Miss Cantine

70% das mulheres grávidas não seguem hábitos alimentares saudáveis ​​e exercício, de acordo com uma pesquisa

De acordo com o “VIII Estudo CinfaSalud. Percepção e hábitos de mulheres espanholas durante a gravidez”, quase 70% das mulheres grávidas em nosso país não mantêm hábitos de vida saudáveis ​​durante a gravidez.

Uma em cada quatro mulheres grávidas não cuida de sua dieta e três em cada dez não praticam nenhum tipo de exercício físico. É importante estar ciente desses dados e cuidar-se corretamente durante a gravidez, pois dependerá não apenas de nossa saúde, mas também de nosso bebê.

70% não têm hábitos adequados

A adoção de hábitos corretos durante a gravidez é essencial, tanto para manter a saúde da gestante quanto do futuro bebê, além de prevenir possíveis complicações. No entanto, das 2.436 mães participantes da pesquisa Cinfa, quase 70% admitiram não seguir hábitos adequados no que diz respeito à sua dieta, rotinas e exercícios.

Alimentação durante a gravidez: muito a melhorar

De acordo com a pesquisa, mais de 25% das mulheres grávidas não comem de acordo com seu status, e alguns até pioram sua dieta ao comer grandes quantidades ou comer de acordo com seus desejos, não importa o quê.

Também é alarmante o número de mulheres que durante a gravidez eles não prestam atenção à hidratação, já que quase 70% não sabem que as necessidades líquidas no período de gestação aumentam e é muito importante que elas sejam atendidas.

Por outro lado, embora exista uma maior conscientização sobre alimentos conflitantes ou arriscados durante a gravidez, ainda há muito a melhorar desde mais de 40% das mulheres grávidas não evitam comer o seguinte:

  • Laticínios feitos com leite não pasteurizado, patê, defumado como salmão ou lingüiça, com probabilidade de causar listeriose.

  • Carne crua ou mal cozida, enchidos e frutas ou legumes frescos ou com casca, suscetíveis de causar toxoplasmose.

  • Ovo cru ou alimentos que o contêm, brotos de sementes como soja, carnes mal cozidas, moluscos ou mariscos, com probabilidade de causar salmonelose.

  • Peixes azuis grandes, como o peixe-cão (tubarão), o espadarte, o atum, a lúcio, a enguia e o imperador, alto teor de mercúrio

  • Peixes que não foram previamente congelado, devido ao risco de contrair anisakis.

Dada a alta risco de infecções e intoxicação alimentar Esses alimentos, com possíveis efeitos sobre a saúde do bebê, são essenciais para evitar ou consumir com segurança durante a gravidez.

Três em cada dez não praticam exercício físico

Em relação ao exercício físico, quase 70% das entrevistadas praticam moderada ou adaptada à gravidez, mas ainda três em cada dez ainda não realizam nenhum tipo de atividade física durante a gravidez.

Entre as atividades preferidas pelas gestantes está a caminhada e a natação, embora algumas optem por exercícios específicos para esse período, como ginástica, ioga ou pilates adaptado.

Cabe ressaltar, ainda, que 0,4% das gestantes pesquisadas afirmam continuar praticando esportes de risco durante a gravidez, como esquiar ou andar a cavalo, além de atividades de alta demanda física no nível da competição, apesar de serem poucas práticas recomendadas nesse estágio.

Álcool e tabaco

Com relação ao álcool, as gestantes pesquisadas estão plenamente conscientes risco de ingestão durante a gravideze nove em cada dez reivindicações para evitá-lo completamente.

Se falamos de tabaco, quase 17% param de fumar durante a gravidez, mas 9% continuam a fazê-lo, e sobre eles 37,5% fumam mais de cinco cigarros por dia, com o consequente risco de problemas no crescimento e desenvolvimento do bebê.

Uso de medicamentos durante a gravidez

Embora a regra geral seja não tome medicamentos durante a gravidez, em alguns casos, o uso destes pode ser necessário para tratar várias patologias nesse período, ou mesmo para aliviar desconfortos típicos desse estágio ou garantir o correto desenvolvimento da gravidez.

O importante é que sempre que as drogas são usadas, isso é feito com o correspondente conselho de médicos especialistas.

Nesta linha, de acordo com a pesquisa realizada, sete em cada dez mulheres precisam tomar algum tipo de medicamento em algum momento da gravidez e é comum nesses casos que surjam dúvidas sobre como tomá-las.

36% dos entrevistados resolvem essas dúvidas com os profissionais de saúde, mas há um percentual de mulheres que não pedem e decidem por si mesmas parar de tomar o medicamento (quase 5%) ou tomá-lo sem conhecer as conseqüências que pode ter (0,2 por cento).

Embora não se trate de altas porcentagens, a Cinfa lembra através deste estudo que o fato decidir se deve ou não tomar os medicamentos por conta própria durante a gravidez Pode ter sérias conseqüências para a mãe e o bebê.

Informação e comunicação com profissionais médicos

Alguns desses dados são realmente alarmantes, por isso é importante que, durante a gravidez, tomemos consciência da importância de manter hábitos alimentares e de vida adequados.

Da mesma forma, os especialistas aconselham as mulheres que desejam engravidar a participar de uma consulta pré-concepção, onde receberão todas as diretrizes e recomendações a seguir a partir desse momento, é especialmente importante o consumo de ácido fólico, a revisão do status vacinal e o abandono do tabaco e do álcool.

Cuidar de si mesmo durante a gravidez é essencial; tanto para a saúde e desenvolvimento adequado do futuro bebê, quanto para nosso próprio bem-estar e segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *