Miss Cantine

Dia das Mães 2018: nove histórias de mães maravilhosas que vão emocionar você

Nos últimos meses nós conhecemos mães fabulosas através de várias entrevistas. Mães que abriram seus corações e compartilharam com todos os leitores de “Bebês e Mais” pequenos fragmentos de sua vida e maternidade que nos comoveram.

Portanto, por ocasião do dia das mães, queremos fazer uma compilação das mais belas reflexões que algumas dessas mães nos deram; mães extraordinárias todas elas, como cada uma de nós, que nos mostraram o mundo com seus olhos, de uma maneira única e especial.

Irene, mãe de 10 filhos

No início do ano, conhecemos Irene, uma “mãe normal” que Apenas deu à luz o seu décimo bebê. Irene ficou impressionada com sua força, sua proximidade e a capacidade que ela e o marido têm de organizar.

Na entrevista que ele nos deu, ele compartilhou conosco experiências preciosas de seus 15 anos como mãe e também alguns momentos especialmente difíceis como o nascimento prematuro de seu segundo filho e a morte de seu terceiro filho, Nazaré, que marcaram o antes e o depois no seu modo de entender a vida e a maternidade.

Irene sempre tem um sorriso nos lábios e uma palavra gentil, e dessa conversa com ela hoje resgato a mensagem que ela então dirigiu a todas as mães:

“Qualquer dificuldade que você tiver que enfrentar será superada com o amor de uma criança, que é a coisa mais forte que existe. A maternidade às vezes é difícil, mas os bons tempos são tão maravilhosamente maravilhosos que compensam qualquer coisa”.

Eva, mãe de gêmeos, graças à fertilização in vitro

Eva M.Deiros abordou-nos com absoluta franqueza o problema da infertilidade, que encontrou em janeiro de 2013, quando decidiu engravidar pela primeira vez.

Depois de um ano tentando sem sucesso, Eva passou por seis ciclos com pílulas de ovulação, três ciclos com hormônios injetáveis ​​e relacionamentos programados, quatro inseminações artificiais e, finalmente, uma fertilização in vitro, graças à qual ela engravidou de gêmeos.

Conversar com Eva nos ajudou a conhecer o força das mulheres que querem ser mães apesar dos obstáculos, e graças a seu testemunho e experiência, fomos capazes de nos colocar na pele deles e entender um pouco mais tudo o que eles conseguem viver. Mas, apesar das dificuldades, o caminho da infertilidade trouxe grandes alegrias a Eva, lindas amizades e a possibilidade de ajudar outras mães graças a seus livros.

Da entrevista que fiz a Eva, extraio a seguinte frase, que resume perfeitamente o que significa querer ser mãe e não ser capaz de:

“A pior coisa de passar por tantos tratamentos não são as perfurações na barriga, nem os controles médicos, nem a sala de operações. A pior coisa de passar pela infertilidade é sentir-se mãe e não ter um bebê”.

Montse, Rosa e Elena, três mães solteiras

Apenas algumas semanas atrás, conhecemos as histórias de Rosa, Elena e Montse, três mães solteiras (dois deles, por opção) que compartilharam conosco partes do seu dia-a-dia com a mãe solteira dos filhos.

Pelas suas palavras e reflexões, tirei grandes lições, mas permaneço com a ilusão, força e coragem de Rosa e Elena para realize seu sonho de ser mãe solteira, apesar das opiniões e idéias que geralmente prevalecem na sociedade.

“Sou corajoso porque pude ter um sonho e lutar por ele, lutar para alcançá-lo, independentemente do que os outros pensem” – Rosa nos disse.

A história de Montse, por outro lado, é muito diferente da anterior porque ser mãe solteira não era algo que entrava nos seus planos quando ela engravidou do filho Lucas. Então, quando seu parceiro decidiu ignorar o bebê que eles esperavam, Montse teve que enfrentar essa dura realidade e, por isso, ele quis compartilhar conosco com grande franqueza e coragem.

Mas, além de abrir bem o coração, essa mãe corajosa também dedicou alguns palavras de incentivo a todas as mães solteiras que estão na sua situação; Uma bela reflexão que hoje queríamos resgatar novamente:

“Você é forte, bonita, inteligente e muito capaz de criar seu filho sozinha. Se um dia você quiser, poderá encontrar um parceiro novamente, embora seja importante que saiba que não precisa de ninguém para criar seu filho. Somente seu filho ele precisa de você e você está indo muito bem ”

Ana, mãe de uma criança com doença rara

Quando você é mãe e conhece outra mulher que luta diariamente por seu filho doente, seu coração se parte em mil pedaços e você só quer fazer algo que ajude a reconstruir sua alma.

Foi o que senti quando entrevistei Ana, mãe de um menino de três anos com uma doença rara chamada síndrome de Legg-Calvé-Perthes. Embora seja uma doença com um bom prognóstico, o desgaste psicológico dos pais é muito grande, e Ana luta todos os dias para dar ao filho a melhor qualidade de vida e garantir seu bem-estar.

De sua entrevista eu fico com a força de suas palavras, e ressalto novamente esta frase cheia de esperança para um futuro melhor, que uma vez me comoveu:

“Meu filho não pode ter uma vida normal. Suas limitações são nossas, embora tentemos fazê-lo viver da melhor maneira possível. Ele não pode correr hoje, mas eu sei que amanhã ele poderá voar”

Monica, mãe de um bebê que morreu ao nascer

Uma das entrevistas que mais me marcou foi, sem dúvida, a de Monica; uma mãe que ele tem lutado para se levantar todas as manhãs há três anos e superar a enorme tristeza que tomou conta de sua alma em 2015, depois de perder sua pequena Chloe por negligência durante o parto.

Sua história comovente e cruel é, no entanto, uma história de esperança, lembranças e vida. Uma história que Monica não quer esquecer e que compartilhou conosco com grande sensibilidade e serenidade.

Monica quer que a história de Chloe toque as consciências e, desde então, luta para aumentar a conscientização sobre o Humanização e respeito pelas mulheres durante o parto, e por dar visibilidade ao duelo perinatal. Isto foi afirmado em uma entrevista emocionalmente carregada:

“Nunca foi difícil para mim exteriorizar minha dor, e falei sem tabus para aqueles que me pediram. É benéfico tratar o processo de luto normalmente e não encher o silêncio com palavras vazias ou até prejudiciais”.

Cris, mãe de um filho prematuro

Por ocasião do Dia Mundial da Prematura que comemoramos em 17 de novembro, queríamos trazer-lhe a verdadeira história de um bebê prematuro e sua mãe. E foi assim que conhecemos Andrés e Cris, em uma entrevista emocionante que nos deixou sem palavras.

Andrés nasceu na 29ª semana de gestação, após um parto difícil e doloroso que foi trazido à tona por causa da imensa dor que inundou o coração de Cris, que apenas um mês antes, ela havia perdido o marido de repente.

Conhecer de perto a história de um bebê prematuro é conhecer uma história de luta, de incerteza, de grandes alegrias por pequenos avanços e, acima de tudo, de admiração. Mas a história de Cris também é uma história de força avassaladora, esperança e imenso poder que o amor tem.

“Eu sei que meu filho veio ao mundo antes do tempo para salvar minha vida. Eu não sei o que teria acontecido comigo sem ele”

Fanny, mãe de uma dançarina infantil

Outra bela entrevista que eu gostaria de lembrar novamente em um dia como hoje é a de Fanny, mãe de um menino dançarino chamado Diego.

O abertura de suas palavras comoveu muitos leitores, que não hesitou em aplaudir o gesto corajoso dessa mãe que há muito luta com o filho para quebrar os preconceitos mentais que ainda prevalecem em uma parte da sociedade.

Diego pratica balé desde os seis anos de idade, mas seu hobby não é apenas não foi entendido na época por boa parte de sua família, mas o levou a ser provocado por alguns colegas de escola.

Hoje, Diego é uma criança dedicada ao balé e Fanny, uma mãe orgulhosa que se esforça para realizar o sonho de seu filho. A partir dessa entrevista, surgiram grandes reflexões desta mãe, mas fiquei com esta mensagem motivadora de que, na minha opinião, todos os pais devem aplicar-se na educação de nossos filhos:

“O que qualquer criança precisa saber é que seus pais sempre o apoiarão no que ele quer ser ou fará, se isso o fizer feliz. Se você perguntar a Diego como ele é no futuro, ele lhe diz que em Londres dançando o Lago dos Cisnes no Royal Ballet. E quem sou eu para vetar o sonho dele? ”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *