Leiden, mutação no fator II ou gene da protrombina 20210, deficiência de antitrombina, proteínas C e S.

  • Trombofilias adquiridas. Nesse grupo, encontramos a síndrome antifosfolípide, de origem autoimune, ou alguns casos de resistência à proteína C. ativada.

Como são diagnosticados os distúrbios de trombofilia?

Os testes para detectar trombofilia consistem em um exame de sangue específico que identifica marcadores trombofílicos. Esses testes são realizados nos seguintes casos:

  • Se a mulher teve trombose em uma veia profunda do corpoou quando o coágulo progrediu para o pulmão.

  • Sim a mulher perdeu duas ou mais gestações com menos de 10 semanas.

  • Sim a mulher perdeu uma ou mais gestações de mais de 10 semanas.

  • Se a mulher tivesse algum complicação obstétrica, como parto prematuro ou gravidez com retardo no crescimento do bebê.

  • Se a mulher apresentava pré-eclâmpsia, eclâmpsia ou descolamento de placenta.

  • Se a mulher apresentar antecedentes familiares trombose ou complicações na gravidez e programar a busca por gravidez

Na maioria dos casos, o estudo de trombofilia é realizado após a presença de dois ou mais abortos naturais recorrentes. E os especialistas dizem que, quando uma mulher já sofreu um aborto espontâneo, as chances de passar pelo mesmo novamente são de cerca de 15%, uma porcentagem que aumenta para 25 ou 30% se já tiverem dois ou mais filhos. mais abortos anteriores, ou até 60% se a mulher tiver mais de 40 anos.

Como é tratada a trombofilia?

Se as suspeitas de trombofilia forem confirmadas, os médicos estabelecerão o tratamento a ser seguido, sendo a aspirina os medicamentos mais utilizados em doses baixas e heparina de baixo peso molecular (HBPM), que deve ser injetado diariamente por via subcutânea.

O tipo de medicamento, a dose e a duração do tratamento serão determinados individualmente, de acordo com cada caso específico.

Gravidez com trombofilia: como se desenvolve?

Em geral, a gestante com problemas de trombofilia tem um acompanhamento mais rigoroso da gravidez, com avaliação clínica e ultra-sonográfica mais frequentes e exames de sangue contínuos para observar o estado da coagulação.

Além disso, esses tipos de gravidez geralmente são tratados em conjunto pela ginecologista e hematologista.

Os últimos exames médicos antes do parto: em que consistem e quando são realizados

A heparina não passa pela barreira placentária e, portanto, não afeta o bebê. Quanto à mãe, Complicações freqüentes são hematomas no local da injeção.e, como pouco frequente, há um risco aumentado de osteoporose, um risco aumentado de sangramento e uma diminuição no número de plaquetas.

Embora cada caso deva ser avaliado independentemente, o ideal é que o tratamento com heparina é descontinuado 24 horas antes da administração da anestesia peridural, a fim de evitar o risco de hematoma subdural. Portanto, se a mulher decidir dar à luz com uma epidural, o parto deve ser agendado.

O tratamento com heparina será retomado após o parto ou cesariana e por mais seis semanas, desde durante o puerpério, há um risco aumentado para a mãe sofrendo de trombose venosa profunda

Especialistas dizem que, com tratamento adequado e iniciado precocemente, entre 85-90% das mulheres grávidas com trombofilia conseguem engravidar a termo sem complicações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *