Miss Cantine

Como devemos agir se uma criança está em risco, sem abrigo ou abuso

É importante que todos participemos da proteção de menores que possam estar em risco, seja abuso ou qualquer tipo de abuso, desamparo ou crianças que não estão sendo tratadas como deveriam.

A Fundação ANAR (Ajuda a crianças e adolescentes em risco) publicou um decálogo onde nos diz o que fazer para resgatar uma criança em risco, falta de moradia ou abuso.

Ajuda imediata deve ser fornecida

Eles explicam pelo telefone da criança da ANAR que recebem uma média diária de 1.200 chamadas. Delas, pelo menos três casos são muito graves e a intervenção da polícia ou da guarda civil ou de serviços sociais é necessária.

Portanto, é muito importante não baixar a guarda e saber como agir quando suspeitamos ou temos informações de que uma criança está em risco ou sem abrigo e que recursos existem, especialmente nos casos de crianças pequenas (0 a 9 anos). ), que ainda não pode pedir ajuda diretamente.

Entre outras recomendações, a Fundación ANAR insta a agir com urgência e não esperar, pois “As primeiras horas podem ser decisivas para salvar a vida de uma criança ou evitar a exposição a uma nova situação de abuso”.

Benjamín Ballesteros, diretor de programas dessa fundação, também lembra a obrigação legal que existe de não ser inibida em casos desse tipo:

“Todo adulto que conhece uma situação de risco para um menor é obrigado por lei a transferir para as autoridades competentes, além de fornecer assistência imediata”.

Decálogo de ação da Fundação ANAR

1. Se você suspeitar, ligue para nós. Se você acha que conhece alguma situação em que um menor possa estar em perigo, risco ou emergência, sua colaboração é essencial. Ligue para 600 50 51 52.

2. Não tenha medo de contar. O chat e o telefone da ANAR são completamente anônimos e confidenciais e contam com uma equipe de profissionais (conselheiros, psicólogos e assistentes sociais) especializados na infância.

3. Não espere. As primeiras horas podem ser decisivas para salvar a vida de uma criança ou evitar a exposição a uma nova situação de abuso.

4. Colete informações. É necessário que você possa coletar todas as informações que nos permitam identificar o risco real em que a criança está e, se necessário, poder transferi-la para os órgãos competentes e agir o mais rápido possível.

5. Lembre-se de que cada caso é único. Descreva da melhor maneira possível a situação sofrida pelo menor. Esta informação é crucial para identificar a emergência e o risco específico.

6. Em caso de perigo iminente ligue urgentemente para as forças de segurança, polícia autônoma ou 112.

7. Se o menor estiver com você e em segurança, peça ajuda imediatamente. Esteja ciente do perigo que você corre e não o exponha a retornar ao agressor.

Crianças, vítimas silenciosas da violência de gênero

8. Obrigação legal de agir. Qualquer adulto que saiba que uma criança está em risco é obrigado por lei a transferir para as autoridades competentes, além de fornecer assistência imediata.

9. Se o menor estiver na rua, faça com que ele fique em um local público (lanchonete, loja, biblioteca …) até a polícia chegar.

10. Tente se colocar na sua pele. Pense que, se você é adulto e tem medo de intervir para possíveis represálias, imagine como um menino ou uma menina podem se sentir, o que é muito mais vulnerável.

E acrescentaria que, se isso aconteceu comigo, seja paciente com a criança e ofereça todo o amor e apoio que pudermos enquanto a ajuda chegar. Que ele veja que existem adultos que se preocupam com ele e mostra a ele que as coisas podem e vão melhorar.

Como você intervém em uma chamada de risco infantil?

Conforme explicado pela Fundação Anar, existem três níveis de ação antes de uma chamada para 900 20 20 10 (telefone do menor ou adolescente) ou em 600 50 51 52 (telefone da família e centros escolares):

1. Orientação psicológica. A orientação psicológica é oferecida e buscada em conjunto com o menor ou o adulto que pede uma solução para o problema, contando com o ambiente e figuras de referência (pais, avós, resto da família, professores …).

2. Referência. Quando não for possível ou conveniente resolver o problema sem a intervenção de uma agência, entidade ou profissional. Nesses casos, além de fornecer as orientações necessárias, ele se refere aos recursos sociais, educacionais, de saúde, policiais e / ou legais de cada caso.

3. Intervenção. Em situações de risco grave, em que o menor não tem um adulto de referência que possa ou queira ajudá-lo ou quando, mesmo que não exista um risco sério, o menor não tem capacidade de se dedicar sozinho ao recurso de que precisa . Nesses casos, a situação é transferida para as agências ou autoridades relevantes e o caso é monitorado.

Em minha própria pessoa, espero não ter que ver uma criança com problemas em um ambiente próximo, mas tenho certeza de que, se eu a testemunhar, não hesitarei por um momento. Talvez eu não consiga intervir diretamente com a criança, mas posso entrar em contato com a Polícia, os Serviços Sociais ou mesmo com o telefone ANAR o mais rápido possível, para que eles possam proteger e estudar se minhas suspeitas são verdadeiras.

Você não acha que, quando se trata de crianças, é melhor “prevenir do que remediar”, como diz o ditado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *