Miss Cantine

“Educação inclusiva sim, especial também”: os pais pedem ao governo para não desaparecer faculdades de educação especial

Existem 200 mil crianças com deficiência na Espanha e 17% estudam em centros especiais. Agora o Conselho Escolar do Estado quer que morem em escolas comuns Com os outros alunos.

Esta medida causou associações de pais e mães de crianças com deficiência Eles convocaram uma marcha para o próximo 23 de fevereiro, protestando contra o desaparecimento desses centros porque eles são a favor da educação inclusiva, mas também da educação especial.

Existem 477 faculdades de educação especial que podem ser convertidas em espaços de apoio.

Por que a inclusão em centros comuns

A controvérsia começou quando a ministra da Educação, Isabel Celaá, anunciou no Senado em dezembro passado que queria converter os centros de educação especial em “Centros de apoio à inclusão que fornecem aconselhamento e ajuda para que os alunos desses centros possam se juntar progressivamente ao comum”.

Esta decisão é apoiada por um relatório emitido pelo Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, de agosto de 2017, que garante que:

“A existência de Educação Especial e a coexistência de ‘dois sistemas educacionais’ implicariam discriminação contra pessoas com deficiência, fazendo uma interpretação extensa e, pelo menos, discutível da Convenção da ONU.”

O Comitê Espanhol de Representantes das Pessoas com Deficiência (CERMI) também pede a eliminação da Educação Especializada para que os alunos com deficiência sejam treinados em centros educacionais comuns, considerando os centros de educação especial como “Caminhos segregados e paralelos para estudantes com deficiência”.

Direito de ser educado onde eles precisam

No entanto, os pais de crianças com deficiência se opõem a essa medida. A plataforma “Educação inclusiva sim, também especial”, em nível estadual, reúne famílias afetadas pelos planos do Conselho Escolar do Estado anunciando o desaparecimento de centros de educação especializada, alegando que é “Segregador e discriminatório.”

Para a inclusão de crianças com deficiência: a Justiça de Valência permite que uma criança com autismo continue estudando em sua escola comum

Eles se opõem ao relatório da ONU porque afirmam que não há registro de que os membros do Comitê tenham visitado qualquer centro de educação especial na Espanha; portanto, nosso país já apresentou suas alegações, declarando sua “Desacordo e rejeição firme”.

Alegam que a proposta de educação se baseia em:

“Uma séria ignorância sobre o que é a deficiência e as diferentes atividades educacionais que ocorrem nesses centros educacionais para fornecer conhecimento e habilidades a esses alunos com diversidade e que, na maioria dos casos, têm uma alta afetação que limita bastante meça sua capacidade intelectual ”.

Eles também discordam do CERMI e afirmam que essas crianças precisam de atenção específica e consciente de suas limitações e defendem “o direito da criança ser educada onde precisa”.

“A partir desta plataforma, acreditamos e defendemos o direito de todas as pessoas com deficiência de ter uma inclusão real na sociedade em todas as áreas. Portanto, pedimos aos governos que garantam uma dotação suficiente de recursos para atender os alunos com deficiência. em centros comuns e em centros de educação especial “.

Eles denunciam que “A maioria dos centros não é adaptada e a integração é impossível”.

Não ser discriminado não é tratar a todos da mesma forma

É o que os pais da plataforma defendem, que garantem que “você tem que tratar cada um como você precisa”, para não discriminar você, porque:

“Embora algumas crianças se adaptem muito bem à escola comum, outras exigem uma educação individualizada, com equipe altamente especializada, espaços adaptados, salas de aula com poucos alunos e ritmos específicos de aprendizado”.

Parece que o controverso projeto educacional, aprovado na última sexta-feira no Conselho de Ministros, não verá luz para o avanço das eleições, embora os pais desta Plataforma expliquem que o texto se refere à intenção de fornecer recursos para a centros comuns para que, em dez anos, possam atender alunos com deficiência e que os outros centros permaneçam apenas para casos de ‘atenção muito especializada’.

É por isso que eles temem que “Como a lei é tão ambígua, as comunidades autônomas podem interpretar a eliminação desses centros como uma opção”, uma vez que transferiram as competências em Educação, seriam as que corresponderiam a assumir a maior parte da mudança.

Portanto, os pais da plataforma “Educação inclusiva sim, especial, também” nos fazem uma pergunta:

Por que destruir estruturas educacionais que estão funcionando e que garantem o direito a uma educação de qualidade para esse corpo discente?

E você, o que você acha disso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *